Histórias de quem sofreu com gripe A alertam para necessidade de prevenção - Geral - Jornal de Santa Catarina

Vers?o mobile

 
 

Saúde23/03/2016 | 12h01

Histórias de quem sofreu com gripe A alertam para necessidade de prevenção

Oito pessoas contraíram o vírus em Blumenau em menos de um mês

Histórias de quem sofreu com gripe A alertam para necessidade de prevenção Patrick Rodrigues/Agencia RBS
Rosângela, irmã de Rosemary Fortes, morreu em 2014 após contrair a doença Foto: Patrick Rodrigues / Agencia RBS

Rosemary Fortes exibe um sorriso triste ao falar da irmã Rosângela. Nas mãos, a última foto que tirou da manicure faz os olhos encherem de lágrimas. Em 14 de dezembro de 2014, a moradora de Gaspar perdeu a vida após ser diagnosticada com o vírus da gripe A — doença que, segundo a Vigilância Epidemiológica, matou outras cinco pessoas naquele ano e infectou oito somente entre 28 de fevereiro e terça-feira em Blumenau.

Rosângela é uma prova de que até as pessoas mais saudáveis podem sucumbir diante da gripe A. Ela é lembrada pelos parentes como uma mulher alegre, ativa e cheia de energia. Aos 50 anos, fazia caminhada todos os dias, mantinha uma alimentação saudável e raramente ficava doente. A gripe A chegou de repente, no dia em que as oito irmãs da família se reuniram na casa dela para uma faxina de Natal. Naquele mesmo dia Rosemary teria perguntado à irmã se já tinha tomado a vacina preventiva. A resposta foi negativa.

— Ela começou a reclamar de falta de ar, a suar muito e em pouco tempo estava com febre. Chegou a medir a pressão, mas estava normal. Isso foi numa sexta. Só na segunda ela foi ao hospital — comenta.

::: Blumenau tem quadro mais preocupante de H1N1 em SC

Por causa dos produtos químicos utilizados na limpeza, a primeira hipótese foi de que Rosângela havia sido intoxicada. Mas o caso era mais grave. No mesmo dia em que procurou ajuda médica ela foi internada na UTI do Hospital Santo Antônio, em Blumenau, e entubada. Logo depois foi diagnosticada com o vírus H1N1. Dali em diante, a situação só piorou. Os rins e o pulmão da manicure pararam de funcionar e em duas semanas ela perdeu a batalha para a doença. Deixou o marido e dois filhos, de 28 e 35 anos.

— O susto foi tão grande que parecia mentira. A gente só falava que se ela tivesse tomado a vacina ainda estaria aqui. Mas tiramos uma coisa boa disso tudo: agora a família toda se preocupa mais, todo mundo toma a vacina e se cuida. É o que todos deveriam fazer. Não esperem algo assim acontecer para então fazer alguma coisa — diz Rosemary.

"Nasci de novo", diz mulher que sobreviveu

Quem aprendeu a lição da forma mais difícil e sobreviveu para contar a história foi a dona de casa Elisabeth Marques Montagna, 56 anos. Em setembro passado, após três dias de muita tosse e dores no corpo e na cabeça, ela descobriu que estava infectada com o H1N1. Também não havia tomado a vacina. Elisabeth saiu do bairro Progresso para ir ao médico quando percebeu que os remédios que estava tomando em casa não faziam efeito.

No pronto-socorro, sem nenhum tipo de exame, foi diagnosticada com suspeita de infecção urinária e orientada a tomar antibióticos. Não adiantou. No dia seguinte, de volta ao hospital, o raio-x comprovou o pulmão afetado pela gripe A. Ficou internada no Hospital Santa Isabel por duas semanas.

— Lembro de pouca coisa, porque me colocaram em coma induzido. Mas me contam que o médico pediu para a minha família rezar, porque a coisa estava feia e a medicina tinha feito tudo que podia. Até hoje meu médico diz que foi um milagre  — conta.

Hoje Elisabeth tem receio de sair de casa porque ainda não foi vacinada. A doença afetou a resistência dos joelhos e baixou ainda mais a imunidade do organismo. A dona de casa não deixa de avisar os familiares e amigos para que se previnam contra o vírus:

— Não tem dor igual. Paguei pra ver e foi quase com a vida. Quando sair a vacina vou ser a primeira a tomar. Nasci de novo.

OS SINTOMAS
- Dor no corpo
- Dor de cabeça
- Tosse seca e persistente
- Falta de ar
- Febre alta
Fonte: Ricardo Freitas, infectologista
 
COMO SE PREVENIR
- Adotar hábitos simples de higiene, como lavar as mãos frequentemente com água e sabão.
- Não compartilhar objetos pessoais se estiver com sintomas de gripe.
- Caso esteja gripado ou resfriado, procurar um médico e não tomar remédios por conta própria.
- Cobrir boca e nariz com lenço descartável ao tossir e espirrar.
- Manter ambientes de grande circulação sempre limpos.
- Manter ambientes úmidos e frios ventilados e iluminados com luz solar.
Fonte: Ivonete dos Santos, gerente da Vigilância Epidemiológica de Blumenau

JORNAL DE SANTA CATARINA

 
Jornal de Santa Catarina
Busca