Vai contratar um consórcio? Não erre na escolha - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Segurança24/07/2017 | 05h37Atualizada em 24/07/2017 | 05h37

Vai contratar um consórcio? Não erre na escolha

Forma de programar a compra de um imóvel, fugindo dos tradicionais juros de um parcelamento, exige atenção do consumidor

Vai contratar um consórcio? Não erre na escolha Miro de Souza/Agencia RBS
Faça um planejamento financeiro antes de entrar em um grupo de consórcio. Essa medida evita imprevistos financeiros Foto: Miro de Souza / Agencia RBS
Claudia Chiquitelli

Uma boa forma de programar a compra de um imóvel é através do consórcio. A modalidade cresce em meio à crise por oferecer taxas menores do que os financiamentos bancários, garantia de entrega do bem e facilidade de pagamento. Entretanto, assim como qualquer forma de negociação, lidar com consórcio exige atenção para não trazer problemas ao consumidor.

Leia também:
Veja vantagens e desvantagens de comprar por meio de consórcios, que cresceram 7,8% neste ano

A VivaReal, plataforma digital de imóveis, listou oito erros que devem ser evitados durante o contrato, para dar segurança para o comprador. Confira!

1. Não conhecer a administradora

Atraídas por propostas aparentemente vantajosas, muitas pessoas contratam um consórcio sem ao menos pesquisar a idoneidade da administradora. Isso é perigoso porque deixa os consumidores sujeitos a negociações duvidosas e sem qualquer garantia de retorno do investimento.

Felizmente, é possível encontrar representantes de confiança a partir de uma breve pesquisa de mercado. Para isso, você pode verificar a credibilidade da administradora em sites de avaliação de serviços e em órgãos de proteção ao consumidor. Além de considerar depoimentos de outros consumidores, certifique-se de que a administradora tem autorização do Banco Central para executar operações de consórcio.

2. Contar somente com promessas

A fim de conseguir mais clientes, uma administradora de consórcio pode tentar te atrair com promessas pouco realistas. Antes de concordar com o negócio, avalie o contrato para saber como funcionará cada etapa e não cair em conversa fiada.

Não acredite em vendedor que garante a contemplação por sorteio em tempo curto. Considere que, com exceção de quem dá um lance, todos os consorciados estarão concorrendo em total igualdade de condições. Logo, é impossível prever a data em que cada pessoa receberá sua carta de crédito.

3. Atrasar o pagamento das parcelas

Quem busca o consórcio como opção para comprar bens e serviços sabe que a ausência de juros sobre as parcelas é uma grande vantagem. Porém, esse benefício se perde quando o participante se descompromete e não cumpre com o prazo estabelecido para o pagamento das prestações.

Nessas condições, o prejuízo pode surgir tanto para o participante inadimplente (na forma de multa) quanto para o grupo inteiro (com o aumento da taxa de reserva a ser paga). Nos casos mais graves, em que o atraso se torna um hábito frequente, o consorciado pode até ser expulso do grupo e vir a receber seu dinheiro somente após o término daquele consórcio.

4. Ter pressa para obter a carta de crédito

Quem contrata consórcio precisa estar ciente de que esse tipo de investimento costuma ter resultados a longo prazo. Sendo assim, não é indicado para pessoas que precisam comprar bens ou serviços com urgência. A maioria das contemplações é feita a partir de sorteio entre os participantes, ou seja, nem todos terão a chance de receber a carta nos primeiros meses.

Aqueles que apostam em um bom lance como forma de obter o crédito antes do tempo também precisam considerar a possibilidade de outros participantes oferecerem um valor superior ao seu. Como nada é garantido, ter paciência durante todo o processo é fundamental para evitar desapontamentos.

5. Contratar um consórcio sem planejamento

Quem opta por contratar um consórcio geralmente o faz para obter bens e serviços de alto valor. Consequentemente, o tempo de pagamento da cota tende a durar alguns anos até que todos os participantes sejam contemplados com o benefício da carta de crédito. Para aqueles que ignoram o fato, as chances de comprometer as finanças pessoais e cair em dívidas é maior.

Se você quer uma negociação mais segura, faça um planejamento financeiro antes de entrar em um grupo de consórcio. Assim, a escolha da cota poderá ser baseada nas condições da renda familiar e facilitar o pagamento das prestações. Quanto menores forem os imprevistos financeiros, maiores as chances de chegar ao término do consórcio e conquistar a sua carta.

6. Faltar às assembleias de grupo

Estar presente nas assembleias de grupo de consórcio é um dever e direito de cada participante. Ainda assim, é comum ver pessoas deixando esse encontro tão importante de lado. O problema é que faltar rotineiramente pode deixar o consorciado desinformado acerca das movimentações financeiras, obrigações e responsabilidades dos participantes e da administradora.

Além de propiciar o acompanhamento das questões burocráticas e o contato com documentos importantes do sistema de consórcio, uma assembleia pode ser o momento ideal para conhecer ótimas oportunidades de contemplação. Sabendo disso, faça um esforço para participar ativamente das discussões e valorizar seu investimento.

7. Ignorar o valor das taxas

Ainda que um consórcio não cobre juros sobre as parcelas de investimento, sua operação envolve custos que devem ser considerados por pessoas interessadas em obter uma cota no sistema. Para intermediar as negociações do grupo, é necessário que os consorciados paguem uma taxa administrativa à empresa que os representa.

Além disso, muitas administradoras cobram taxas para garantir um fundo de reserva ao grupo de consórcio. Para um participante que tem conhecimento de cada valor cobrado e suas porcentagens, o custeio não se torna um problema. Se você quer evitar imprevistos, se informe com antecedência para incluir todas as taxas nas previsões do seu planejamento financeiro.

8. Não acompanhar os reajustes

O fato de um consórcio não envolver juros não significa que o valor das parcelas será sempre fixo. Isso porque, conforme o tipo de bem ou serviço a ser adquirido, o valor da prestação terá influência de determinados reajustes. O reajuste é necessário para que a carta de crédito não perca o seu valor de compra no mercado.

Um exemplo: os grupos de consórcio para compra de imóvel têm parcelas reajustadas anualmente pelo Índice Nacional de Custo de Construção. Somado a isso, é possível que a administradora também aumente o valor de algumas taxas para garantir recursos ao fundo de reserva. A vantagem é que, considerando a existência de todas essas variáveis, você se prepara com antecedência para pagar parcelas dentro do prazo sem que isso pese no bolso.

A conquista de um bem pode gerar grande ansiedade, especialmente quando se trata de algo importante para toda a família. Por esse motivo, é importante dispor de tempo para fazer pesquisas e tomar suas decisões com uma boa base de informações. Tenha paciência e garanta que a missão de contratar um consórcio seja simples e livre de dores de cabeça. 

Leia também:
Veja vantagens e desvantagens de comprar por meio de consórcios, que cresceram 7,8% neste ano

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaConcurso da realeza da 35ª Oktoberfest é suspenso em Blumenau https://t.co/AQe1visSGF #LeiaNoSantahá 17 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaVÍDEO: Ana Paula Molverstet é eleita rainha da 35ª Oktoberfest de Blumenau https://t.co/RwebyK5vrM #LeiaNoSantahá 56 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros