Jovens da base viram peças chave na reconstrução da Chapecoense - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Esperança30/11/2016 | 18h20Atualizada em 30/11/2016 | 18h26

Jovens da base viram peças chave na reconstrução da Chapecoense

Garotos se colocam à disposição para entrar em campo e manter o time

Jovens da base viram peças chave na reconstrução da Chapecoense Cristiano Estrela/Agencia RBS
Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

Vestir a camisa de um grande time e subir ao gramado com outros craques é a realização de qualquer garoto que sonha em ser jogador de futebol. Mesmo na base de um clube, só os mais talentosos alcançam o trampolim até o grupo principal. Paciência e cuidado são a receita para evitar que uma aposta de futuro seja exposta antes do tempo e permaneça como eterna promessa.  Mas como planejar o amanhã quando o próprio presente do clube ficou em dúvida da noite para o dia?

Em meio a tantas interrogações, uma certeza na Chapecoense é de que a reconstrução da equipe passa pela base. Ainda que o time possa contar com reforços emprestados por adversários nas futuras competições, a formação do elenco principal deverá ser reestruturada a partir da garotada do sub-20.

— É um processo que a gente vai ter que acelerar. Nosso projeto era ir encaixando dois, três meninos. É um processo lento, tem toda uma adaptação, mas acredito que será acelerado — avalia o supervisor das categorias de base da Chapecoense, Roberto Ferreira.

Hoje, a Chape tem cerca de 20 jovens atletas profissionalizados. Na prática, diz o supervisor, já bastaria para um recomeço dentro das quatro linhas. A direção das categorias de base, no entanto, considera aspectos emocionais e que vão além do campo de jogo.

- Se a gente precisasse treinar na semana que vem, seria possível. Mas, antes disso, temos outras questões para pensar. Precisamos reconstruir tudo - aponta Ferreira.

O técnico da equipe sub-20, Emerson Cris, chegou a assumir o time principal provisoriamente em junho, na saída de Guto Ferreira. Como não viajou para Medellín, Emerson é um dos remanescentes mais abalados pela tragédia.

Se dependesse dos atletas, a equipe sub-20 da Chapecoense entraria em campo já na próxima segunda-feira, em disputa pela Taça Piratini, voltada a equipes juvenis no Rio Grande do Sul. 

Jovens se colocam à disposição para jogar

Em uma reunião com a direção na manhã desta quarta, o grupo de garotos manifestou vontade de participar. A presença do clube, por enquanto, ainda é discutida pela direção e toda participação em competições segue suspensa.

Ouvidos pela reportagem do DC, atletas do sub-20 da Chapecoense se mostraram dispostos a reerguer o clube.

— Agora somos o grupo da Chapecoense. O sub-20 é a categoria mais acima antes do profissional. É complicado dizer "estou preparado para jogar". Mas, se tiver que jogar, vamos jogar. Esse clube não pode acabar, de uma forma ou de outra a gente tem que se reerguer — anunciou Guilherme Puerari, 17 anos, volante.   

Fã do lateral Gimenez, o lateral-direito Mathias Firmino, de 19 anos, reforça a vontade de protagonizar o futuro do clube.

— Querendo ou não, o futuro da Chapecoense somos nós. É isso o que a diretoria está tentando nos passar nesse momento. Temos que levantar a cabeça e seguir em frente — destacou.

O momento, reconhece o lateral-esquerdo Bruno Bortolini, de 18 anos, ainda é de angústia. Mas a vontade de jogar já na segunda-feira, diz ele, ganha força no grupo.

— É um clima de dúvida. A cabeça fica um pouco pesada, mas está boa sim — diz.

Acompanhe:
O perfil das vítimas e sobreviventes do acidente da Chapecoense
Solidariedade: as 15 homenagens à Chapecoense que comoveram o mundo
Chapecó prepara velório coletivo de vítimas de acidente aéreo
Porta-voz da LaMia admite que aeronave trabalhava no limite de sua capacidade de combustível

 
 
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros