Vice-presidente dos EUA adverte Coreia do Norte a não testar "a determinação" de Trump - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Recado direto17/04/2017 | 07h51Atualizada em 17/04/2017 | 07h52

Vice-presidente dos EUA adverte Coreia do Norte a não testar "a determinação" de Trump

Mike Pence fez referência aos recentes ataques norte-americanos contra uma base área, na Síria, e contra um reduto do Estado Islâmico, no Afeganistão

Vice-presidente dos EUA adverte Coreia do Norte a não testar "a determinação" de Trump JUNG YEON-JE/AFP
Na Coreia do Sul desde o domingo, Mike Pence visitou a fronteira entre as duas Coreias, nesta segunda-feira Foto: JUNG YEON-JE / AFP
AFP
AFP

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, recomendou que a Coreia do Norte não teste a "determinação" do presidente norte-americano Donald Trump em relação ao programas balísticos e nucleares de Pyongyang. Segundo Pence, o regime norte-coreano "faria bem" em não colocar em teste "a potência das Forças Armadas dos Estados Unidos" na região da península coreana.

— Nas últimas duas semanas, o mundo testemunhou a força e a resolução de nosso novo presidente durante operações que aconteceram na Síria e no Afeganistão — afirmou Pence, em referência ao bombardeio americano contra uma base aérea do regime sírio e ao lançamento de uma superbomba contra jihadistas, no Afeganistão.

Leia mais
Presidente da China defende "solução pela via pacífica" com a Coreia do Norte
Coreia do Sul, Japão e EUA iniciam exercícios navais contra ameaça
Ex-presidente da Coreia do Sul é indiciada por abuso de poder e suborno

Trump já havia anunciado o envio à península coreana do porta-aviões Carl Vinson, escoltado por três navios lança-mísseis. O número dois do regime norte-coreano respondeu, no sábado, que o país estava pronto para "responder a uma guerra total com uma guerra total" e "a qualquer ataque nuclear com um ataque nuclear a nossa maneira".

Mike Pence chegou à Coreia do Sul no domingo, e visitou, nesta segunda-feira, a fronteira entre as duas Coreias, uma das zonas mais militarizadas do planeta. Durante a visita a Panmunjon, vice-presidente americano afirmou que Washington não descarta nenhuma opção em relação ao regime norte-coreano.

Washington quer instalar a segurança "por meios pacíficos, mediante negociações. Mas todas as opções estão sobre a mesa e continuamos ao lado do povo da Coreia do Sul", afirmou na localidade em que foi assinado o cessar-fogo em 1953.

Pence: "A era da paciência estratégica acabou"

Pence prometeu reprimir duramente qualquer articulação militar da Coreia do Norte e fez um apelo à comunidade internacional para que pressione o regime comandado por Kim Jong-un.

— Aniquilaremos qualquer ataque e apresentaremos uma resposta esmagadora e eficaz ante qualquer uso de armas convencionais ou nucleares — afirmou. — Os Estados Unidos estão preocupados com as represálias econômicas da China contra a Coreia do Sul, depois que esta adotou medidas apropriadas de defesa — disse Pence.

A declaração foi uma referência às medidas adotadas por Pequim em resposta ao envio do escudo antimísseis americano THAAD à Coreia do Sul. Washington e Seul desejam acelerar a instalação do escudo.

Pequim, irritada com a instalação de um dispositivo americano nas proximidades de seu território, que considera uma ameaça a seus interesses, forçou o fechamento de dezenas de lojas sul-coreanas na China. Para Seul, a medida é uma represália ao THAAD.

Leia as últimas notícias de Mundo

*AFP

 
 
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros