Ginastas do IEE representarão Brasil no PAN e se mobilizam para garantir recursos para viagem aos EUA - Esportes - Santa

Versão mobile

Em Daytona Beach14/07/2017 | 07h55Atualizada em 14/07/2017 | 07h55

Ginastas do IEE representarão Brasil no PAN e se mobilizam para garantir recursos para viagem aos EUA

Competição acontece em outubro na Florida e são necessários R$ 80 mil para levar as ginastas

Ginastas do IEE representarão Brasil no PAN e se mobilizam para garantir recursos para viagem aos EUA Marco Favero/Agencia RBS
Bia (C) é o principal destaque do time Foto: Marco Favero / Agencia RBS

Quando é dia de treino de ginástica rítmica, o ginásio do Instituto Estadual de Educação, no centro de Florianópolis, fica completamente lotado de meninas que, mesmo tão pequenas, produzem um espetáculo que mistura balé e movimentos que transformam o corpo em elástico. Tudo em perfeita harmonia com as maças e a música, seja ela um pop ou uma clássica. Em outubro, quatro dessas ginastas da equipe Adiee/Udesc, entre 14 e 15 anos, terão a maior responsabilidade da vida: representar a seleção brasileira no Pan juvenil que acontecerá em Daytona Beach, nos Estados Unidos.

Só que o grande sonho pode emperrar na falta de recursos. Por isso, desde já, pais e professores estão organizando rifas e bazares para arrecadar fundos, afinal, para as atletas mais dois treinadores, a despesa total gira em torno de R$ 80 mil. 

As meninas do IEE que chamaram a atenção da Confederação Brasileira são Beatriz Linhares, Emily Santos, Yasmin Jorge e Taís Costa. Santa Catarina ainda tem outras duas meninas na seleção: Beatriz Pereira e Maria Luiza Prunner, de Brusque.

Juntas desde 2011, essas meninas foram conquistando cada vez mais espaço no esporte. Naquele ano, foram campeãs da Copa das Américas, ainda no pré-infantil. Em 2013, campeãs sul-americanas pelo infantil. A partir de 2014, já no juvenil, começou uma ascendente: 3º lugar no Brasileiro, vice no ano seguinte e campeãs no ano passado. Campanha que levou as meninas a agora representar o país.

— É muita pressão, porque nós nunca competimos pelo Brasil, nunca tivemos uma oportunidade tão grande — revela Beatriz Linhares, 13 anos, moradora da Trindade e o grande destaque da equipe.

Elasticidade do corpo das meninas chama atenção nos treinamentos Foto: Marco Favero / Agencia RBS

A treinadora, Maria Helena Kraeski, lembra que da quadra do IEE saíram grandes nomes da ginástica rítmica nacional, como Luisa Matsuo, campeã pan-americana no Rio e em Guadalajara. E que há dois anos o Instituto se tornou um dos cinco centros de treinamento de alto rendimento do Ministério do Esporte, com uma infraestrutura e equipamentos de boa qualidade. No entanto, isso ainda não é suficiente.

— O recurso que recebemos dos governos é importante, mas ficou pouco porque a equipe cresceu muito. Os pais que podem pagam, e para os que não a gente realiza rifas, bazares, para custear as nossas despesas que não são poucas.

A próxima ação será um almoço beneficente da Associação Catarinense de Medicina, no dia 15 de julho: o Ginástica Rítmica é Massa! Serão 10 chefes na cozinha. Os ingressos variam entre R$20 e R$ 40. As meninas da ginástica prometem um show à parte. Para saber sobre convites e a melhor maneira de apoiar, a treinadora Maria Helena disponibiliza o telefone: (48) 99915-9283.

Foto: Marco Favero / Agencia RBS
Jornal de Santa Catarina
Busca