Um em cada três brasileiros consome frutas e hortaliças regularmente, revela pesquisa - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Alimentação18/04/2017 | 08h50Atualizada em 18/04/2017 | 08h50

Um em cada três brasileiros consome frutas e hortaliças regularmente, revela pesquisa

Consumo de refrigerantes e sucos artificiais caiu nos últimos nove anos

Um em cada três brasileiros consome frutas e hortaliças regularmente, revela pesquisa sxu.hu/Divulgação
Foto: sxu.hu / Divulgação
Agência Brasil
Agência Brasil

O consumo regular de frutas e hortaliças aumentou no país nos últimos oito anos, passando de 33% em 2008 para 35,2% em 2016, segundo dados divulgados na segunda-feira pelo Ministério da Saúde. Ainda assim, apenas um em cada três adultos brasileiros consome esse tipo de alimento em pelo menos cinco dos sete dias da semana.

A pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) revela ainda que os hábitos, nesse caso, são melhores entre as mulheres - o consumo regular de frutas e hortaliças no grupo passou de 38,6% para 40,7% no período - do que entre homens, cujos percentuais passaram de 26,4% para 28,8%.

Leia mais:
Mais da metade dos brasileiros está acima do peso
Estudo mostra que obesidade atinge quase 9% dos adolescentes brasileiros

Feijão
Ainda de acordo com o estudo, o consumo regular de feijão entre os brasileiros caiu nos últimos quatro anos, passando de 67,5% em 2012 para 61,3% em 2016. Entre os homens, o índice passou de 74,2% para 67,9% no período e, entre as mulheres, de 61,7% para 55,7%.

Refrigerantes e sucos artificiais
O consumo regular de refrigerantes e sucos artificiais também caiu entre a população brasileira nos últimos nove anos, passando de 30,9% em 2007 para 16,5% em 2016. Entre os homens, o índice passou de 35,7% para 19,6% no período e, entre as mulheres, de 26,9% para 13,9%.

Atividade física
O levantamento também aponta que a prática de atividades físicas no tempo livre do brasileiro aumentou nos últimos sete anos. Em 2009, o indicador era de 30,3% e, em 2016, de 37,6%. A prevalência, segundo o ministério, diminui com a idade, sendo mais frequente entre jovens de 18 a 24 anos (52%) e menos frequente entre pessoas com 65 anos ou mais (22%).

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaFalência da Oi poderia comprometer serviços em mais de 2 mil cidades https://t.co/Rc6Vi5EJ6f #LeiaNoSantahá 1 horaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaHomem, mulher e criança queimados na Itoupava Central estão internados em estado grave https://t.co/A005G2i4xa #LeiaNoSantahá 2 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros