Trump exige que ex-diretor do FBI não revele conversas com o presidente - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Estados Unidos12/05/2017 | 12h53Atualizada em 12/05/2017 | 12h58

Trump exige que ex-diretor do FBI não revele conversas com o presidente

Pelo Twitter, o republicano impôs que James Comey não entregue à imprensa possíveis gravações de diálogos entre eles 

Trump exige que ex-diretor do FBI não revele conversas com o presidente Alex Wong/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP
Foto: Alex Wong / GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP
AFP
AFP

Pelo Twitter, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, exigiu que o ex-diretor do FBI, James Comey, não revele gravações de conversas com o republicano. Comey foi exonerado da chefia da polícia federal norte-americana na última terça-feira (9) em decisão que provocou polêmica no país.

"James Comey melhor que não haja 'fitas' de nossas conversas antes que comece a vazar para a imprensa!", escreveu Trump, nesta sexta-feira (12), em uma série de tuítes matinais em que atacou críticos e a imprensa pelas reações à demissão de Comey.

Leia mais
Trump admite que perguntou a ex-diretor do FBI se estava sendo investigado
Demissão do diretor do FBI é "assunto interno" dos EUA, diz porta-voz russo
Rodrigo Lopes: Trump tenta cortar o mal pela raiz ao demitir diretor do FBI

Desde a demissão de Comey, o presidente republicano vem sofrendo críticas — principalmente da oposição democrata. O temor é de que a demissão provoque uma desestabilização da polícia federal dos Estados Unidos, e mais amplamente da Justiça, da qual o FBI é dependente.

O tuíte de Trump fez recordar o sistema implementado pelo presidente Richard Nixon (1961-1974), que gravava as conversas telefônicas e na Casa Branca com interlocutores, hábito que se voltou contra ele no escândalo Watergate.

Na imprensa norte-americana, fontes anônimas na Casa Branca descreveram um ambiente confuso e de tensão nos últimos dias, com a versão oficial do afastamento ganhando versões cada vez mais pessoais.

Inicialmente, a razão oficial dada para a demissão de Comey foi o comportamento do ex-diretor do FBI no final da investigação sobre os emails da ex-secretário de Estado e ex-candidata democrata Hillary Clinton, em 2016. Comey foi criticado por ter realizado uma coletiva de imprensa e, depois, ter anunciado a retomada das investigações poucos dias antes da eleição presidencial.

A Casa Branca garantiu que o afastamento nada tinha a ver com a investigação em curso do FBI sobre o suposto conluio entre membros da equipe de campanha de Donald Trump e a Rússia.

Comey permanece em silêncio

Na quinta-feira (11), Trump declarou à NBC que sempre teve a intenção de demitir Comey da chefia do FBI, o que contradiz a informação da Casa Branca de que o presidente agiu por recomendação de altos funcionários da Justiça.

— Quando me decidi, disse a mim mesmo: "esse negócio com a Rússia, Trump e a Rússia, é uma história inventada" — explicou.

Há meses, o presidente republicano vinha se mostrando incomodado com o fato de ter o próprio nome mencionado na investigação, insistindo não haver provas de conluio e acusando a mídia de alimentar artificialmente o caso ao invés de dar atenção a questões econômicas ou de segurança.

Segundo o próprio Trump, ele pediu diretamente a James Comey, em conversas por telefone, que confirmasse que não era alvo da investigação. O grau de descontentamento do 45º presidente americano era claro em seus tuítes nesta sexta-feira.

"Mais uma vez, a história de conluio entre os russos e a campanha Trump foi inventada pelos democratas como um pretexto para justificar sua derrota na eleição", ressaltou.

Além de apurar uma suposta associação entre a equipe de Trump e russos para interferir na eleição norte-americana, o FBI investiga a atuação de hackers russos durante a campanha.

Seis oficiais da inteligência americana, dois dos quais foram nomeados por Trump, reafirmaram, na quinta-feira (11), que a Rússia havia tentado influenciar as eleições americanas. Além disso, o chefe interino do FBI, Andrew McCabe, declarou ainda que a investigação russa era da maior importância.

Por enquanto, a base republicana se mantém no Congresso, onde a oposição democrata permanece isolada. No entanto, dezenas de republicanos expressaram desconforto e criticaram o tom do presidente, defendendo o ex-diretor do FBI. Aliados ainda pediram a criação de uma comissão independente de inquérito sobre a Rússia.

Comey ainda não falou publicamente desde a demissão. Ele foi convidado a se explicar ao Senado na próxima terça-feira (16), mas, se aceitar, a reunião será realizada à portas fechadas.

Leia as últimas notícias de Mundo

*AFP

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaKassab participa de encontro de secretários de tecnologia em Florianópolis https://t.co/1vEad5AmTo #LeiaNoSantahá 11 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaPMDB quer filiar Salum e Gui Pereira para concorrerem a deputado federal https://t.co/Q2cE44dQNH #LeiaNoSantahá 2 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca