Catarinense terá auxílio do árbitro de vídeo em jogo da final - Esportes - Santa

Versão mobile

Novidade07/01/2018 | 17h10Atualizada em 07/01/2018 | 17h10

Catarinense terá auxílio do árbitro de vídeo em jogo da final

Elaborado pela Federação Catarinense de Futebol (FCF), regulamento prevê o uso da tecnologia

Catarinense terá auxílio do árbitro de vídeo em jogo da final Betina Humeres/Diário Catarinense
Heber Roberto Lopes é um dos árbitros da FCF habilitados a operar o VAR Foto: Betina Humeres / Diário Catarinense

A final do Campeonato Catarinense de 2018 contará com a presença do sistema de vídeo-arbitragem (VAR, na sigla em inglês). A novidade, inclusive, consta no regulamento geral da competição, elaborado pela Federação Catarinense de Futebol (FCF) em novembro do ano passado.

Diretor do departamento de arbitragem, Marco Antônio Martins afirmou que o árbitro Heber Roberto Lopes e o assistente Carlos Berkenbrock, que já integraram o quadro da Fifa, estiveram no treinamento, em setembro, para trabalhar com essa tecnologia. 

– Existe essa possibilidade. Temos profissionais que realizaram esse treinamento e se tiver que utilizar, temos quem escalar. Isso está no regulamento. Vamos colocar em algum jogo importante, que decida uma vaga na final ou na própria final. É uma tecnologia cara (R$ 30 mil por jogo), por isso não temos condições de colocar em todos.

Com a inclusão da final única na edição deste ano, o Catarinense terá 91 partidas. Dessa maneira, o custo operacional do VAR, para que se coloque em todos os jogos da competição, é de R$ 2,7 milhões, um pouco mais da metade da cota de TV. 

Integrante do quadro da Fifa até 2016, Heber Roberto Lopes garantiu que o VAR é algo que chega para de fato ajudar os árbitros em campo. Ele, aliás, citou que é preciso tomar uma série de precauções antes de implantar a nova tecnologia.

– Tem todo um protocolo a seguir, mas entendo que projeto é bom. A palavra-chave que move o árbitro é critério. Não pode ter uma decisão num jogo e um lance similar horas depois ter outra. Nas partidas de vídeo, inclusive, estão querendo tornar pública essa gravação, pois isso faz parte da súmula – ponderou o árbitro.

Carlos Berkenbrock, que permaneceu no quadro de assistentes da Fifa até 2013, adotou a mesma linha de raciocínio do companheiro de profissão. De acordo com ele, a uniformização de trabalho é algo bastante discutido para se ter um bom aproveitamento do VAR.

Audiência pública e não mais sorteios
Outra novidade no Catarinense de 2018 será a utilização de audiência pública para definir as escalas de arbitragem e não mais por sorteio. O método, aliás, foi adotado pela atual gestão do departamento desde a Série B do Estadual e na Copa Santa Catarina.

– Tive uma reunião com o presidente da Federação (Rubens Angelotti) e ficou definido que as escalas serão definidas por meio de audiência, mas sem deixar de lado a questão do mérito. Pode ser também um sorteio por meritocracia quando entendermos que tem mais de um árbitro que mereça ser escalado em um determinado jogo, como na final – esclareceu Martins.

Carlos Berkenbrock apontou que esse novo modelo de definição de escala é benéfica ao árbitro que mantém a boa regularidade, mas ponderou a necessidade de descanso após um determinado número de partidas em sequência para que o rendimento se mantenha positivo.

– O que faz o árbitro apitar é escala, sequência e confiança. É preciso saber onde escalar. O mérito existe para ser escalado em jogos bons. Se você estiver bem, vai para um jogo bom, mas também é necessário o bom senso, pois o excesso de confiança também é ruim – frisou o assistente. 

Marcos Antônio Martins disse que a FCF não vai contar com trio fixo, mas com uma escala aproximada. Neste caso, cinco auxiliares vão se revezar, mas sempre com um determinado árbitro. Tudo isso para melhorar o rendimento e evitar os erros.

– Vamos trabalhar com trio aproximado. Não gosto de trio fixo, pois se cria acomodação. É preciso girar entre quatro ou cinco assistentes, pois temos mais assistentes do que árbitro na FCF.

 CBF prepara árbitros de Santa Catarina para o Campeonato Brasileiro. O curso está sendo realizado no Estádio do Marcílio dias em Itajaí.
Testes físicos da arbitragem catarinense vão acontecer nesta semana em BlumenauFoto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

Pré-temporada dos árbitros em Blumenau
Assim como acontece com os clubes antes das competições, os árbitros também passam pela pré-temporada. O departamento de arbitragem vai reunir, de quinta-feira a sábado da próxima semana, em Blumenau, os principais nomes da categoria para a preparação visando o trabalho no Catarinense.

Foram 47 profissionais selecionados para o período de testes, sendo 20 árbitros e 27 assistentes. No geral, 82 árbitros e 120 assistentes fizeram o teste no sentido de se qualificarem para a pré-temporada, que terá o acompanhamento de membros da Comissão Nacional de Arbitragem.

