Neste fim de semana ocorre a 40ª Festa do Colono, em Antônio Carlos, na Grande Florianópolis - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Homenagem aos agricultores21/07/2017 | 07h49Atualizada em 21/07/2017 | 07h49

Neste fim de semana ocorre a 40ª Festa do Colono, em Antônio Carlos, na Grande Florianópolis

Evento terá música e comida boa, escolha de rainha e desfile de máquinas agrícolas

Neste fim de semana ocorre a 40ª Festa do Colono, em Antônio Carlos, na Grande Florianópolis Betina Humeres/Agencia RBS
Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

O fim de semana terá uma programação especial na Grande Florianópolis. A cidade de Antônio Carlos, uma das maiores produtoras de hortifrúti da região, se prepara para receber milhares de pessoas para sua 40ª Festa do Colono.

O evento, organizado pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais da cidade, terá apresentações musicais gratuitas, escolha de rainha da festa, uma seleção deliciosa de comida caseira, e um desfile em que máquinas agrícolas são enfeitadas com legumes, frutas e flores. Tudo organizado e feito de forma voluntária pelos agricultores e moradores do município.

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

A festa, uma homenagem ao Dia do Colono, comemorado em 25 de julho, ainda estava em sua segunda edição quando o agricultor Elvis Bresen, de 38, nasceu. Em suas primeiras lembranças de infância, ela já se recorda de estar participando do evento, que mexe tanto com a cidadezinha da Grande Floripa.

— Meu pai já enfeitava as máquinas agrícolas para participar do desfile. Naquela época, só se chegava a Biguaçu de canoa. Para representar, então, ele colocou uma canoa atrás da tobata, e levou um monte de crianças. Só sei que eu estava lá dentro da canoa e era muito divertido — conta, rindo, o agricultor.

Até hoje ele e seus irmãos mantêm a tradição com suas respectivas famílias. Nesta semana, ele e a esposa, Elizete Costa Besen, 38, começaram a desenvolver uma ideia para o desfile. Eles fizeram uma mini-roda-gigante de madeira, que será puxada pelo trator. Nas cadeirinhas, vão colocar legumes em formas de bonecos. Na parte da frente do trator, acoplaram um carro que vai levar uma pequena canoa de madeira. E ali, possivelmente vai um de seus filhos, o Bruno, de sete anos. Ele e o irmão, Bernardo, de dez, estão ansiosos para o dia.

Assim como as demais 80 famílias, que irão participar com suas máquinas no desfile que ocorre no domingo pela manhã. As máquinas mais bonitas são premiadas com brindes no fim da festa. E a competição é forte, viu?

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

400 voluntários fazem a festa

De acordo com o voluntário e um dos organizadores do evento, Wilson José Garcia, entre os agricultores que participam do desfile e os demais que ajudam na organização, no preparo da comida e nas vendas dos produtos no dia do evento, são cerca de 400 pessoas que trabalham gratuitamente em prol da Festa do Colono.

— Vale a pena, porque é algo que ajuda a comunidade, que valoriza o trabalho do produtor local. Todo mundo aguarda por este fim de semana — explica o organizador.

Quem também comemora os 40 anos da festa neste ano, participando de cerca de 30 delas, é a aposentada Maria Luzia de Souza Lopes, de 70 anos. Ela e o marido faziam parte da diretoria do sindicato e sempre estiveram à frente como voluntários para fazer o evento acontecer. E segundo ela, todos os anos valeram a pena.

— Na semana anterior ajudo a fazer as bolachinhas, no dia ajudo a distribuir e vender os "sortidos" no almoço (acompanhamentos como arroz e batata) e na segunda-feira pós-festa estou aqui ajudando na limpeza — conta a voluntária.

A Festa do Colono ocorre no sábado à noite e durante o domingo. Todo o Centro de Antônio Carlos é mobilizado para o evento. A maior parte da festa ocorre no entorno da Praça Anchieta. O palco para as apresentações musicais fica ao lado do Clube Estrela Azul, na Rua João Antônio Besen. 

