Senado dos Estados Unidos confirma Jeff Sessions na Justiça - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Governo Trump09/02/2017 | 08h42Atualizada em 09/02/2017 | 08h42

Senado dos Estados Unidos confirma Jeff Sessions na Justiça

Senador ultraconservador é defensor da política "linha dura" contra imigrantes em situação irregular e é conhecido por posições polêmicas sobre o direito de voto aos negros

Senado dos Estados Unidos confirma Jeff Sessions na Justiça CHIP SOMODEVILLA/GETTY IMAGES NORTH AMERICA
Foto: CHIP SOMODEVILLA / GETTY IMAGES NORTH AMERICA
AFP
AFP

O Senado dos Estados Unidos confirmou, na quarta-feira, o senador Jeff Sessions como novo procurador-geral do país, dando fim a uma queda de braço devido ao passado do republicano. Sessions é alvo de críticos pela trajetória marcada por posições contrárias ao voto de eleitores negros.

Por 52 votos a 47, os senadores aprovaram Sessions para o Departamento de Justiça, placar que deixa evidente a falta de consenso sobre a indicação feita pelo presidente Donald Trump.

Leia mais
Trump defende decreto migratório e denuncia justiça "politizada"
Papa reitera apelo por "pontes, não muros" após decreto anti-imigração
Mãe de turista morta critica inclusão da filha em lista de atentados por Trump

Senador ultraconservador por Alabama e defensor da política de "linha dura" com os imigrantes em situação irregular, Sessions é visto como a principal inspiração de Trump na elaboração de políticas públicas na área. 

Na campanha à Presidência de 2016, Sessions foi um dos primeiros a se alinhar com Trump. Ele é o sexto integrante do gabinete a ser confirmado pelo Senado. O presidente já criticou várias vezes a lentidão da Casa na confirmação dos indicados para o governo.

Agora, Sessions está autorizado a assumir o comando do Departamento de Justiça, que conta com cerca de 113 mil funcionários.

Debates acirrados

Os debates sobre a nomeação de Sessions tiveram momentos de extrema tensão. Em um deles, a democrata Elizabeth Warren lia uma carta escrita em 1986 por Coretta King, a viúva de Martin Luther King, com duras críticas ao senador Sessions. A parlamentar, no entanto, foi intimada a interromper o discurso e voltar para sua cadeira.

O líder do Partido Republicano no Senado, Mitch McConnell, apelou a um artigo raramente usado no regulamento da Câmara, que veta comentários altamente críticos de um senador para outro, para pedir que o discurso fosse interrompido.

— A senadora deve retomar seu assento — indicou o senador Steven Daines, em um gesto que gerou um enorme escândalo e tornou-se o centro das discussões sobre Sessions.

Embora não seja raro um senador fazer objeções a declarações de outro membro na Casa, o pedido para que Warren fosse interrompida e voltasse para seu lugar foi um gesto poucas vezes visto no Congresso norte-americano. 

O senador Bernie Sanders pediu a palavra e leu por inteiro a carta escrita por Coretta King. Desta vez, porém, nenhum senador conservador apresentou moção de censura. Outro senador democrata, Sheldon Whitehouse, considerou "inaceitável" o que aconteceu com Warren.

Já o senador conservador Horrin Hatch lembrou que os legisladores devem se tratar com respeito, "ou isso vai virar um selva". 

A viúva de Luther King escreveu a carta quando Sessions era candidato a um posto de juiz federal no Alabama. De acordo com a carta, Sessions usava "seu poder para intimidar e ameaçar eleitores negros".


 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCâmara aprova MP que cria Programa Cartão Reforma https://t.co/AUtCyixR7k #LeiaNoSantahá 15 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaAnvisa vai fiscalizar lojas e interditar venda de carne que é alvo de recall https://t.co/1YeVaE2R3y #LeiaNoSantahá 2 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros