Primeiro-ministro irlandês anuncia que irá renunciar - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Em comunicado17/05/2017 | 13h06Atualizada em 17/05/2017 | 14h52

Primeiro-ministro irlandês anuncia que irá renunciar

Enda Kenny decidiu não mais liderar o partido Fine Gael, abrindo assim o processo para eleger um novo chefe de governo no início de junho

Primeiro-ministro irlandês anuncia que irá renunciar JOHN THYS/AFP
Enda Kenny é chefe de Estado da Irlanda desde 2011 Foto: JOHN THYS / AFP
AFP
AFP

O primeiro-ministro irlandês, Enda Kenny, anunciou nesta quarta-feira que à meia-noite deixará a liderança do seu partido, Fine Gael, abrindo assim o processo para eleger um novo chefe de governo no início de junho.

"No ano passado declarei que não iria liderar o Fine Gael nas próximas eleições. Decidi colocar em prática esta decisão", afirmou Kenny, de 66 anos, em um comunicado.

Leia mais
Brexit obrigará mudança no acordo de paz da Irlanda do Norte, diz Blair

Kenny chegou ao poder em 2011 e liderou o país após a crise financeira de 2008. Apesar de ter sido reeleito em 2016, não conseguiu a maioria absoluta e se viu obrigado a contar com o apoio da oposição para governar. Além disso, o premiê sempre assegurou que não buscaria um terceiro mandato, mas sua saída foi precipitada pelas críticas a sua gestão de um escândalo na polícia.

"Quero assegurar que durante este processo interno, vou continuar cumprindo com os meus deveres e responsabilidades", afirmou Kenny, que estava há 15 anos à frente do Fine Gael.

Dois candidatos declararam interesse em substituir o atual premiê: Leo Varadkar, ministro da Proteção Social de 38 anos, e Simon Coveney, de 44 anos atualmente à frente da pasta da Habitação.

Kenny entra para a história irlandesa por ser o primeiro-ministro que administrou a ajuda enviada pelas instituições internacionais para evitar a falência do seu país, atingido pelo estouro da bolha imobiliária e consequente colapso do sistema bancário.

O político chegou ao poder em 2011, um ano depois de Dublin concordar em receber 67,5 bilhões de euros da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Embora tenha conquistado um segundo mandato em 2016 — sendo o seu partido o mais votado — perdeu muitos deputados e precisou de mais de dois meses para formar um governo.

Os irlandeses demonstraram assim sua indignação por não sentirem os efeitos da recuperação da economia, apesar de um crescimento de 7% do PIB em 2015 e um declínio acentuado do desemprego para 9%.

Leia mais notícias de Mundo

*AFP

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaDeputados do PSD apresentam emendas que aumentam despesas públicas https://t.co/iCmxBLKhNH #LeiaNoSantahá 59 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaEmpresário de Itapema é preso por sonegação de R$ 6,5 milhões em impostos https://t.co/13IJ9NrxIW #LeiaNoSantahá 5 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
Imprimir