Andreia Evaristo: Jornada do herói no supermercado - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Opinião14/01/2017 | 08h02

Andreia Evaristo: Jornada do herói no supermercado

"É ali, na fila, que você pode vislumbrar o retorno glorioso ao início da jornada, quando o herói volta em posse do elixir para provar o seu valor."

Andreia Evaristo, escritora
Andreia Evaristo, escritora

qualquersentido@gmail.com

Supermercado no segundo dia do ano é lugar de gente louca. Você entra com uma lista nas mãos, empurrando um carrinho, e sai pelos corredores como se estivesse numa caça ao tesouro. É necessário despistar os inimigos – nesse caso, os demais condutores de carrinhos ou aqueles que, a exemplo da Chapeuzinho Vermelho, empunham cestas nos braços e mantêm os olhos nas prateleiras. Igualmente, é preciso contornar obstáculos – nos mercados atuais, eles equivalem aos produtos empilhados sobre pallets no meio de corredores já apertados, que jazem uns sobre os outros e estão apenas esperando o momento que você vai se aproximar e passar por eles – então eles se jogam de cima da montanha rumo ao chão, enquanto os inimigos, digo, os demais consumidores lançam em sua direção aquele olhar de “olha lá aquele desajeitado, derrubando os produtos no chão”.

Depois de enfrentar mares de pessoas desesperadas, enchendo os carrinhos como se não houvesse mercado amanhã (como não houve no dia anterior), depois de enfrentar a névoa gélida das seções refrigeradas (se bem que, nesse calor infernal de verão joinvilense, esse parece um oásis no meio dessa cidade árida), depois de conquistar o elixir do produto que você desejou durante o feriado (mas não encontrou um único comerciante capaz de satisfazer o seu desejo), você se dirige à etapa final da jornada: a fila do caixa.

É ali, na fila, que você pode vislumbrar o retorno glorioso ao início da jornada, quando o herói volta em posse do elixir para provar o seu valor. E ali mesmo, na fila, você se depara com uma infinidade de produtos mágicos – esses que você nem sabia que existiam, mas que, de uma hora para outra, sentiu uma necessidade incontrolável de levar para casa.

Leia mais sobre Joinville e região em A Notícia.

Um desses produtos é um minibolinho – pelo tamanho, não é redundância. Curiosa, levo a mão à gôndola e seguro a embalagem: dentro dela, o que era uma vez um minibolinho agora é um aglomerado de migalhas amontoadas dentro do pacote. Balanço a cabeça e suspiro, imaginando quem foi o ogro desalmado capaz de pegar um minibolinho tão delicado de dentro da caixa e, como diria minha avó, macetá-lo com os dedos até que não restasse mais nada do formato original. Ao longe, um menino tira uma beterraba da cesta de hortifrúti e arremessa contra o irmãozinho... Lugar de gente louca, tenho certeza.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Opinião 04/06/2016 | 08h03

Andreia Evaristo: Eles são criados para o mundo

"Quando ele nasce, é pequenino, não fala, não anda. Mas a gente já imagina um roteiro perfeito, com cenas bem definidas, objetivos claros e final feliz"

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaÓpera de Mozart, "A Flauta Mágica" está em cartaz no Teatro do CIC https://t.co/jaqOAnWb9k #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaComando local pretende aguardar próximas etapas para avaliar impacto na cidade https://t.co/8OK3JXzVx8 #LeiaNoSantahá 5 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros