Uefa decide sede da Eurocopa-2024 entre Alemanha e Turquia - Esportes - Santa

Versão mobile

 

Nyon26/09/2018 | 13h31

Uefa decide sede da Eurocopa-2024 entre Alemanha e Turquia

AFP
AFP

Em eleição com interesses esportivos e políticos, o suspense sobre a sede da Eurocopa-2024, disputada entre Alemanha e Turquia, vai ser encerrado nesta quinta-feira com a revelação do vencedor pela Uefa.

Para além da qualidade dos estádios e das infraestruturas de transporte, as questões extra-esportivas terão peso especial na hora da tomada de decisão.

Alemanha e Turquia estão historicamente relacionadas pela presença de uma grande comunidade turca na Alemanha, em um momento em que a questão migratória divide o país.

Três semanas antes da Copa do Mundo da Rússia, uma foto com os jogadores alemães Mesut Özil e Ilkay Gündogan ao lado do presidente turco Recep Tayyip Erdogan causou polêmica.

Os atletas de origem turca receberam muitas críticas. Özil chegou a anunciar sua aposentadoria da Mannschaft, denunciando ser vítima de "racismo e falta de respeito".

O presidente da Federação Alemã (DFB), Reihnard Grindel, insistiu que a política deve ficar à margem do futebol, mas o contexto não desapareceu durante a campanha pela organização da Eurocopa.

No relatório de avaliação da candidatura alemã, destaca-se um dossiê "de qualidade muito alta" e uma visão baseada na ideia de que "o futebol pode unir a sociedade".

Com 10 estádios já construídos, o país estaria mais do que capacitado para organizar os 51 jogos do torneio e receber os 2,7 milhões de espectadores previstos.

- Crise econômica e direitos humanos -

Ao mesmo tempo que a Uefa avalia que a candidatura turca "se adapta aos objetivos de longo prazo da Uefa", a entidade não deixa de mostrar preocupação pela degradação dos direitos humanos e da situação econômica do país.

"A ausência de um plano de ação no âmbito dos direitos humanos desperta inquietude", segundo a Uefa, que acrescenta que "não foi apresentado nenhum projeto específico em relação com a Eurocopa para assegurar a proteção dos direitos humanos".

A Turquia é "participante dos tratados relativos aos direitos humanos e os respeita", respondeu à AFP o vice-presidente da Federação Turca de Futebol (TFF), Servet Yardimci. Para ele, já chegou a hora do país organizar uma Eurocopa após quatro candidaturas consecutivas recusadas.

Outra preocupação da Uefa, os recentes acontecimentos econômicos no país e sobretudo a desvalorização da libra turca "poderiam comprometer os investimentos públicos previstos".

Se a Alemanha organizou com sucesso a Copa do Mundo em 2006, a Turquia representa "uma oportunidade única para a Uefa explorar novos mercados", avaliou Yardimici.

Mas os problemas econômicos podem levar os responsáveis da Uefa a privilegiar a candidatura alemã.

- Solução sem risco-

"A organização da Eurocopa-2020 em 12 países diferentes, com leis diferentes, é um inferno. Para 2024, a Uefa não pode tomar nenhum risco e com a Alemanha existe a segurança de que tudo estará pronto a tempo e funcionará perfeitamente", garante um especialista próximo à Uefa.

Além disso, "comercialmente e a nível de direitos de televisão, a Alemanha é um grande mercado, enquanto que as negociações com as empresas turcas são normalmente complicadas".

Para este especialista de direitos de televisão, "muitas coisas jogam contra a Turquia. Provavelmente, os membros da Uefa vão se pronunciar mais contra a Turquia do que em favor da Alemanha".

* AFP

 
Jornal de Santa Catarina
Busca