Novo controle da merenda escolar da rede estadual gera reclamação de pais  - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Educação em SC19/09/2017 | 08h35Atualizada em 19/09/2017 | 08h36

Novo controle da merenda escolar da rede estadual gera reclamação de pais 

Escolas catarinenses estão trocando fichas por carteirinha com identificação digital

Novo controle da merenda escolar da rede estadual gera reclamação de pais  Diorgenes Pandini/Diário Catarinense
Aluno apresenta carteirinha, que é lida por um tablet, antes de receber a merenda Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense

Desde agosto, a Secretaria de Educação de Santa Catarina está digitalizando a distribuição da merenda escolar nas unidades de ensino com mais de 900 alunos. Até agora, 270 escolas já trocaram as velhas fichas por carteirinhas com leitor QR Code, o que totaliza cerca de 180 mil alunos. A mudança promete mais controle e economia para o Estado. No entanto, alguns pais reclamam do modelo.

O caso mais recente aconteceu na Escola Intendente José Fernandes, nos Ingleses, em Florianópolis. Tatiana Aparecida Fernandes, de 33 anos, reclama que a filha Caroline, de 7, foi impedida de receber o lanche, um copo de iogurte, biscoitos e banana, porque não estava com o documento.

— Eu não estava com a carteirinha, mas fui para a fila. Falei 'posso pegar uma fichinha' e não deixaram. Falaram que só com a carteirinha. Mandaram eu ficar sentada e me deram água. Eu fui de novo na fila e não deixaram — contou Caroline.

— Quando a irmã dela chegou, falou "vamos na fila de novo". Daí ela passou a carteirinha dela, já que cada criança pode repetir uma vez. Então a Caroline não ficou sem merenda porque a irmã dela emprestou a carteirinha — completou Tatiana. 

A versão no entanto é negada pela diretora da escola. Segundo Valquíria Maria Luvison, quando uma criança esquece o documento, o administrador pode passar uma espécie de carteirinha reserva, liberando a criança para o lanche.

— Em hipótese alguma foi negada comida para ela ou qualquer outro aluno. Nós não podemos fazer isso: a merenda é do aluno. E ela fez sinal negativo com a cabeça. Pode perguntar para qualquer outro aluno se foi negada alguma vez a comida.

 FLORIANOPOLIS, SC, BRASIL, 18.09.2017: Carol e sua mãe alegam que teriam tido a merenda recusada por apenas burocracia em Escola no bairro Ingleses do Rio Vermelho. A diretora da escola se defende e mostra que mesmo quando a criança esquece o cartão, um funcionário passa um cartao administrativo para liberar a merenda. (Foto: Diorgenes Pandini/Diário Catarinense)
Caroline esqueceu a carteirinha e diz que quase ficou sem a merendaFoto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense

Outra situação que gera desconforto é o preço a ser pago quando a criança perde o documento. Segundo a Secretaria de Educação, o preço para a confecção de uma nova é de R$ 5. Mas a diarista Ceni Rodrigues, de 34 anos, disse que pagou uma taxa de R$ 25 para a nova carteirinha da filha, que também se chama Caroline. E ainda teve que fazer um boletim de ocorrência.

No entanto, mesmo sem a carteirinha, a menina de 7 anos não foi impedida de lanchar no Instituto Estadual de Educação, onde estuda.

— A minha filha tinha perdido a carteirinha porque a gente estava fazendo mudança. Mas ela disse que as vezes que ela foi sem carteirinha não barrada. Só que isso é muita burocracia. Coloca os funcionários e a diretoria numa situação delicada. 

Digitalização trará economia de até 10%

Conforme a Secretaria de Educação, todas as escolas que estão aderindo à digitalização receberam tablets que fazem a leitura das carteirinhas, além de treinamento para operar o aparelho e o aplicativo. A expectativa do governo é economizar com alimentação em até 10% devido à precisão do sistema. A pasta admite que eventualmente falhas pontuais podem acontecer durante a adaptação, mas que tudo está sendo analisado.

Segundo o diretor de articulação com os municípios da Secretaria de Educação, Osmar Matiola, haverá mais informações sobre as refeições servidas.

— Se é um aluno tem restrição alimentar, é celíaco, por exemplo, o profissional será notificado. A gente pode fazer o acompanhamento nutricional dos alunos. Então é uma ferramenta muito importante para nós.

Outra vantagem, segundo Matiola, é que foram interligados os sistemas acadêmico e da contagem da alimentação escolar.

— Então é impossível se alimentar nessas escolas um aluno que não seja da rede estadual. 

 FLORIANOPOLIS, SC, BRASIL, 18.09.2017: Carol e sua mãe alegam que teriam tido a merenda recusada por apenas burocracia em Escola no bairro Ingleses do Rio Vermelho. A diretora da escola se defende e mostra que mesmo quando a criança esquece o cartão, um funcionário passa um cartao administrativo para liberar a merenda. (Foto: Diorgenes Pandini/Diário Catarinense)
Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense

Leia as últimas notícias do Santa

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPolo metal-mecânico de Blumenau começa a fabricar máquinas para cervejarias https://t.co/J33MLzsAMc #LeiaNoSantahá 12 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    Santa"A criminalidade está cada vez mais audaciosa, e isso é inquietante", diz titular da SSP https://t.co/Z7VX6cSi07 #LeiaNoSantahá 56 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca