DJ que morreu em trilha de Joinville disse à família que queria conhecer a cachoeira - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Mistério 11/01/2017 | 15h57

DJ que morreu em trilha de Joinville disse à família que queria conhecer a cachoeira

Felipe Maciel, 32 anos, entrou sozinho numa trilha no Rio da Prata

DJ que morreu em trilha de Joinville disse à família que queria conhecer a cachoeira  Salmo Duarte/Agencia RBS
Proprietário do local onde o rapaz desapareceu diz que lugar é seguro Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS
Leandro S. Junges

leandro.junges@an.com.br

Uma equipe formada por especialistas em resgate em montanha e bombeiros, com a ajuda do helicóptero Águia, da Polícia Militar, encontrou o corpo do DJ Felipe Maciel, de 32 anos, no alto do Rio da Prata, na zona rural de Joinville. Felipe entrou sozinho numa trilha na mata na manhã de terça-feira e não voltou mais.

Confirma mais notícias de Joinville e região.

No começo da tarde desta quarta-feira, depois de 12 horas de buscas, a PM informou à RBS TV que a equipe encontrou o corpo do homem caído nas pedras numa cachoeira com mais de 30 metros de altura, numa região de difícil acesso no meio da mata. O resgate do corpo ocorreu durante a tarde.

Durante a manhã, o pai do rapaz, o engenheiro Alceu Maciel, viajou de Florianópolis, onde mora a família, até o pé da serra. Com amigos e familiares, ele foi até o local onde Felipe deixou o carro, no começo da trilha. A Mistsubishi que ele dirigia ficou fechada e estacionada a menos de dez metros do rio, sem qualquer sinal de violência.

— Ele não faria isso. Ele nunca fez isso de ir em cachoeira sozinho, assim — dizia o pai, inconformado com o sumiço do filho.

De acordo com os familiares, o DJ falava há alguns dias da cachoeira, sempre dizendo que gostaria de conhecê-la. Mas ninguém imaginava que ele tentaria entrar sozinho na trilha para chegar até ela.

Ele tinha uma apresentação marcada para a noite de terça-feira, em Balneário Camboriú. A ausência dele no evento foi um dos fatos que chamou a atenção da família para algo diferente, já que ele não faltava aos compromissos.

Segundo Valdir Bartz, dono da propriedade onde funciona o Recanto das Nascente Divinas, com uma pousada e um camping, no final da estrada, o homem chegou por volta das 10 horas da manhã de terça-feira, pediu para entrar e tomar banho na cachoeira.

Os donos da propriedade estranharam que, no fim da tarde, o veículo ainda estava lá, mas o homem não havia voltado do mato. Seis pessoas do Grupo de Resgate de Montanha (GRM) de Joinville lideraram as buscas durante toda a manhã. Uma equipe da PM sobrevoou a região por duas vezes.

Local é seguro

O proprietário do local onde o rapaz desapareceu, Valdir Bartz, é uma das pessoas que melhor conhece as trilhas e cachoeiras da região. Segundo ele, as trilhas são largas e bem sinalizadas. E como é um vale cercado de morros por todos os lados, não há como se perder, basta seguir o rio.

— A cachoeira é um lugar que as pessoas vão para ver. É uma meia hora de caminhada na trilha, mas não tem como se perder — diz Bartz.

O local onde o DJ Felipe Maciel foi, é cercado de mata. Há pelo menos seis quiosques e outros dez lugares de acampamento nas duas margens do rio. Uma ponte de ferro passa sobre a água e dá acesso às duas margens.

Na trilha para a cachoeira, há placas que indicam o caminho. Foi bem em frente a uma dessas placas que ele deixou o carro para subir a pé.

Segundo o proprietário, centenas de pessoas acampam na região e lotam a beira do rio. E não há registro de afogamentos ou pessoas que tenham se perdido na mata. Mesmo quem sobe sozinho, durante o fim de semana, é comum que encontre outros turistas subindo ou descendo a trilha. Como Felipe subiu sozinho na manhã de terça-feira, não havia ninguém por lá.

Cuidados básicos

- Nunca entre num lugar desconhecido sem guias.
- Mesmo que a trilha seja conhecida, evite entrar nela sozinho.
- Informe alguém que o grupo está entrando e estabeleça claramente o tempo que desejam ficar na mata.
- Use roupas apropriadas para escalada e trecking. Tênis, camiseta e bermudas usadas no dia-a-dia são confortáveis, mas não são ideais para subir ou escalar montanhas ou morros no meio do mato.
- Se possível, leve uma corda e equipamentos apropriados para acampamento, como uma boa faca.
- Mesmo que a caminhada seja rápida, leve água e alimentos leves.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Clima 04/01/2017 | 09h51

Retomadas as buscas por homem que desapareceu no rio Cubatão, na zona Norte de Joinville

Equipe de mergulhadores do Corpo de Bombeiros Voluntários de Joinville e Grupo de Resgate em Montanha (GRM) vasculham a região

Fatalidade 27/12/2016 | 11h02

Jovem de 20 anos morre afogado em Campo Alegre, no Planalto Norte de SC

Bombeiros dão dicas de cuidados para nadar em piscina, rio e mar

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPresos permanecem na Central de Polícia após interdição do Presídio Regional de Joinville https://t.co/u7wWbc5ji3 #LeiaNoSantahá 2 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaVasto ciberataque atinge várias multinacionais https://t.co/SqUvKh33ZS #LeiaNoSantahá 2 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros