Augusto Ittner: O que significa o retorno de Vadinho à diretoria do Metropolitano - Esportes - Santa

Versão mobile

Futebol03/11/2017 | 21h49Atualizada em 04/11/2017 | 07h53

Augusto Ittner: O que significa o retorno de Vadinho à diretoria do Metropolitano

Ele é um dos quatro vice-presidentes confirmados por Saulo Raitz

Augusto Ittner: O que significa o retorno de Vadinho à diretoria do Metropolitano Ricardo Wolffenbüttel/Agencia RBS
Atual presidente da Fesporte é um dos vices de Saulo Raitz. Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Agencia RBS

Chama a atenção na formação da nova diretoria do Metropolitano o retorno de um nome: Erivaldo Caetano Júnior. Um dos principais articuladores políticos do Vale do Itajaí, o ex-coordenador do Procon, ex-presidente Seterb e do próprio Verdão, e atual mandatário da Fesporte, Vadinho consolida um elo entre as gestões de 2012 a 2016 e a de Saulo Raitz, que assumiu o clube na quarta-feira. 

Responsável direto pela "onda verde" – movimento que reacendeu o clube cinco anos atrás –, o dirigente tem experiência e contatos de sobra para colaborar pelos próximos três anos. Tanto pelos erros cometidos e as eliminações na Série D do Brasileiro, quanto pelos acertos – a reaproximação do Metrô com a classe empresarial, por exemplo.

O novo presidente do Metropolitano já teve reuniões também com Marcelo Georg – mandatário do clube em 2013 e 2014 – e Ericsson Luef – um dos fundadores e ex-diretor de futebol – para apresentar o projeto e pedir apoio. Na prática, Saulo se mostra mais flexível, evita discursos polêmicos, opta por exteriorizar um sentimento atipicamente otimista no Verdão de Blumenau e tenta captar dinheiro para a disputa da Série B do Catarinense no ano que vem.

GANHANDO CORPO

A montagem da diretoria executiva nem sequer terminou, já que ainda falta a confirmação de dois empresários, um de Gaspar e outro de Pomerode, mas a nova gestão do Metropolitano apresenta nomes fortes. Marcos Zata (empresário), Valdair Matias (ex-presidente do Samae e um pilares do governo municipal até o início deste ano), Luis Fernando Novaes (advogado de atletas como os zagueiros Thiago Silva e Dante) e Egídio Beckhauser (presidente da FMD). 

Basta saber o quanto cada um vai colaborar na prática. Se todos trabalharem no Metrô com a mesma intensidade de suas funções remuneradas, digamos assim, as chances de dar certo são grandes. O que não pode é tudo ficar nas costas de uma pessoa só.

Siga SantaEsporte no Twitter

  • SantaEsporte

    SantaEsporte

    SantaEsporte"Vou conseguir dormir tranquilo", desabafa goleiro do Avaí https://t.co/clkdVV0ucU #LeiaNoSantahá 3 minutosRetweet
  • SantaEsporte

    SantaEsporte

    SantaEsporteAvaí vence Palmeiras e segue na luta contra o rebaixamento https://t.co/dGV6wSA8nv #LeiaNoSantahá 38 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca