Ex-médico de ginastas dos EUA é condenado a 60 anos de prisão por pornografia infantil - Esportes - Santa

Versão mobile

Washington07/12/2017 | 19h36

Ex-médico de ginastas dos EUA é condenado a 60 anos de prisão por pornografia infantil

AFP
AFP

O ex-médico da seleção de ginástica olímpica dos Estados Unidos Lawrence "Larry" Nassar foi condenado nesta quinta-feira a 60 anos de prisão por posse de pornografia infantil por um tribunal de Michigan, de acordo com um jornal local.

O médico, que se declarou culpado, também é julgado em um caso de abusos sexuais contra jovens atletas nas últimas décadas.

Nassar, 54 anos, recebeu a máxima sentença de 20 anos de prisão por cada uma das três acusações das quais havia sido declarado culpado em julho por um tribunal federal de Grand Rapids, no estado de Michigan.

Chamado de "monstro" por estrelas da ginástica, Nasser foi condenado por ter sido flagrado com 37.000 fotos e vídeos de pornografia infantil em seu computador.

"Você provou que nunca mais deverá ter acesso a crianças", declarou a juíza federal Janet Neff, segundo o jornal local Lansing State Journal.

Segundo a imprensa americana, Nassar, que trabalhou com a equipe de ginástica dos Estados Unidos durante quase três décadas e em quatro Jogos Olímpicos, afirmou estar envergonhado de seus atos.

Além da condenação imposta nesta quinta, Nassar ainda será julgado por abusar sexualmente de dezenas de adolescentes entre 1998 e 2015, sob pretexto de estar realizando exames médicos.

Nassar, demitido em 2016 da USA Gymnastics, entidade que rege a ginástica dos Estados Unidos, se declarou culpado em três acusações de agressão sexual, em final de novembro. Uma semana antes, havia admitido outras sete acusações.

O médico, que até 2015 também trabalhava para a universidade de Michigan State, se declarou culpado de abusar de crianças que tinham entre 13 e 15 anos na época dos atos. Os delitos pelos quais responde podem lhe valer entre 25 a 40 anos de prisão.

* AFP

Jornal de Santa Catarina
Busca