Geninho espera rival e Marquinhos antes de definir escalação do Avaí para o clássico - Esportes - Santa

Versão mobile

 

Leão31/08/2018 | 12h35Atualizada em 31/08/2018 | 12h35

Geninho espera rival e Marquinhos antes de definir escalação do Avaí para o clássico

Treinador aguarda pela situação do meia, o que pode influenciar na montagem do time

Geninho espera rival e Marquinhos antes de definir escalação do Avaí para o clássico Leo Munhoz/Diário Catarinense
Foto: Leo Munhoz / Diário Catarinense
DC Esportes
DC Esportes

Esperar o momento certo. É isso que está fazendo o Geninho antes de definir a escalação do Avaí para o clássico deste sábado contra o Figueirense. O técnico azurra concedeu entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira e afirmou ter duas possibilidades para montar o time que inicia a partida das 16h30min, na Ressacada, diante do rival pela 24ª rodada da Série B do Brasileiro. Mas antes de optar pelo 3-5-2 ou 4-4-2, ele quer informações do adversário.

– A minha definição depende de como vem o adversário, do jogo que meu adversário permita que eu faça. Como não tem informação de lá, fecharam os treinos, então não defini. Treinei variantes, mas só vou definir se tiver a informação. Se não tiver, vou fazer uma escolha e só decidir amanhã. Vou esperar ao máximo, assim como o Milton (Cruz, treinador do Figueirense) deve esperar ao máximo para conseguir informação daqui – disse Geninho.

Assim como fez o Avaí na quinta e também nesta sexta-feira, o Figueirense fechou os treinamentos. O treinador do Leão reconheceu que a prática dificulta a busca por informações, mas demonstrou estar por dentro das possibilidades à disposição de Milton Cruz para o confronto na Ressacada e quer que o elenco do Avaí esteja atento a tudo e todos.

– O time todo merece atenção e eu penso sempre em enfrentar o meu melhor adversário. Acho que o Ferrareis joga, assim como o Betinho e o Jorge Henrique. Espero um Figueirense forte, com essa turma toda e mais alguns. Não posso pensar nele sem esquecer de Elton, Felipe Amorim, Diego Renan e Zé Antônio. Hoje todo mundo conhece todo mundo, sabe das qualidades. Às vezes você fecha uma porta para um jogador de destaque e outro decide. Claro que com atenção maior em cima de alguns jogadores, mas tomando conta do adversário como um todo – apontou o comandante azurra.

Marquinhos segue como dúvida

A principal dúvida de Geninho e também da torcida do Avaí é saber se o ídolo Marquinhos estará disponível para o jogo. O duelo deste sábado, aliás, pode ser o último do camisa 10 contra o rival Figueirense. O treinador do Leão destacou o esforço do jogador para estar apto, mas reconheceu que o meia ainda sente o incômodo no quadril após uma pancada na partida diante do Juventude, há duas rodadas.

– É uma coisa natural. Apesar de toda a experiência, jogou muitos clássicos, mas aqui ele está em casa. Ele é inegavelmente o maior ídolo do clube e está infindável, todo ano é o último dele. Na teoria, pode ser o último clássico em casa e tem a expectativa. Ele quer jogar, teve um pequeno trauma que impediu a mobilidade dele, vem tratando não 24 horas, mas 32 horas na expectativa de iniciar ou ficar como opção. Torço para que esteja bem, porque ele bem vai nos ajudar bastante – destacou o treinador.

Apesar da procura por ingressos ainda ser considerada baixa, Geninho confia que o torcedor do Avaí é importante para que a equipe tenha um bom rendimento dentro de casa. No primeiro turno, os torcedores azurras tomaram conta do setor destinado aos visitantes no Orlando Scarpelli e no final, após a vitória por 1 a 0, fizeram a festa com o elenco. 

– Gostaria que o torcedor viesse, a presença, especialmente em clássico, é fundamental. Se você deixar seu rival vir aqui e mandar, colocar mais torcedor, é complicado. E a presença da torcida nos apoiando, jogue junto até o fim, depois se manifesta. Vai ser uma batalha difícil e precisamos do torcedor – completou.

Veja a tabela da Série B do Brasileiro
Mais notícias do
Avaí

 
Jornal de Santa Catarina
Busca