Em noite de golaços, Grêmio vence o Fluminense no Maracanã - Esportes - Santa

Versão mobile

Vítima preferida15/06/2017 | 22h52Atualizada em 16/06/2017 | 00h12

Em noite de golaços, Grêmio vence o Fluminense no Maracanã

Vitória por 2 a 0 mantém a equipe de Renato Portaluppi a um ponto do Corinthians

Em noite de golaços, Grêmio vence o Fluminense no Maracanã Alexandre Cassiano/Agência O Globo
Foto: Alexandre Cassiano / Agência O Globo
Luís Henrique Benfica
Luís Henrique Benfica

luis.benfica@zerohora.com.br

O Fluminense virou a vítima preferida do Grêmio. Nesta quinta, pela terceira vez em 30 dias, foi batido pelo time gaúcho, desta vez por 2 a 0, no Maracanã. Segue, assim, a perseguição ao Corinthians pela liderança do Brasileirão — 19 pontos a 18, neste momento. É a melhor arrancada desde 2003, quando foi instituída a fórmula de pontos corridos no Brasileirão.

No primeiro tempo, o gol foi o que de melhor fez o Grêmio ofensivamente. Renato surpreendeu ao posicionar Maicon adiantado, diferentemente do jogo anterior, frente ao Bahia, em que Arthur cumpriu esse papel. Isso determinou que o time perdesse rapidez na criação de jogadas. Corpulento, Maicon, por vezes, tinha dificuldade, por jogar de costas para os marcadores, em escapar do marcador. Seu aproveitamento em passes também não foi o habitual.

Leia mais:
Após vitória sobre o Fluminense no Maracanã, Bolzan diz: "A palavra-chave é maturidade"
Renato exalta atuação em vitória, mas prega cautela: "É pezinho no chão, não conquistamos nada ainda"
Jogadores comemoram regularidade do Grêmio após mais uma vitória no Brasileirão

A primeira tentativa foi a quatro minutos. Maicon abriu a Pedro Rocha que, de imediato, fez passe a Luan, que bateu sem dificuldades para a defesa de Júlio César. O gol surgiu apenas três minutos mais tarde. Em cobrança de falta sofrida por Luan, Edilson acertou um chute muito forte, que encobriu a barreira e venceu o goleiro.

O Fluminense, que já havia perdido os dois primeiros confrontos para o Grêmio nos últimos 30 dias, acelerou o ritmo para evitar uma nova derrota. Teve uma oportunidade a nove minutos, quando Scarpa, dentro da área, girou e arrematou, mas a bola foi desviada por Michel. O empate veio um minuto depois, por Richarlison, após cobrança de lateral em Léo arremessou a bola dentro da área, mas o atacante estava impedido. Avisado pelo auxiliar Cristhian Passos Sorence, o árbitro Elmo Cunha acertou ao anular.

Os avanços do Grêmio eram feitos de forma cadenciada. Primeiro, porque, já em vantagem ele não precisaria fazer correria e administrar o jogo era o mais recomendável. Segundo, porque, instintivamente, os jogadores já poupavam energia para um calendário cada vez mais apertado. Luan, ao perceber que o time não tinha armação, recuava e o time perdia a referência. E Pedro Rocha voltava a desperdiçar lances. Restava a movimentação sempre intensa de Ramiro. Por outro lado, a solidez da marcação na frente da área, com Michel e Arthur, também inibia qualquer tipo de reação do adversário.  

Veja também:  
Cotação ZH: saiba quais foram os destaques do Grêmio na vitória sobre o Fluminense
Torcedor Gremista ZH:Grêmio virou visitante com gana de campeão  
Veja a tabela de classificação da Série A

Faltava, diferentemente de outros jogos, a  contundência. Foi, dos últimos jogos, aquele em que o Grêmio menos concluiu a gol. O Fluminense tentou por Wendel, a 15 minutos, e Grohe defendeu. E aos 47, em perigosa conclusão de Henrique Dourado, após giro sobre Edilson na intermediária.

Foi muito forte a pressão do Fluminense no início do segundo tempo. Ousado, Abel trocou o lateal Léo pelo atacante Lucas Fernandes e encontrou as brechas que faltaram a seu time na primeira etapa. Maicon, a essa altura, já atuava mais fixo na frente da área, deixando para Michel e Arthur a tarefa de se somarem aos atacantes.

Pouco a pouco, o Grêmio reencontrou seu espaço em campo. E assustou o Fluminense em chute forte de Edilson, a 14 minutos. Aos 14, Luan livrou-se de três marcadores e serviu a Arthur, que chutou nos pés de Júlio César. Na sequência, Renato trocou Maicon por Everton, em busca de agressividade. Ao mesmo tempo, a equipe passava a se valer da maturidade que Renato reivindica. Sempre que possível, retardava o jogo com troca de passes e reduzia o ímpeto adversário. Se não assustava, também não se deixava assustar. Para fechar a noite, fez o segundo gol também em cobrança de falta. Se, no primeiro, Edilson usou de força, no segundo, Luan abusou da técnica. Seu chute, colocado por cima da barreira, achou o ângulo direito do goleiro: 2 a 0.  

*ZHESPORTES

Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros