As duas Coreias anunciam uma candidatura única para os JO de 2032 - Esportes - Santa

Versão mobile

 

Seul19/09/2018 | 14h20

As duas Coreias anunciam uma candidatura única para os JO de 2032

AFP
AFP

As duas Coreias anunciaram nesta quarta-feira uma candidatura conjunta às Olimpíadas de 2032, em uma nova demonstração da diplomacia esportiva após os Jogos de Inverno de 2018, que serviram para quebrar o gelo entre os dois vizinhos.

Este projeto, que exigirá um nível sem precedentes de cooperação e confiança mútua entre os dois países, está contido em um comunicado conjunto emitido no final da cúpula intercoreana de Pyongyang entre os líderes norte-coreanos Kim Jong Un e o sul-coreano Moon Jae-in.

"O Sul e o Norte combinaram participar conjuntamente e ativamente nas competições internacionais, inclusive as Olimpíadas de 2020, e cooperar com vistas a uma candidatura comum para sediarem juntos os Jogos de 2032", indica o texto, sem revelar maiores detalhes.

A decisão do Norte de participar dos Jogos de Inverno organizados em fevereiro em Pyenongchang, na Coreia do Sul, foi uma marca importante na mudança de rumo na península.

No ano anterior, as tensões tinham alcançado níveis altos. A Coreia do Norte multiplicou os lançamentos de mísseis e realizou seu sexto ensaio nuclear. Kim Jong Un e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, trocaram insultos pessoais e ameaças apocalípticas.

Os Jogos de Inverno foram a ocasião para os atletas das duas Coreias desfilarem juntos durante a cerimônia de abertura, atrás de uma bandeira unificadora mostrando uma península unida e sem fronteiras. O Norte e o Sul também formaram sua primeira equipe olímpica unificada no hóquei no gelo feminino.

Kim Jong Un enviou sua irmã mais nova, Kim Yo Jong, para Pyeongchang como emissária pessoal. Desde então, os dirigentes das duas Coreias se reuniram em três ocasiões.

- Momento decisivo -

Depois, a diplomacia esportiva continuou com a constituição de equipes conjuntas para os campeonatos mundiais de tênis de mesa e várias competições nos Jogos Asiáticos na Indonésia. Estas equipes conquistaram uma medalha de ouro, uma de prata e duas de bronze.

As duas coreias também organizaram partidas amistosas de basquete.

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, recentemente tornou público que estava aberto para conversas entre os dois países para um desfile e equipe conjuntas nas Olimpíadas de Tóquio-2020.

O contraste é o grande respeito ao boicote realizado por Pyongyang nos Jogos de Seul em 1988.

Uma eventual participação norte-coreana na organização dos Jogos, que conta com a participação de milhares de atletas e espectadores de todo mundo, constituiria algo inédito.

Isso exigirá que a Coreia do Norte demonstre uma capacidade de abertura e de poder financeiro que não dispõe no momento.

Organizar conjuntamente os Jogos Olímpicos exigiria um nível de cooperação extraordinário entre inimigos da Guerra Fria que ainda estão tecnicamente em conflito, já que a guerra da Coreia (1950-1953) terminou com um armistício em vez de um tratado de paz correspondente.

O primeiro índice sobre uma candidatura comum foi dado na semana passada, quando o ministro sul-coreano de Esportes, Do Jong-hwan, citado pela agência Yonhap, anunciou que Seul planejava submeter a ideia à Pyongyang.

Sobre a Copa do Mundo de 2030, Do revelou que a Coreia do Sul planeja propor que o evento seja organizado conjuntamente por China, Japão e as duas Coreias.

"Desta forma, poderemos manter o impulso atual pela paz e ampliar a paz atual sobre a península coreana para toda a região", declarou o ministro.

* AFP

 
Jornal de Santa Catarina
Busca