– A iniciativa é fundamental para unir o grupo e ter uma padronização de comportamento e decisões. Vamos ter simulações de jogos e orientar a maneira de agir, além de palestras e reuniões. Eu sei que em três dias não iremos resolver tudo, mas a ideia é a cada 10 dias reunir os árbitros e debater decisões tomadas em campo – disse o diretor do departamento de arbitragem da FCF, Marco Antônio Martins. 

Na lista de árbitros para a pré-temporada estão dois nomes que são considerados revelações: Fernando Henrique de Miranda e Ramon Abatti Abel. O primeiro deles apitou a final da Série B Catarinense, enquanto o outro entrou no quadro de arbitragem da CBF em 2017. De acordo com Heber, essa nova situação ajuda os árbitros mais experientes, de certa maneira, a aprimorar ainda mais a parte física.

– Acompanhei de perto a segunda divisão e vi a molecada, com todo respeito, chegando. E isso é bom, pois você não fica com “cadeira cativa”. Você olha e sabe que precisa apertar o passo, pois tem gente querendo espaço. É bom, pois quando maior democracia na disputa o grupo todo cresce – comentou. 

Na temporada 2017, a FCF foi a terceira colocada em árbitros escalados para jogos no Brasileiro e a quarta em número de escalas na Série B. As partidas que definiram os campeões da elite nacional e da Série D foram apitadas por árbitros da Federação Catarinense. Bráulio da Silva Machado apitou a vitória do Corinthians sobre o Fluminense, e Rodrigo D’Alonso Ferreira esteve no jogo que deu ao Operário-PR o título da quarta divisão.

O árbitro Braulio da Silva Machado, do jogo entre as equipes da SE Palmeiras e EC Vitória, durante partida válida pela décima nona rodada, do Campeonato Brasileiro, Série A, na Arena Allianz Parque.
Bráulio da Silva Machado é cotado para integrar o quadro da Fifa Foto: Cesar Greco / Agência Palmeiras

Catarinenses na Fifa
Em Santa Catarina está um dos 10 árbitros brasileiros que pertencem ao quadro da Fifa. Sandro Meira Ricci, aliás, é o único representante brasileiro selecionado para apitar jogos na Copa do Mundo da Rússia. O Estado, porém, conta também com outros dois assistentes: Kléber Lúcio Gil e Neuza Inês Back.

Até 2016, Heber Roberto Lopes estava na relação de brasileiros na Fifa, mas o escudo que estava com ele foi transferido pela Comissão Nacional de Arbitragem para a Federação Paranaense de Futebol e, no momento, está com Rodolpho Toski Marques. Pensando em manter o escudo de Ricci na FCF futuramente, o departamento de arbitragem da entidade trabalha com o nome de Bráulio Machado da Silva. 

– Apenas o Estado de São Paulo tem dois árbitros na Fifa. Acho difícil que Santa Catarina volte a ter dois aqui. O escudo que estava com o Heber era do Paraná. Veio com ele para cá. O de Santa Catarina está com o Sandro e vamos trabalhar para que fique aqui. O Sandro tem até os 50 anos para seguir na profissão. Caso ele pare agora, o Bráulio surge como candidato – explicou Martins. 

Ex-integrante do quadro da Fifa, Heber destacou que o momento de Bráulio o credencia para buscar o escudo da entidade máxima do futebol mundial. 

– Ele pode ter o remanejamento de escudo. O Bráulio é a bola da vez, mas isso é indicação da Comissão de Nacional de Arbitragem. Ele pode ter um escudo remanejado de outro Estado e, assim, não depender que o Sandro encerre a carreira antes da idade máxima estipulada – analisou o experiente Heber.

Lista dos selecionados para a pré-temporada

Ábitros (20 nomes)
Adriano Roberto de Souza
André Luiz Back
Bráulio da Silva Machado
Charly Wendy Deretti
Cinésio Mendes Júnior
Diego da Costa Cidral
Edson da Silva
Eduardo Cordeiro Guimarães
Evandro Tiago Bender
Fernando Henrique de Miranda
Gabriel dos Anjos Kretzer
Heber Roberto Lopes
Jeferson Schmidt
Leandro Messina Perrone
Marcus Vinícius Matias
Ramon Abatti Abel
Richard Werner Floter
Rodrigo D’Alonso Ferreira
Sandro Meira Ricci
William Machado Steffen

Assistentes (27 nomes)
Alex dos Santos
Alexandre Lodetti
Bruno Müller
Carlos Felipe Schmidt
Clair Dapper
Clóvis Gugel
Deise Bellaver
Diego Berndt
Diego Leonel Félix
Éder Alexandre
Éder Miguel Sacco
Elen Portal Sieglitz
Eli Alves
Evandro Rodrigo Weber
Fabiano Coelho da Silva
Gianlucca de Vasconcellos
Gizeli Casaril
Helton Nunes
Henrique Neu Ribeiro
Johnny Barros de Oliveira
José Roberto Larroyd
Kléber Lúcio Gil
Luciane Rodrigues dos Santos
Luiz Gustavo de Souza
Maíra Americano Labes
Neuza Inês Back
Thiago Americano Labes

Leia mais notícias do esporte de Santa Catarina

Jornal de Santa Catarina
Busca