Santa Catarina perde mais de 4,2 mil postos de trabalho em abril - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

 

Geração de empregos22/05/2015 | 18h47Atualizada em 22/05/2015 | 20h41

Santa Catarina perde mais de 4,2 mil postos de trabalho em abril

Estado ficou com 21º lugar no ranking nacional da geração de vagas

A divulgação do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de abril, nesta sexta-feira, trouxe más notícias para Santa Catarina. O Estado ficou em 21º lugar no ranking geral, perdendo mais de 4,2 mil vagas celetistas (-0,20%) em relação ao mesmo período de 2014.

Estela Benetti: Crise começa a derrubar empregos em SC
Brasil perde 97 mil vagas e tem pior resultado para abril em 23 anos

Para comparação, em abril de 2010 o Estado criou 12,3 mil postos, apontado como o melhor resultado para o mês dos últimos 12 anos.

O panorama nacional também foi negativo. No mês passado, foram fechados 97,8 mil postos de emprego (–0,24%), levando o país ao pior número da série histórica iniciada em 1992. Em abril de 2014 o saldo foi de 105,3 mil vagas no Brasil, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Apenas cinco Estados tiveram desempenhos positivos em abril deste ano: Goiás Piauí (+0,20%); (+0,18%); Distrito Federal (+0,13%); Acre (+0,11%); e Mato Grosso do Sul (+0,07%).

Em SC, indústria e agropecuária perderam mais vagas

Os dados do Caged mostram que, em SC, dois setores foram especialmente prejudicados no mês passado: a indústria de transformação e a agropecuária. O primeiro perdeu um total de 2.432 postos (principalmente na têxtil e na mecânica), e o segundo, 2.251.

Já os setores de serviços e da construção civil registraram crescimento, somando cerca de 1 mil postos novos.

No acumulado dos primeiros quatro meses de 2015, verificou-se um saldo positivo de 27.491 postos (+1,35%) em SC – a maior geração da região Sul. Nos dados relativos aos últimos 12 meses, SC também se destacou: foram 17.590 vagas a mais (+0,86%)

Criciúma foi a cidade de SC que mais criou postos em abril

No topo do ranking catarinense está o município de Criciúma, no Sul de SC, com um saldo positivo de 398 vagas (+0,6%). Percentualmente, o maior destaque é de Içara – também no Sul –, com 0,93% postos a mais que em março.

Já o pior resultado ficou para Jaraguá do Sul, que perdeu em 639 vagas. Fraiburgo, no Planalto Serrano, teve o pior resultado percentual, perdendo quase o dobro de vagas que criou e ficando com um índice de –4,04%.

Ministro diz que discurso negativo agrava crise

Os dados do Caged foram divulgados oficialmente na tarde desta sexta-feira, em Florianópolis, pelo ministro do trabalho e emprego, Manoel Dias. Para ele, diversos fatores incentivam a desaceleração, como a crise mundial e até as consequências da Operação Lava-Jato, que enfraqueceu o setor da construção civil ligados à Petrobrás.

Dias destaca, entretanto, o "discurso de crise" que faz a população frear o consumo e segurar o dinheiro. Para ele, o segundo semestre de 2015 já deve trazer dados positivos na geração de empregos formais.

– Vivíamos um momento de euforia e agora estamos numa etapa de transição. O consumidor e o investidor estão segurando com medo da crise, mas trata-se de um discurso político que tenta apagar tudo o que foi feito até agora. Afirmam que estamos numa crise sem precedentes ou solução, mas não que foram criados 21 milhões de postos de trabalho novos nos últimos 12 anos.

DIÁRIO CATARINENSE

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaSurfista de Blumenau morre em praia de Navegantes https://t.co/4tcHqbP6PT #LeiaNoSantahá 16 horas Retweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaCorpos de duas vítimas de acidente aéreo em Manaus são velados no Vale do Itajaí https://t.co/fKvUhE0f9A #LeiaNoSantahá 17 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca