Advogado de Blumenau que teve mensagens de ódio colados na frente de casa registra queixa na polícia - Geral - Jornal de Santa Catarina

Vers?o mobile

 
 

Preconceito27/09/2017 | 12h15Atualizada em 27/09/2017 | 14h06

Advogado de Blumenau que teve mensagens de ódio colados na frente de casa registra queixa na polícia

Investigação será conduzida de forma sigilosa 

Jornal de Santa Catarina
Jornal de Santa Catarina

O advogado blumenauense Marco Antônio André registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil de Blumenau sobre os cartazes colados na frente de casa e em um poste na rua onde mora no bairro Ponta Aguda. O material continha símbolos de um grupo supremacista norte-americano e fazia uma ameaça pelo fato de ele ser negro e praticante do candomblé.

André compareceu à delegacia na manhã desta quarta-feira para registrar o caso e informou que a investigação correrá em sigilo.

— Entramos em um acordo de que tem ser assim devido às abordagens que precisam ser feitas e a forma como isso vai ser investigado — diz, ressaltando que a polícia já busca imagens que possam ajudar a identificar os responsáveis pelas mensagens e também começa a mapear casos semelhantes na cidade.

Ele conta que se emocionou com as demonstrações de apoio que vem recebendo desde que a situação se tornou de conhecimento público, mas ressalta que é preciso ação para que atos de intolerância como este sejam combatidos.

Blumenau não é assim, não representa esse pensamento. Algumas minorias dentro de Blumenau têm esse pensamento, mas o descendente de alemão, de italiano e os negros que ajudaram a construir essa cidade são irmãos e não há um problema entre nós. O que há são pessoas e o poder público de fato, que não dá a visibilidade que o negro precisa ter na cidade — aponta, exemplificando com a falta de apoio institucional às manifestações culturais ligadas à negritude, como o Carnaval.

Discussão no Estado

Ainda nesta quarta-feira o coordenador do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros da Furb, Carlos Silva, e o ativista e integrante do Movimento de Consciência Negra de Blumenau Cisne Negro e do Coletivo LGBT Liberdade, Lenilso Silva, se reúnem com o secretário de Estado de Segurança Pública César Grubba em Florianópolis para protocolar uma denúncia e cobrar providências sobre o fato ocorrido com o advogado Marco Antônio André.

Segundo ele, manifestações racistas, homofóbicas e de intolerância religiosa já ocorreram de forma mais velada em Blumenau, mas acredita que o fortalecimento de grupos de extrema-direita em lugares como a Europa e os Estados Unidos contribuem para que os ataques sejam mais objetivos e direcionados, principalmente, a ativistas à frente de movimentos pela igualdade.

— Nós discutimos isso na universidade e recebemos com preocupação essas ocorrências, sobretudo com quem está na militância, na linha de frente. Fizeram na frente da casa dele, mas sabemos que também é direcionado para essas pessoas — destaca Carlos Silva. 

 
Jornal de Santa Catarina
Busca