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Para dar muita fome

De férias da escola, Sofia Garcia de Souza, de apenas sete anos, fica chateada se sua avó, a "comandante" de cozinha Terezinha Pauli Garcia, 64, não a leva para o programa mais incrível que ela conhece: os preparativos para a Festa do Colono.Dona Terezinha organiza, durante a semana, a comilança. Ela sabe certinho quantos quilos de cada produto a equipe de voluntárias que faz a festa precisa para tirar as receitas típicas do papel.

Na última terça-feira, cerca de 20 mulheres (que até o dia da festa se transformam em cerca de 150 voluntárias somente na área da cozinha) faziam a rosca Santa Fé. Elas chegam a produzir cerca de 600 pacotinhos desta iguaria açucarada para vender. Sofia também fez sua parte: criou rosquinhas em forma de coração.

— É uma coisa comum aqui. Muitos voluntários estão aqui com seus filhos. Porque a festa é uma coisa que passou de geração para geração, e que queremos que continue assim — explicou Wilson Garcia, que é filho de dona Terezinha e tio de Sofia.

Já na quarta-feira, o grupo de cozinheiras focou no biscoito de chocolate, na bolacha de farofa, bolacha enfeitada e na broa. Tudo assado num forno à lenha. Ontem, foi a vez da confecção do pé de moleque e do cartucho, um doce com amendoim e açúcar, junto dos bolos — como de milho, fubá, e cenoura.

Nesta sexta, na véspera da festa, é dia de fazer a massa trançada — um pão que vai bem com nata ou queijo colonial. Elas também começam a temperar o prato mais popular da festa: o disputado frango com recheio alemão. Serão 1,2 mil peças de frango.

— A receita para o famoso recheio usa moela, cebola verde, noz moscada, farinha de rosca, ovo, e uma pitada de azeite, este, que pode ser trocado pelo molho do próprio frango. Fica até mais gostoso. O frango vai duas vezes ao forno. Primeiro, sem o recheio. Depois, ele é costurado para colocar o recheio, e vai mais uma vez pro forno. É demorado. Mas fica uma delícia — conta a voluntária Luzia Pauli Guesser, 66, que fica à frente do forno à lenha.

Também serão vendidos churrasco, maionese (em porção separada) e guarnições como arroz, batata e recheio extra. A salada e as leguminosas, mô quirido, são de graça para quem comprar alguma das carnes. E tudo com produtos que vieram fresquinhos das plantações da pequena cidade da Grande Florianópolis.

Ficou com fome? Nós também!

Programação:

22 de Julho (sábado)

18h: Abertura da festa com janta e venda de doces;
19h: Missa na Paróquia Sagrado Coração de Jesus;
20h: Show com Gente da Terra;
21h: Show gratuito com Fábio Dick e Ana Paula;
23h: Escolha da Rainha da Festa e Baile com João Luiz Correia & Grupo Camperismo, mais pista Alternativa com DJ's.

23 de Julho (domingo)
8h: Missa;
9h30min: Desfile de Máquinas Agrícolas pela Rua João Henrique Pauli, no entorno da Praça Anchieta;
11h: Show com de Moda de Viola de Dudu da Viola & Oliveira;
11h: No Palco Cultural, apresentação da Escola de Música de Antônio Carlos;
12h: Almoço Festivo com frango com recheio alemão e churrasco;
13h: Show com a Banda do Caneco;
14h45min: Sorteio e entrega de brindes aos participantes do desfile de máquinas;
15h: Mega Domingueira com Sorriso Lindo e Estação Fandangueira.

Leia todas as últimas notícias sobre a Grande Florianópolis


Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaBlog do Pancho: Corredor de ônibus e ciclofaixas serão implantadas na Rua Itajaí a partir de janeiro de 2018 https://t.co/XAI6cHo76hhá 1 horaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaHering é a única marca de SC entre as 25 brasileiras mais valiosas em 2017 https://t.co/KOe9RSaffd #LeiaNoSantahá 3 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca