Schmöller: "Se um jogador não conseguir jogar com vaias, está na profissão errada" - Esportes - Santa

Versão mobile

 

Futebol23/05/2018 | 17h29Atualizada em 23/05/2018 | 17h29

Schmöller: "Se um jogador não conseguir jogar com vaias, está na profissão errada"

Volante do JEC minimiza cobranças da torcida e diz que atitudes são normais em razão do desempenho da equipe na Série C

Schmöller: "Se um jogador não conseguir jogar com vaias, está na profissão errada" Kaue Vezentainer / Assessoria do JEC, Divulgação/Assessoria do JEC, Divulgação
Foto: Kaue Vezentainer / Assessoria do JEC, Divulgação / Assessoria do JEC, Divulgação

O volante Michel Schmöller esteve na sala de imprensa do CT do Morro do Meio na tarde desta quarta-feira para analisar o desempenho recente do Joinville na Série C do Brasileiro. Como costuma fazer em entrevistas coletivas, o atleta foi muito franco ao comentar as cobranças feitas pela torcida do JEC. Segundo Schmöller, os tricolores têm razão e os atletas não podem se deixar abalar pelas exigências das arquibancadas. 

- A torcida está no papel dela. Se um jogador não conseguir jogar com vaias e cobranças, ele está na profissão errada - afirmou o jogador, que ainda disse:

- Sobre a cobrança, normal, né? Raramente uma torcida vai apoiar numa fase dessa. São muitas derrotas, eles têm o direito de cobrar. Cabe ao jogador entender, somos pessoas públicas, temos que saber o que falamos e o que fazemos. A torcida está no papel dela - completou. 

Questionado sobre qual de fato é o problema para tantas derrotas, o volante revelou não ter a resposta para este quadro.

- O professor (Márcio Fernandes) chegou aí agora e está tentando colocar a filosofia de trabalho dele. É ali onde esperamos tirar as dúvidas da cabeça dele e dos torcedores, não só para convencer os torcedores, mas para chegar em casa bem. Está difícil chegar em casa bem com tantos resultados ruins. 

Por fim, Schmöller lembrou a importância do jogo de domingo, contra o Tupi-MG, adversário direto na luta contra o rebaixamento. 

- É um jogo-chave, pois se trata de adversário que podemos passar. É o jogo de seis pontos, o começo da nossa virada, a partida mais importante do ano - concluiu. 

 
Jornal de Santa Catarina
Busca