Presidente da associação dos delegados da PF questiona comunicação da Operação Carne Fraca - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Entrevista20/03/2017 | 22h45Atualizada em 20/03/2017 | 22h45

Presidente da associação dos delegados da PF questiona comunicação da Operação Carne Fraca

Carlos Eduardo Sobral está em Florianópolis para participar do Congresso Nacional dos Delegados de Polícia Federal

Presidente da associação dos delegados da PF questiona comunicação da Operação Carne Fraca Marco Favero/Agencia RBS
Foto: Marco Favero / Agencia RBS

O presidente da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), Carlos Eduardo Sobral, reconheceu nesta segunda-feira que houve um "equívoco de comunicação" por parte da Polícia Federal ao afirmar que a Operação Carne Fraca foi a maior da história da polícia. Segundo ele, o termo se refere ao número de mandados expedidos e cumpridos, mas não tem relação com os "valores investigados, importância e relevância social". Sobral, que já atuou como chefe da Unidade de Repressão a Crimes Cibernéticos, está em Florianópolis para participar do VII Congresso Nacional dos Delegados de Polícia Federal, evento promovido a partir desta segunda-feira no Costão do Santinho.

O impacto da operação repercutiu negativamente no Brasil e no exterior e afeta também Santa Catarina. O Estado comemorava o crescimento na exportações, fruto de expansão e abertura de mercados. A Coreia do Sul também planeja passar a importar carne suína de SC e, por isso, tem uma missão de inspeção marcada para o final deste mês que, segundo o governador Raimundo Colombo, está mantida. Até o momento, China, Chile, União Europeia, Coreia do Sul e Egito barraram exportações. No ano passado, esses mercados representaram 38,44% do valor exportado de proteína por SC.

Confira a entrevista completa:

Sobre a operação Carne Fraca, como o senhor avalia? Houve erro por parte da PF?

Eu acho que houve um equívoco de comunicação quando se afirma que foi a maior operação da Polícia Federal, sem explicar que, na verdade, foi a maior quantidade de mandatos, mas não em valores investigados, importância e relevância social, talvez, dando a entender, que ela foi maior do que realmente pode ter sido. Evidentemente, na visão dos fatos, que havia corrupção praticada por parte dos fiscais, havia. Pode ter problemas em alguns frigoríficos? Pode. Agora, se isso foi um problema sistêmico, não ouvi os colegas da operação falando isso. Mas, quando se coloca que foi a maior operação da história da polícia, leva ao entendimento que é algo muito maior que pode ser na prática. Então, acho que nesse ponto, em particular, pode ter sido um erro de comunicação. Não que operação não devesse ocorrer, deveria e ocorreu. Fiscais serão investigados. Há uma crise sistêmica? Pelo menos do que foi divulgado na operação, ninguém afirmou nesse sentido.

Foi um erro, então, de comunicação, com relação à dimensão da operação e não ao conteúdo?

O que eu acompanhei foi pela imprensa, não faço parte da investigação. É que foi divulgado, e nós temos sempre dois direitos. O da sociedade ter a informação e o sigilo das informações. São direitos que temos que compatibilizar. É muito complicado levar informação sem ofender direitos dos investigados. Nós vimos a divulgação da operação informando que houve prisões e que alguns frigoríficos estavam sendo, realmente, objetos da operação e, ao ser divulgado, quando a mídia repercutiu, aliado ao fato de que a comunicação informou como sendo a maior operação da história, gerou então que, se é a maior operação da história, logo, há uma crise sistêmica e isso foi um estopim para, quem acompanhou distante, que havia uma crise.

Algo pode ser feito para reparar isso?

Sempre é possível explicar. Uma informação se corrige com mais informação. Agora é ter mais transparência. Divulgar de forma clara os números, as quantidades. Explicar os fatos, evidentemente, mantendo o sigilo do que ainda precisa ser mantido. E, realmente, se for uma crise sistêmica, divulgar como tal. Se não for, precisa ser dito, com muita transparência, que foi pontual. A informação precisa ser clara e direta.

A operação poderia ter sido deflagrada antes?

Eu não tenho detalhes da investigação. É muito difícil para quem está de fora falar o momento certo de deflagrar. O que normalmente acontece é que, quando há um fato que coloca em risco a vida de pessoas, de alguma forma, nós agimos para não comprometer a investigação, mas também para que isto não chegue ao consumidor ou à pessoa. Você alia, por exemplo, se está investigando o crime organizado, que se agir naquele momento não vai prender a quadrilha, mas se não agir, alguém pode morrer. De algumas formas, procuramos evitar que aquilo aconteça, sem que a investigação seja publicizada. Do que eu vi, quando havia risco de algum produto chegar ao consumidor, algumas medidas eram acionadas para evitar isso. Então, se segue com a investigação, mas não permite que a saúde seja prejudicada. É comum em operações dessa envergadura.

A polícia ainda fala que há mais detalhes a serem informados. Esses detalhes podem justificar o alarde da operação?

Seria uma irresponsabilidade, um chute, da minha parte presumir que há interceptações, algo comprometedor, porque pode ser que não tenha. Enfim, eu não teria condições de afirmar o que há na investigação. O que sei é que, no momento em que se deflagra a operação, aquele material se torna público para os investigados. Então o que havia ali nos autos até aquele momento, vai ser de conhecimento dos investigados, até por conta da defesa. O que há de coletado, vai ser informado. 

Leia também:
Colombo vai se reunir com Temer para falar sobre Carne Fraca

Repercussão da Operação Carne Fraca gera atrito entre PF e governo

Embargo a frangos e suínos preocupa a cadeia logística e portuária em Itajaí e Navegantes

 Sob ameaça de importadores, entidades do Estado tentam conter efeito da Operação Carne Fraca

Embaixadas de China e Coreia do Sul pedem informações sobre a produção de carne em SC

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaIsrael ataca posições do governo sírio em resposta a disparos https://t.co/imyDvJPGAN #LeiaNoSantahá 1 minutoRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaGoverno italiano aprova resgate de até EUR 17 bilhões para dois bancos https://t.co/HeyZ8HFMSu #LeiaNoSantahá 1 minutoRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros