Rússia e Arábia Saudita abrem a Copa do Mundo enquanto Espanha tenta superar polêmicas - Esportes - Santa

Versão mobile

 

Moscou14/06/2018 | 16h16

Rússia e Arábia Saudita abrem a Copa do Mundo enquanto Espanha tenta superar polêmicas

AFP
AFP

A festa começou: a anfitriã Rússia venceu a Arábia Saudita por 5 a 0 nesta quinta-feira na partida de abertura da Copa do Mundo-2018 em Moscou, enquanto a Espanha ainda tenta superar as polêmicas e o Egito reza por Mohamed Salah.

O majestoso estádio Luzhniki de Moscou, lotado com quase 80.000 almas, foi o cenário da partida de abertura da Copa entre a seleção local e os sauditas pelo Grupo A, que completam Uruguai e Egito.

Antes da bola rolar, o presidente russo Vladimir Putin inaugurou o Mundial: "os parabenizo pelo começo do campeonato mais importante do mundo", disse Putin, que acompanhou a partida da tribuna.

O cantor inglês Robbie Williams, ao lado da soprano russa Aida Garifullina, foram as estrelas do show da abertura. Williams roubou a cena ao mostrar o dedo do meio para a câmera durante a performance que antecedeu a chuva de gols do time comandado por Stanislav Cherchesov.

Yuri Gazinskiy fez o primeiro gol da Copa, abrindo o placar para os russos aos 11 minutos do primeiro tempo, e Cheryshev ampliou aos 43. Na segunda etapa, Dzyuba fez o terceiro, aos 26, Cheryshev fez o quarto, aos 46, e Golovin fechou a conta em cobrança de falta, aos 49.

Poucas horas da festa de abertura, Alexei Navalny, o principal opositor do governo Vladimir Putin, anunciou que foi libertado nesta quinta-feira.

"Estou de novo com vocês, depois de permanecer 30 dias em detenção. Estou muito feliz por estar livre", escreveu no Twitter.

Um tribunal russo condenou Navalny, 42 anos, por ter organizado um protesto dois dias antes da posse de Vladimir Putin, em 7 de maio, para o quarto mandato presidencial.

- Goleada russa -

A modesta Arábia Saudita não foi páreo para a equipe comandada por Stanislav Cherchesov, que superou as atuações ruins e quebrou a sequência de sete jogos seguidos sem vitória nos últimos amistosos de preparação para a Copa.

"Não tenho palavras para descrever o que sinto agora. Já estava feliz de fazer parte do grupo, mas nunca sonhei algo assim", disse Denis Cheryshev, autor de dois belos gols na partida.

"Não sei se foi o contexto da abertura, mas ficamos muito abaixo do que pretendíamos. Precisamos que tirar essa sensação de vergonha que temos", avaliou o técnico da Arábia Saudita, o argentino Juan Antonio Pizzi.

- O dia seguinte -

No segundo dia de competições, a Espanha tentará se recuperar do terremoto pelo qual passou na quarta-feira, com a demissão do seu agora ex-treinador Julen Lopetegui e sua substituição por Fernando Hierro, diretor esportivo da federação (RFEF), a um dia da estreia na Copa do Mundo, na sexta-feira contra Portugal.

Nesta quinta-feira, ao ser apresentado como novo técnico do Real Madrid, Lopetegui revelou que sua demissão foi "o dia mais triste" de sua vida desde o falecimento de sua mãe.

Durante a apresentação do treinador como novo comandante do Real Madrid, o presidente madridista Florentino Pérez considerou a demissão de Lopetegui uma "resposta desproporcional e injusta"

Com outro ânimo, Hierro disse que a nova função é "uma missão bonita, apaixonante. As circunstâncias são essas e, a partir de agora, aceito esta responsabilidade com valentia".

Lopetegui foi demitido na quarta-feira, abrindo uma crise dentro da seleção, um dia depois de ser anunciado como técnico do Real Madrid pelas próximas três temporadas após a Copa.

O terremoto na Espanha deixará sequelas? A pergunta será respondida na sexta-feira em Sochi, onde Iniesta, Sergio Ramos, Piqué e companhia encaram Portugal de Cristiano Ronaldo pelo Grupo B, na partida que fechará o segundo dia de disputa da Copa.

- Esperando por Salah -

Enquanto a Espanha tenta se recompor, o Egito reza para todos os deuses para poder contar com seu melhor jogador, o atacante Mohamed Salah, na estreia no Grupo A contra o favorito Uruguai, na histórica cidade de Iecaterimburgo.

Salah, que fará 26 anos no dia da partida, deu uma enorme alegria aos 100 milhões de fervorosos egípcios na quarta-feira, quando se junto ao restante do elenco para uma sessão de treinamento dos Faraós, em Grozni.

"Ele está progredindo, mas ainda não há uma decisão definitiva sobre se jogará, já que estamos seguindo seu caso dia a dia", declarou o diretor da equipe, Ihab Lahita.

O goleiro uruguaio Fernando Muslera afirmou que torce para que Salah esteja em campo contra a Celeste.

"Eu gosto que joguem os melhores jogadores. Treino com os melhores e quero jogar contra os melhores", declarou Muslera.

Quem chega para esta partida sem qualquer dúvida é o Uruguai, que poderá contar com seu formidável ataque formado por Luis Suárez e Edinson Cavani para buscar uma primeira vitória em estreia na Copa do Mundo em quase meio século, desde o mundial do México-1970.

* AFP

 
Jornal de Santa Catarina
Busca