Onde a luz não ilumina: conheça a rotina de quem vive sem energia elétrica no meio urbano de Blumenau - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Estilo de vida06/09/2013 | 21h54

Onde a luz não ilumina: conheça a rotina de quem vive sem energia elétrica no meio urbano de Blumenau

Seu Miranda, Laerte, Pedro, Genésio, a esposa Sandra e as cinco crianças convivem diariamente na escuridão

Onde a luz não ilumina: conheça a rotina de quem vive sem energia elétrica no meio urbano de Blumenau Lucas Amorelli/Agencia RBS
Seu Miranda ouve o rádio de pilhas para afastar a solidão Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS
Para eles, a TV desistiu da vocação de animar. A sala de estar tornou-se sombria. O banho está frio. A geladeira não resfria. A luminária da varanda rendeu-se à penumbra. E contra todas as pretensões, os dias tornaram-se mais breves. Tudo o que se podia esperar de uma vida de esforços era desfrutar o conforto ao final de cada jornada.

Mas Seu Miranda, Laerte, Pedro, Genésio Duarte, a esposa Sandra e as cinco crianças estão excluídos sempre que o sol se põe. Em casebres de madeira ou de tijolos nus, moram onde a energia elétrica não chega, seja por faltar dinheiro para a instalação da rede ou por viver em área de risco.

Veja no vídeo como é a rotina dos lares sem luz



Habitam a zona urbana de Blumenau e como 130 mil famílias brasileiras veem a cidade se acender enquanto os lares são dominados pela escuridão. Eles têm água encanada e recebem correspondências. Gente que prefere a honestidade em abdicar o conforto à facilidade da ligação clandestina.

No breu, Sandra Marques, 37 anos, deu à luz a filha caçula. Seu Vendelino Miranda, 83, dedilha as teclas da sanfona até o sono chegar. Laerte Loli, 47, ouve novela no rádio de pilhas enquanto sonha com um final feliz para si. Pedro Castanha Neto, 53, reza por uma vida melhor.

Veja aqui a galeria de fotos da rotina dos moradores 

– Acho que todo ser humano gostaria de ter o básico. Como energia para ter geladeira, freezer e televisão, passatempo que me distraia em muitas coisas – resume Pedro, há seis anos sem eletricidade no Bairro Velha Grande.

Em 2010, pelo menos 30 domicílios do meio urbano blumenauense padeciam da falta de energia elétrica, segundo o censo do IBGE. Em Santa Catarina, dos 4.455 lares desprivilegiados, mais de 2,6 mil estavam nas cidades.

Embora a maioria seja de moradias em áreas pobres, havia registros pelos bairros Progresso, Itoupava Central e até no Centro. Desde então, os números podem ter mudado, como o destino e as trajetórias das famílias. Encontrar os moradores foi possível após um mês de procura nos confins da cidade.

Foram localizadas pelo menos seis casas, algumas ainda inéditas ao levantamento do IBGE. E você, como enfrentaria as horas de aflição sem energia elétrica? O banho de bacia, o cheiro da vela, o alento do rádio a pilhas. Há anos, eles sabem bem.

Leia a reportagem completa na edição impressa do Santa deste fim de semana.

JORNAL DE SANTA CATARINA

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaEUA divulgam carne norte-americana no Brasil https://t.co/ZvstWjaDsI #LeiaNoSantahá 10 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaVereadores de São José aprovam parcelamento de dívida da previdência em até 20 anos https://t.co/8TGqA8xUwy #LeiaNoSantahá 35 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros