Florianópolis tem o menor índice de obesos entre as capitais brasileiras - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Saúde17/04/2017 | 18h03Atualizada em 17/04/2017 | 21h18

Florianópolis tem o menor índice de obesos entre as capitais brasileiras

Na Capital catarinense, 14,5% das pessoas com mais de 18 anos estão obesas, aponta pesquisa do Ministério da Saúde, e 48,8% têm sobrepeso

Florianópolis tem o menor índice de obesos entre as capitais brasileiras Leo Munhoz/Agencia RBS
Alimentação saudável impacta neste resultado, apontam especialistas Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

Florianópolis tem o menor percentual de obesos entre as capitais brasileiras. Mas o número está longe de ser positivo: 14,5% dos adultos florianopolitanos estão nessa classificação. A Capital registrou uma pequena melhora em relação 2015, quando ocupava a sexta colocação, com 15,7%.

Em 10 anos, a prevalência da obesidade no país passou de 11,8%, em 2006, para 18,9% em 2016, atingindo quase um em cada cinco brasileiros. Em Florianópolis, saltou de 9,8% para 14,5% neste período.

Leia também:
Florianópolis é a terceira capital com mais pessoas que admitem dirigir após ingerir bebida alcoólica

Mais da metade dos brasileiros está acima do peso, diz Ministério da Saúde

Pesquisa revela que diabetes no Brasil cresceu 61,8% em 10 anos

Os dados divulgados nesta segunda-feira fazem parte da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizada pelo Ministério da Saúde em todas as capitais. O resultado reflete respostas de entrevistas realizadas de fevereiro a dezembro de 2016 com 53.210 pessoas com mais de 18 anos.

Quando o assunto é sobrepeso, a situação também preocupa. Pouco menos da metade (48,8%) dos moradores de Florianópolis estão acima do peso. No país, o cenário é ainda pior: 53,8%. A Vigitel diferencia excesso de peso ou sobrepeso de obesidade. 

A pessoa com sobrepeso tem índice de massa corporal (IMC) igual ou maior que 25 quilos por metro quadrado (o cálculo é feito com o resultado da multiplicação da altura por ela mesma, divido pelo peso corporal). Já a obesidade implica IMC igual ou superior a 30 (kg/m2).

A nutricionista Fabiane Miranda Lima, membro do Conselho Regional de Nutricionistas de SC, diz que nas últimas décadas, a industrialização do alimento e o aumento de consumo de açúcares, gorduras e farinhas refinadas explicam a alta taxa de obesidade e sobrepeso na população. 

— O problema está relacionado ao aumento do risco de doenças cardíacas, hipertensão e diabetes, que são doenças relacionadas diretamente ao sobrepeso e obesidade. 

Os índices de Florianópolis, que estão melhores que o restante do país, podem estar relacionados à atividade física e à alimentação saudável. A capital catarinense ocupa o terceiro lugar com a melhor taxa de atividade física no deslocamento: 16,2% se dirigem ao trabalho ou à escola de bicicleta ou caminhando e gastam pelo menos 30 minutos diários no percurso de ida e volta. 

A cidade só fica atrás de Rio de Janeiro (17,1%) e São Paulo (16,9%). Mas houve queda entre aqueles que praticam atividade física no tempo livre. Na Capital catarinense, 42,1% praticam exercícios físicos regularmente. Em 2015, essa taxa era de 47,6%.

O município também se destaca em consumo de frutas e hortaliças dentro do recomendado. Quase um em cada três moradores de Florianópolis (29,3%) consomem esses itens em cinco ou mais dias da semana. 

Fabiane reforça que principalmente na região de Florianópolis, que tem mais acesso a informações, há uma corrente forte na busca de alimentos mais naturais e menos processados. Além disso, a cidade tem um apelo maior à prática de atividades físicas, com espaços para esportes e até pelas praias, que incentivam os exercícios. Mas só isso não basta. Para a especialista, é fundamental trabalhar com a educação nutricional das crianças, já que hábitos adquiridos nesta fase interferem na fase adulta.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, destacou que a pasta tem priorizado o combate à obesidade com uma série de políticas públicas, como Guia Alimentar para População Brasileira

— A alimentação saudável aliada a prática de atividade física nos ajudará a reduzir a incidência de doenças como diabetes e hipertensão na população – declarou.

A secretaria de Saúde de Florianópolis informou em nota que não há programas específicos para combate à obesidade, por exemplo, mas trabalhos transversais e prevenção e de promoção à saúde, envolvendo os profissionais do Núcleo de Apoio à Saúde da Família, tanto de nutrição quanto de educação física.

Na área das atividades físicas, os centros de saúde oferecem grupos de incentivo, como caminhadas e exercícios físicos para diversos grupos.

O levantamento também traz dados como consumo de bebidas alcoólicas. Florianópolis, por exemplo, aparece em terceiro lugar com a maior taxa de pessoas que dirigem depois de beber (12,9%) entre as capitais brasileiras. No Brasil essa taxa é de 7,3%. A Capital, em 2015, ocupava primeiro lugar com pior média (13%). 

Leia também:
Florianópolis é a terceira capital com mais pessoas que admitem dirigir após ingerir bebida alcoólica

Mais da metade dos brasileiros está acima do peso, diz Ministério da Saúde

Pesquisa revela que diabetes no Brasil cresceu 61,8% em 10 anos

Conheça o VSR, vírus que é a principal causa de internação dos prematuros

Vacinação contra a gripe começa nesta segunda-feira em SC

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaAgonia no mangue: poluição ameaça ecossistema da Baía da Babitonga https://t.co/KXZPGTWNtQ #LeiaNoSantahá 6 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaOktoberfest se consolida como evento que impulsiona a roda do turismo em Blumenau https://t.co/kMUzV6KdDW #LeiaNoSantahá 6 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca