Em campanha, Theresa May promete reduzir migração para o Reino Unido - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Eleições gerais08/05/2017 | 11h33Atualizada em 08/05/2017 | 11h41

Em campanha, Theresa May promete reduzir migração para o Reino Unido

Primeira-ministra afirmou que pretende limitar a entrada de estrangeiros na Grã-Bretanha "a níveis sustentáveis"

Em campanha, Theresa May promete reduzir migração para o Reino Unido STEFAN ROUSSEAU/AFP
May participa de evento de campanha no bairro londrino de Harrow Foto: STEFAN ROUSSEAU / AFP
Agência Brasil
Agência Brasil

A primeira-ministra britânica, Theresa May, se comprometeu nesta segunda-feira (8) a incluir dentro do programa eleitoral do Partido Conservador de 2017, que será publicado na próxima semana, o compromisso de reduzir a migração líquida a "dezenas de milhares" de pessoas.

Em um discurso de campanha feito em Londres às vésperas das eleições gerais de 8 de junho, May destacou a importância de atingir o objetivo em razão da pressão que a imigração vem causando sobre os serviços públicos britânicos.

— Acredito que é importante que continuemos, e continuaremos, dizendo que queremos fazer a migração líquida chegar a níveis sustentáveis — argumentou May.

Leia mais
Brexit é "uma tragédia", diz presidente da Comissão Europeia
Maioria dos britânicos lamenta o Brexit, aponta pesquisa
Negociação do Brexit iniciará após as eleições no Reino Unido

A dirigente conservadora considerou que um nível sustentável situaria a cifra da migração líquida no Reino Unido em "dezenas de milhares" de pessoas.

— Certamente, uma vez que deixemos a União Europeia (UE), teremos a oportunidade de assegurar que temos o controle de nossas fronteiras no Reino Unido, porque poderemos estabelecer nossas regras — disse.

Segundo May, "essa é uma parte que não pudemos controlar antes e que poderemos controlar", uma vez que este país se desvincular do resto dos 27.

— Deixar a UE faz com que já não haja livre circulação como no passado — insistiu.

A primeira-ministra convocou inesperadamente eleições gerais antecipadas para 8 de junho — ao invés de esperar até 2020, a próxima reunião eleitoral prevista — com o argumento de que este país precisa de uma liderança sólida em relação com as negociações com Bruxelas.

— Um voto a meu favor e de minha equipe é um voto para assegurar uma liderança sólida e estável perante o brexit e além — afirmou a primeira-ministra, ao mesmo tempo que disse que uma vitória se traduziria em "segurança econômica para todo o país".

Leia as últimas notícias de Mundo

*Agência Brasil

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaOpositores venezuelanos bloqueiam ruas em repúdio a morte de manifestante https://t.co/meRU0OhU4c #LeiaNoSantahá 22 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaLibertação de jornalistas na Colômbia foi anunciada por erro https://t.co/Gi9FGJkPFV #LeiaNoSantahá 42 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros