Colômbia busca autores do atentado que deixou três mortos em Bogotá - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Investigação18/06/2017 | 11h32Atualizada em 19/06/2017 | 10h46

Colômbia busca autores do atentado que deixou três mortos em Bogotá

Ataque com bomba ocorreu a três dias do desarmamento das Farc

Colômbia busca autores do atentado que deixou três mortos em Bogotá Raul ARBOLEDA/AFP
Colombianos prestam homenagem, no domingo (18), às vítimas do atentado que deixou três mortos em Bogotá Foto: Raul ARBOLEDA / AFP
AFP
AFP

Autoridades colombianas seguem as buscas pelos autores do atentado em um shopping center de Bogotá, no sábado (17). A três dias do desarmamento da guerrilha das Farc, o ataque deixou três mortos e nove feridos.

— Realizaremos um Conselho de Segurança para avaliar os passos adicionais que permitam garantir a tranquilidade de Bogotá — declarou o presidente Juan Manuel Santos, no domingo (18), no local da tragédia.

O atentado ocorreu no centro comercial Andino, situado na Zona Rosa da capital colombiana, local muito frequentado por estrangeiros.

Leia mais
Ataque terrorista deixa um morto e 10 feridos em frente a mesquita em Londres
OEA inicia assembleia em Cancún com olhar voltado para a Venezuela
Putin nomeia novo embaixador na Turquia após assassinato de diplomata

As primeiras investigações indicam que um artefato explodiu atrás de um vaso sanitário no banheiro feminino do centro comercial. Santos afirmou que ainda não há indícios claros de quem foi o responsável.

Um francesa de 23 anos e duas colombianas, de 31 e 41 anos, morreram devido aos ferimentos. Entre os nove feridos, há outra francesa em estado crítico.

Ataque a três dias do desarmamento

O atentado acontece no momento em que a guerrilha das Farc se prepara para a terceira e última fase da deposição de armas em 20 de junho, como parte do histórico acordo de paz assinado em novembro com o governo, que visa terminar com meio século de um conflito interno que deixou ao menos 260 mil mortos e 60 mil desaparecidos.

Nas últimas duas semanas, a guerrilha deixou 60% do arsenal em mão da missão das Nações Unidas na Colômbia, encarregada do processo. É um passo-chave para que 7 mil combatentes iniciem a transição para um movimento político e a vida civil.

Há o temor, no entanto, que o atentado no shopping possa prejudicar o processo de paz.

— Quem quer estragar a festa da paz não vai ter êxito, e tenham a absoluta segurança de que vamos perseguir esses inimigos da paz sem trégua — advertiu Santos.

O monsenhor Luis Augusto Castro, presidente da Conferência Episcopal colombiana, assegurou que o ataque pode ser "o golpe dos inimigos da paz que, de alguma maneira, querem que o ambiente continue sendo de guerra".

O chefe das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Rodrigo Londoño (conhecido como Timochenko), expressou, por sua vez, no Twitter, que o ataque "só pode vir de alguém que quer fechar os caminhos da paz e da reconciliação".

Por outro lado, o Exército de Libertação Nacional (ELN), única guerrilha ativa no país e negociando a paz com o governo desde fevereiro, condenou o atentado e assegurou que "há quem pretenda assim prejudicar os processos de paz".

O governo de Santos e o ELN, com 1,5 mil combatentes segundo cálculos oficiais, iniciaram diálogos de paz para superar meio século de conflito armado.

Para o analista Jorge Restrepo, diretor do centro de análises do conflito Cerac, o episódio de sábado é reflexo da polaridade que existe no país em relação à paz com as duas guerrilhas.

— Mesmo que não se saiba quem é o autor, é muito provável que o objetivo deste tipo de atentado terrorista é afetar as preferências dos cidadãos em termos desses processos de paz — avaliou.

Este é o segundo atentado de gravidade neste ano na capital colombiana. Em 19 de fevereiro, uma explosão perto da Praça dos Touros deixou um policial morto e 25 feridos, sendo dois civis. O ataque foi atribuído ao ELN.

A Colômbia vive um conflito armado de mais de meio século envolvendo guerrilheiros, paramilitares e agentes do Estado, que já deixou 260 mil mortos, 60 mil desaparecidos e 7,1 milhões de deslocados.

Leia mais notícias de Mundo

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCâmaras de Joinville e Chapecó lideram despesas com diárias em Santa Catarina  https://t.co/dKl5ARjuHg #LeiaNoSantahá 3 horas Retweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaMinistério Público investiga morte em operação do Bope, em Piçarras https://t.co/glCVrM49pb #LeiaNoSantahá 4 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca