Após proibição em SC, saiba como descartar materiais com amianto - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Saúde e meio ambiente13/01/2017 | 15h02Atualizada em 13/01/2017 | 15h02

Após proibição em SC, saiba como descartar materiais com amianto

Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente determina que produtos que têm a substância como matéria-prima não podem ser eliminados em qualquer local

Após proibição em SC, saiba como descartar materiais com amianto Caio Marcelo/Agencia RBS
Cadeia produtiva de amianto em SC, que envolve a produção de telhas e caixas d'água, por exemplo, está vetada no Estado Foto: Caio Marcelo / Agencia RBS

É provável que você tenha ficado sabendo da proibição de toda a cadeia produtiva de amianto em Santa Catarina, cuja sanção do projeto de lei nº 179/2008 que versa sobre o tema foi publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 13. O texto veta o uso de produtos, materiais ou artefatos que contenham quaisquer tipos de amianto ou asbesto — como a substância química também é conhecida — ou outros minerais que tenham fibra de amianto na composição. Com a lei em vigor, Santa Catarina se torna o oitavo Estado brasileiro a proibir o amianto

Em 2015, a última empresa catarinense que ainda utilizava a substância, Imbralit, encerrou a prática após um termo de ajuste de conduta com o Ministério Público do Trabalho. No entanto, distribuidoras continuavam comercializando telhas com o material, considerado tóxico à saúde humana. Com a proibição recente, principalmente relacionada ao potencial cancerígeno confirmado pela Organização Mundial da Saúde, fica a dúvida: como descartá-lo corretamente?

Devido à resistência a temperaturas alta, qualidade isolante, flexibilidade, durabilidade, incombustibilidade, resistência a ataque de ácidos, e baixo custo, o amianto tem diversos usos e aplicações desde a antiguidade e, mais recentemente, vinha sendo utilizado na produção de telhas e caixas d'água, principalmente, que podem ter vida útil de 70 anos. Além de incluir o amianto na classe de resíduos perigosos, a resolução nº 348 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) orienta que produtos que contenham essa substância na matéria-prima não sejam eliminados em qualquer local. A recomendação é que o amianto seja deixado em aterros especializados. 

A Vigilância Sanitária de Santa Catarina desconhece o número de aterros especializados para descarte de produtos com amianto no Estado. O órgão estadual mencionou somente uma estrutura em Blumenau, denominada "Ambiental". Conforme a técnica ouvida pela reportagem, que preferiu não se identificar, não há uma política específica para manejo desse material, apesar de a substância ser classificada como resíduo perigoso de classe 2 e, portanto, dever ser destinada a aterro específico. 

— É complicado. Nós não temos essa informação. Geralmente, as pessoas põem no papa-entulho e eles descartam inadequadamente nos próprios terrenos — informou a servidora pública estadual. 

Para saber se o seu município dispõe de um aterro específico para substâncias perigosas como o amianto, é indicado entrar em contato com a administração regional ou com a prefeitura. Em Florianópolis, por exemplo, a Companhia Melhoramentos da Capital (Comcap) não recebe o amianto em seus Ecopontos. A entidade defende que se trata de um resíduo especial de responsabilidade do gerador e que, por isso, as pessoas devam entrar em contato com o fabricante e devolver o produto para que a própria empresa responsabilize-se do descarte. Na decisão, a empresa garante seguir a Política Nacional de Resíduos Sólidos. 

Ainda conforme a lei estadual catarinense, que não deixa claro o descarte correto do amianto, há aplicação de infração sanitária em caso de descumprimento. A base é a Legislação Sanitária do Estado de Santa Catarina, especialmente no artigo 61 da Lei Estadual nº 6320/198, ou por meio de outros instrumentos normativos instituídos pela Diretoria de Vigilância Sanitária.

Cuidado no manuseio

Antes de encaminhar os produtos com amianto para descarte, lembre-se de manejá-lo com cuidado. Atente para não quebrar a telha ou a caixa d'água, por exemplo, para não ficar exposto à contaminação pelas fibras do pó amianto. Quando inalada, essa substância estimula mutações celulares que podem desencadear tumores e alguns tipos de câncer de pulmão. A Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto relata diversos casos de ex-trabalhadores da mineração da indústria que lidavam com amianto, adoeceram e até faleceram devido a doenças desenvolvidas. 

Leia também:
Alesc aprova projeto de lei que proíbe comercialização de amianto em SC
Comissão da Alesc prorroga mais uma vez decisão sobre banimento de amianto em Santa Catarina

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaAndrey Lehnemann: Selton Mello prova que está entre os melhores diretores de sua geração https://t.co/dpDHcK4d4w #LeiaNoSantahá 7 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaBlog do Pancho: Lojistas da Rua XV de Novembro querem convênio com estacionamentos para beneficiar clientes https://t.co/2vFX0atbSBhá 36 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros