Em dia de luto, torcedores lembram amor à Chapecoense na Arena Condá - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Memórias29/11/2016 | 20h29Atualizada em 29/11/2016 | 20h56

Em dia de luto, torcedores lembram amor à Chapecoense na Arena Condá

Cidade tenta assimilar as perdas com a tragédia do voo que transportava o clube, dirigentes e a imprensa para a partida em Medellín

Em dia de luto, torcedores lembram amor à Chapecoense na Arena Condá Cristiano Estrela/Facebook
Foto: Cristiano Estrela / Facebook

Acostumada a ouvir o grito da torcida nas últimas vitórias do Verdão do Oeste, a Arena Condá, no centro de Chapecó, se tornou palco de lamento. As orações, o choro e os abraços de solidariedade tomaram as arquibancadas do estádio nesta terça-feira, enquanto a cidade tentava assimilar as perdas com a tragédia do voo que transportava time, dirigentes e a imprensa para a partida em Medellín. Mais do que ídolos do esporte, todos choravam o luto de familiares, amigos, colegas.  eram algumas dessas pessoas. 

Chapecoense organizará velório coletivo na Arena Condá

Em meio a um vai e vem de milhares de moradores e torcedores, Cristiano, Ricardo, Luiz, Claudinei, Julia, Gabriela e Eduarda passaram o dia no campo e nas arquibancadas do estádio reunidos em solidariedade aos que estavam no avião que transportava a equipe da Chapecoense rumo à Colômbia, onde deveria acontecer o primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana

Em meio a comoção e consternação pela tragédia, Ricardo da Silva, 38 anos, chora também uma perda pessoal. Era cunhado do radialista Edson Ebeliny, o Picolé, uma das 71 vítimas do acidente. 

— A gente recebeu uma notícia muito triste nesta madrugada, a perda de uma grande paixão de Chapecó, que é o nosso time. A gente acabou vindo para cá, prestar o luto — diz.

Com a voz embargada, Cristiano Marcos Pinheiro, 31 anos, também se emociona ao lembrar que frequenta o local desde novo. Envolto com a bandeira da Chape e vestindo a camisa verde e branca, ele lembra que ia ao local acompanhado pelo pai, que nas primeiras vezes o ajudava a subir os degraus da arquibancada.

— A gente não tem palavras para explicar. Não consegue aceitar. Não sabe o motivo. Se tem alguma coisa maior que envolve a gente. Não consegue entender por que esse tipo de coisa acontece com pessoas tão simples e trabalhadoras, que são as pessoas da nossa cidade — lamenta. 

A jovem Luiza Winckler, 17 anos, lembra que demorou a acreditar que a notícia da queda do avião era verdadeira. Incrédula, ela conta que só depois de ler os depoimentos dos fãs da Chapecoense é que aceitou o fato.

— Estava com esperança de que fosse achar todos vivos e trazer eles em segurança — comenta. 

Emocionado, Claudinei da Silva, 31 anos, chama os jogadores de irmãos. Para ele, o time representava não apenas Chapecó, mas o Oeste de Santa Catarina perante o Brasil e o mundo. O torcedor, que cobria os ombros com a bandeira do time, lembra que o grupo vinha de uma campanha "maravilhosa, que só dava orgulho para nós". 

Já as amigas Julia Voicolesko, Gabriela Verdy e Eduarda Zanella, de 16 anos, sorriam ao responder sobre o futuro da Chape depois do acidente. Para elas, o clube "é uma paixão, uma família", e independente de quanto tempo demorar, continuarão torcendo e apoiando o time que representa "a capacidade de evoluir tanto em tão pouco tempo".

Acompanhe as informações sobre o acidente com o avião da Chapecoense na Colômbia

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPedro Machado: a Chapecoense é uma unanimidade https://t.co/w9WYf5SyKn #LeiaNoSantahá 7 diasRetweet
  • santacombr

    santacombr

    Santa"Pode-se tentar calar o juiz, mas nunca se conseguirá calar a Justiça", reage Cármen Lúcia https://t.co/JZDSmNAMoY #LeiaNoSantahá 7 diasRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros