Longe do mar, Luiz Otávio desistiu de ser marinheiro e virou xerife na zaga da Chapecoense - Esportes - Santa

Versão mobile

Verdão06/04/2017 | 14h56Atualizada em 06/04/2017 | 16h01

Longe do mar, Luiz Otávio desistiu de ser marinheiro e virou xerife na zaga da Chapecoense

Zagueiro foi destaque na vitória sobre o Atlético Nacional pela Recopa

Longe do mar, Luiz Otávio desistiu de ser marinheiro e virou xerife na zaga da Chapecoense Márcio Cunha/Especial
Foto: Márcio Cunha / Especial
darci debona

Quando criança em Japeri (RJ), o zagueiro Luiz Otávio, autor do gol da vitória da Chapecoense sobre o Atlético Nacional, na terça-feira, queria ser marinheiro. Mas as boas atuações no futebol de várzea encaminharam sua carreira para os campos de futebol. Sorte da Chape, que contou com a noite iluminada do zagueiro para vencer e ficar perto do título da Recopa Sul-Americana. Ele saiu do banco no intervalo e usou a cabeça para balançar a rede.

Antes de chegar na Chapecoense, ele defendia o Luverdense, em Lucas do Rio Verde (MT). Por ironia do destino, as duas cidades são distantes do mar. Enquanto a cidade do Mato Grosso fica a quase 2 mil quilômetros do oceano Atlântico, Chapecó está a 600 quilômetros do litoral.

Mas a não realização do sonho de infância não tira o largo sorriso do alto de seu 1,95 metro de altura. Quando Grolli informou ao banco que estava sentindo a "perna pesada", Luiz Otávio foi alongar. Fominha como sempre foi desde a adolescência, queria muito entrar na partida. Ele só não esperava que a sorte estivesse do seu lado.

Foto: NELSON ALMEIDA / AFP

– Fiquei muito feliz. Nas partidas que entrei como titular, não tomamos gol. E nos jogos que entrei, o time saiu vitorioso, como o duelo diante do Zúlia, na estreia da Libertadores – lembrou.

Na Chape, Luiz não é marinheiro de primeira viagem. O jogador de 24 anos foi titular em quatro jogos do Catarinense, contra Tubarão, Avaí, Joinville e Criciúma. Contra o Tigre, também marcou um gol. Contra o Avaí, foi responsável para combater a bola aérea do Leão.

Durante as partidas, ele fica tão concentrado que não dá bola nem para a mulher Jeanne Borges e o filho Thomas, de 6 anos. Num jogo em que estava no banco, o filho foi até perto da casamata, na grade, e o atleta apenas o cumprimentou. Zagueiro-zagueiro, Luiz Otávio também não é de conversar muito.

– Se eu não precisar falar, não falo – contou.

O jogador gosta mesmo é de ficar em casa, assistindo a filmes de ação e programas do Discovery Channel. O único problema é que às vezes passa um caminhão carregado de suínos e o cheiro forte invade o apartamento. Jeanne lembra que seu avô também criava suínos.

Embora longe do mar, o jogador está adorando Chapecó. Considera acolhedora e sem a agitação da cidade grande. Ele pretende ir pescar e acampar quando tiver uma folga.

– Adoro pescar e ficar sossegado no meio do mato para relaxar da pressão que a gente sofre – explicou o defensor.

Inspirado no zagueiro Juan, do Flamengo, que já jogou na Seleção Brasileira, também pretende um dia vestir a amarelinha. Se continuar fazendo gols decisivos, a torcida logo vai começar a gritar: Luiz Otávio é seleção.

Leia mais:

Chapecoense vence Atlético Nacional por 2 a 1 no jogo de ida da Recopa

VÍDEO: torcedores da Chapecoense abraçam a Arena Condá

Chapecó lança Parque Medellín em homenagem aos colombianos

Homenagens e festa marcam chegada do Atlético Nacional em Chapecó 

Prefeito de Medellín é homenageado em Chapecó 

Ansiedade toma conta de Chapecó antes do jogo

Chapecó está pronta para retribuir o carinho aos colombianos

Siga SantaEsporte no Twitter

  • SantaEsporte

    SantaEsporte

    SantaEsporteCom gols de Henan e Ty Sandows, Figueirense vence ABC no Scarpelli https://t.co/cpA8sOdjdb #LeiaNoSantahá 13 minutosRetweet
  • SantaEsporte

    SantaEsporte

    SantaEsporteBarcelona segue líder após vitória no dérbi contra Girona https://t.co/hRb1Sf8923 #LeiaNoSantahá 33 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros