Como proteger sua casa dos ácaros - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Atchim!18/09/2016 | 05h00Atualizada em 18/09/2016 | 15h25

Como proteger sua casa dos ácaros

Causadores de alergia, eles estão por toda parte e gostam de ambientes fechados e pouco ventilados

Para quem é alérgico a ácaros, sacudir a poeira e dar a volta por cima pode não ser o melhor dos conselhos. Ficar longe do causador desse tipo de alergia e ignorar os sintomas é algo bastante trabalhoso, isso porque ácaros estão por toda a parte e se sentem bem amparados pelo nosso estilo de vida cada vez mais ligado a ambientes fechados e pouco ventilados. Mas, calma, não é todo mundo que desenvolve o problema.

Médico especialista em alergia e imunologia e também otorrinolaringologista, Sérgio Luiz Nadvorny explica que não basta viver em um ambiente empoeirado ou úmido para sofrer com as chamadas rinites alérgicas provocadas pela poeira. O componente genético é fundamental. Se há predisposição para isso, as condições ambientais podem ser um gatilho para os sintomas.

Leia também:
Rinite: causas, tratamento e prevenção
Higiene: saiba o que é mito, verdade e o que pode comprometer a saúde

— Esse tipo de alergia, nas pessoas que têm predisposição genética, é uma reação exagerada do sistema imunológico a agressores que são potencialmente inofensivos, como os ácaros — diz Nadvorny.

Segundo o especialista, se um dos pais tem a alergia, os riscos de o filho desenvolvê-la aumentam em 25%. Se os dois pais apresentam o problema, esse percentual sobe para 50%.

O primeiro passo para se prevenir é ficar longe do agente causador — mas, por mais que se limpe a casa, é impossível não conviver com os ácaros. E, para os alérgicos, isso pode significar uma rotina de espirros, coceira no nariz, coriza e até obstrução nasal.

Então, os médicos focam na melhoria da qualidade de vida, bastante impactada pelos sintomas. Os anti-histamínicos, chamados popularmente de antialérgicos, e corticoides tópicos nasais, administrados por tempo adequado, são os medicamentos mais receitados em casos menos frequentes e intensos no alívio do desconforto. No entanto, quando as crises se tornam mais fortes e corriqueiras, recomenda-se a consulta a um alergista para avaliar a necessidade de imunoterapia com vacinas contra a alergia.

Especialista pela Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), o médico Diego Marroni esclarece que esse tipo de tratamento leva de dois a três anos e que os efeitos positivos são graduais. Primeiro, é preciso fazer testes cutâneos para detectar a que a pessoa é alérgica.

Os ácaros aparecem no topo das causas, segundo o especialista. Depois, faz-se um "plano de ataque". Muitas vezes, os pacientes desistem do tratamento porque esperam melhorar imediatamente.

— Não estamos falando de um fármaco, a imunoterapia vai mudar a resposta do organismo ao agente causador da alergia. É como uma educação do sistema imunológico. Os resultados são graduais, mas duradouros. Isso tem mudado a vida das pessoas — diz Marroni.


 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaFilmes para ver nesta sexta-feira https://t.co/yQ0YiBNVtP #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaConfronto de ideias marca debate da RBS TV entre candidatos de Blumenau https://t.co/OrmB1VQlLY #LeiaNoSantahá 2 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros