Municípios do Oeste e Meio-Oeste lideram lista dos que mais recuperaram a Mata Atlântica em SC - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Meio ambiente06/02/2017 | 16h36Atualizada em 06/02/2017 | 20h32

Municípios do Oeste e Meio-Oeste lideram lista dos que mais recuperaram a Mata Atlântica em SC

Área regenerada pelas 10 primeiras cidades da lista é superior ao território de Balneário Camboriú

Municípios do Oeste e Meio-Oeste lideram lista dos que mais recuperaram a Mata Atlântica em SC Divulgação / Prefeitura de Concórdia/Prefeitura de Concórdia
Ponte sobre o Rio Uruguai, numa região com intensa vegetação em Concórdia, líder em recuperação da Mata Atlântica Foto: Divulgação / Prefeitura de Concórdia / Prefeitura de Concórdia
Diário Catarinense
Diário Catarinense

Dos 10 municípios que mais contribuíram para a regeneração da Mata Atlântica em Santa Catarina nos últimos 30 anos, oito são das regiões Oeste e do Meio-Oeste. Segundo a Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Concórdia foi a cidade que apresentou mais áreas restauradas no período avaliado, num total de 971 hectares, seguido da de Campos Novos (711 hectares), Lebon Régis (642 hectares), Dionísio Cerqueira (538 hectares) e Tangará (458 hectares).

Completam a lista os municípios de Chapecó, Irani, Herval d'Oeste, Itaiópolis e Caçador. Juntas, as 10 cidades recuperaram uma área superior ao território de Balneário Camboriú, no litoral norte catarinense. Os dados fazem parte do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, que monitora a distribuição espacial do bioma, e foram divulgados nesta segunda-feira. 

O estudo identificou a regeneração de 24.964 hectares, ou o equivalente a 249,64 quilômetros quadrados, entre 1985 e 2015 em Santa Catarina. A área é equivalente a um pouco menos do que todo o território de Ilhota, no Vale do Itajaí, e pouco mais da metade da Ilha de Santa Catarina. 

O estudo analisa principalmente a regeneração sobre formações florestais que se apresentam em estágio inicial de vegetação nativa, ou áreas usadas anteriormente para pastagem e que hoje estão em estágio avançado de regeneração. 

O processo se deve tanto a causas naturais quanto induzidas por meio do plantio de mudas de árvores nativas. A Mata Atlântica cobria originalmente 100% da área de Santa Catarina, pouco mais de 9,57 milhões de hectares. Hoje, restam apenas 2.212.225 milhões de hectares do bioma, que são 23,1% do total. 

Foto: Reprodução / SOS Mata Atlântica e Inpe

Dos 295 municípios catarinenses, todos têm ocorrência da Mata Atlântica. Nos últimos 30 anos, houve uma redução de 83% do desmatamento do bioma. Segundo a diretora-executiva da Fundação SOS Mata Atlântica, Marcia Hirota, sete dos 17 Estados da Mata Atlântica já apresentam nível de desmatamento zero. Santa Catarina é um Estado que desde 2010 vem reduzindo as taxas de desmatamento. 

– Agora, o desafio é preservar o que resta e recuperar e restaurar as florestas nativas que perdemos. Embora o levantamento atual não assinale as causas da regeneração, ou seja, se ocorreu de forma natural ou se decorre de iniciativas de restauração florestal, é um bom indicativo de que estamos no caminho certo – afirma Marcia. 

Leia também:
Depois do Carnaval: Preço das diárias de hotéis nos destinos turísticos de SC cai até 53%

Escavações na Serra revelam detalhes da vida dos Proto-Jê, um povo que habitava Santa Catarina há mil anos

Santa Catarina lidera preservação proporcional da Mata Atlântica no Brasil em três décadas

As ameaças e riquezas do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, fonte de água da Grande Florianópolis

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaBriga de trânsito termina em acidente com quatro veículos no Centro de Blumenau https://t.co/Cf8fTEv3zB #LeiaNoSantahá 49 segundosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaAcidente deixa duas pessoas feridas na Rua Bahia em Blumenau https://t.co/4l9dMP9HW1 #LeiaNoSantahá 5 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros