Plano de gestão restringe captura industrial da tainha - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Mar14/10/2016 | 10h02

Plano de gestão restringe captura industrial da tainha

A previsão é de uma redução de 20% no número de barcos a cada ano

Plano de gestão restringe captura industrial da tainha Lucas Correia/Agencia RBS
Foto: Lucas Correia / Agencia RBS

O que estará em discussão em Brasília durante o encontro do Comitê Permanente de Gestão, na próxima semana, é uma série de medidas restritivas que foram definidas em maio do ano passado e estão sendo implementadas gradativamente, para garantir a sustentabilidade do recurso pesqueiro. O plano demandou três anos de discussão e terminou sem consenso entre o setor produtivo e ambiental. Como a definição era uma exigência judicial, entretanto, o plano acabou publicado mesmo sem acordo.

O principal alvo das medidas protetivas é a pesca industrial, que tem uma capacidade de captura maior e é considerada mais agressiva aos cardumes. A previsão é de uma redução de 20% no número de barcos a cada ano.

Impacto em Santa Catarina

— Há espaço para gerir a pesca com coparticipação dos dois segmentos, industrial e artesanal. Acreditamos que tem que haver regra, gestão, controle. Mas também tem que haver pesquisa, estatística, avaliação de estoque. E temos que exigir que o governo faça sua parte — diz Marco Aurélio Bailon, coordenador técnico do Sindicato dos Armadores e da Indústria da Pesca de Itajaí e Região (Sindipi).

Leia mais
::
Estudo inédito sugere que pescadores tenham cotas para captura da tainha
:: Alternativas de cotas de pesca é usada para proteger espécies em todo o mundo

A indústria sentiu o primeiro impacto do plano na última safra, quando as regras entraram em vigor e delimitaram em 50 o número licenças para barcos industriais. A frota catarinense, que é a maior do país, teve todos os barcos negados sob a acusação de que pescaram em área proibida na última safra.

Algumas embarcações obtiveram autorização semanas depois, na Justiça — mas a passagem dos cardumes de tainhas já havia terminado. O atraso tornou a safra industrial de 2016 insignificante, apesar dos bons números de captura artesanal.

Além do corte gradativo no número de barcos da indústria, o plano de gestão antecipou a abertura da safra artesanal desembarcada para 1º de maio, retardou a abertura para a pesca industrial, e redefiniu o corredor de proteção, onde a captura não é permitida.

Para os próximos anos, está prevista a proibição da pesca artesanal com rede anilhada — uma das mais comuns em SC.

*A jornalista viajou a Brasília a convite da Oceana

O SOL DIÁRIO

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPedro Machado: a Chapecoense é uma unanimidade https://t.co/w9WYf5SyKn #LeiaNoSantahá 3 diasRetweet
  • santacombr

    santacombr

    Santa"Pode-se tentar calar o juiz, mas nunca se conseguirá calar a Justiça", reage Cármen Lúcia https://t.co/JZDSmNAMoY #LeiaNoSantahá 3 diasRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros