Direção da Chapecoense quer técnico que valorize a base - Esportes - Santa

Versão mobile

Substituto05/07/2017 | 15h50Atualizada em 05/07/2017 | 16h00

Direção da Chapecoense quer técnico que valorize a base

Enderson Moreira, do América-MG, é o favorito para o cargo

Direção da Chapecoense quer técnico que valorize a base claudio cruz,assessoria de imprensa america,divulgação/claudio cruz,assessoria de imprensa america,Divulgação
Técnico do América-MG, Enderson Moreira é a primeiro opção da lista da diretoria Foto: claudio cruz,assessoria de imprensa america,divulgação / claudio cruz,assessoria de imprensa america,Divulgação

O diretor-executivo da Chapecoense, Rui Costa, deu uma declaração na tarde desta quarta-feira, em que destacou que o clube busca um treinador que se identifique com o Verdão e que valorize a base. O técnico Vagner Mancini, demitido na terça-feira, passou a colocar jogadores da base do clube — o volante Lucas Mineiro e o atacante Lourency — somente nas últimas rodadas.

— Estabelecemos um perfil de treinador dentro do que entendemos que seja a característica do clube, característica do elenco que nós temos, conhecimento do elenco, do processo de formação. Também tem que ter o entendimento de que  temos que investir na base e estamos trabalhando, fazendo algumas conversas, no sentido de agilizar o máximo a escolha do novo profissional – destacou Rui Costa.

Perfil de Enderson Moreira

A preferência da direção é por Enderson Moreira, que está no América-MG, onde começou a carreira como preparador físico, em 1995. 

Ele trabalhou na base do Atlético Mineiro e do Cruzeiro, onde foi campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior em 2007. No ano seguinte, foi para o Ipatinga, onde foi promovido ao time principal nas últimas rodadas do Campeonato Brasileiro e acabou rebaixado para a Série B. Depois, voltou para a base, no Atlético Paranaense e treinou o time B do Internacional, de 2009 a 2011. Ainda em 2011 foi auxiliar técnico e técnico interino no Fluminense.

No ano seguinte, já no Goiás, foi campeão goiano e da Série B do Campeonato Brasileiro. No ano seguinte, foi bicampeão goiano. Em 2014, foi para o Grêmio, onde acabou demitido após 12 rodadas do Brasileirão. Esteve no Santos, onde ficou até o início de 2015. No mesmo ano, foi para o Atlético Paranaense, onde ficou pouco tempo, indo para o Fluminense.

Em 2016, retornou para o Goiás e venceu pela terceira vez o campeonato goiano, mas não terminou o Campeonato Brasileiro. Depois, foi para o América-MG e não conseguiu salvar o time do rebaixamento, mas continua no comando da equipe até o momento.

Enderson tem 45 anos e outro aspecto que conta a seu favor é conhecer o futebol do Sul. A direção da Chapecoense avalia que o time está jogando muito aberto, levando muitos gols. 


 
 
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros