Lages proíbe voo livre no Morro da Cruz por risco a tráfego aéreo - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Polêmica17/03/2017 | 19h49Atualizada em 17/03/2017 | 19h49

Lages proíbe voo livre no Morro da Cruz por risco a tráfego aéreo

Pilotos de parapente pediram homologação da rampa de salto e delimitação de área de voo

Lages proíbe voo livre no Morro da Cruz por risco a tráfego aéreo Prefeitura de Lages/Divulgação
Placa instalada no Morro da Cruz Foto: Prefeitura de Lages / Divulgação

Os voos de parapente estão proibidos no Morro da Cruz, em Lages. A justificativa da Defesa Civil do município é que os saltos colocam em risco o tráfego aéreo do Aeroporto Federal Antônio Correia Pinto de Macedo. A medida tem causado polêmica no município. 

O secretário executivo de Proteção e Defesa Civil de Lages, Jean Felipe Silva de Souza, afirma que receberam reclamações do gerente do aeroporto, de um comandante de companhia aérea e do helicóptero Águia, utilizado pela Polícia Militar, de que os voos de parapente estavam atrapalhando os pousos e decolagens na região. A instalação de uma placa  determinando a proibição dos voos livres aconteceu em fevereiro deste ano na principal rampa da cidade, no Morro da Cruz.  

— Fomos lá e interditamos, até porque não tem rampa homologada para a prática de parapente, e oferecia risco, então coube a Defesa Civil interditar — afirma Souza. 

A proibição da prática de voo livre foi baseada em parecer técnico número 67613038961 emitido pelo Comando da Aeronáutica (Comaer).

Marcos Arruda, integrante do Clube Serrano de Voo Livre e que voa há 14 anos no município, afirma que a prática acontece há cerca de 26 anos no Morro da Cruz. Ele diz que há 15 dias enviaram um pedido de homologação da rampa e delimitação de área de voo para o Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo (Cindacta II).

— O aeroporto fica de leste a oeste e essa rampa fica a cinco quilômetros de distância e na outra direção. O pessoal não diferencia muito o paramotor do parapente. Começaram a comprar o paramotor e a voar em cima do aeroporto e acabou causando transtorno para nós — afirma Arruda, que acrescenta que são cerca de 30 pilotos cadastrados no clube. 

Ele lembra que tem dois atletas do clube que estão liderando três categorias do esporte no estadual e não têm área de treino:

— Eles têm que sair da cidade para voar e isso impacta bastante. Além disso, é uma possibilidade de trazer turismo para a região e fazer eventos — defende. 

A reportagem entrou em contato com o Cindacta II para saber como estava o processo de homologação, porém não obteve resposta até o fechamento desta matéria. 

Leia também:

Rede de atendimento a pacientes com câncer é ampliada em SC

Inscrições para programa que oferece 20 mil bolsas de estudos em SC terminam na segunda-feira

Chuva, temperatura e mar: veja a previsão do tempo para o fim do verão e início do outono em SC


 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaMemes: Internautas lamentam despedida de Evaristo Costa  https://t.co/tkCIglJVk0 #LeiaNoSantahá 8 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaBlog do Pancho: Reforma na passarela da Antônio da Veiga continuará por mais tempo https://t.co/G4f81onpRZhá 25 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros