Taxistas se negam a atender criança machucada porque seus pais chegaram de Uber ao hospital  - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Viviane Bevilacqua21/09/2017 | 13h59Atualizada em 21/09/2017 | 13h59

Taxistas se negam a atender criança machucada porque seus pais chegaram de Uber ao hospital 

Mãe narra no Facebook o desespero para conseguir alguém que levasse seu filho para outro hospital, já que os motoristas de táxi que estavam no ponto se recusaram

 

Foto: Leo Munhoz

Conhecem aquela história do feitiço que se vira contra o feiticeiro? Pois é justamente isso que está acontecendo em Florianópolis nesta guerra dos taxistas contra os motoristas de Uber. Cada dia os taxistas conseguem perder mais e mais clientes. E não é só pelo valor da corrida, não. É pela postura. Ou pela falta dela, melhor dizendo. Agora, chegaram ao absurdo de não querer transportar uma criança machucada, com a cabeça enfaixada, de um hospital para o outro, porque viram seus pais chegarem ao local em um carro de Uber. Dá para acreditar nisso? Pois foi verdade. Todos os taxistas agem assim? Claro que não. Mas, infelizmente, pega mal para a classe inteira. 

O caso aconteceu na terça-feira e está relatado em detalhes no Facebook de Laura Obst, de Florianópolis. Vou reproduzir um trecho: ''...O  Eric caiu. Bateu a cabeça e abriu um corte. Pedimos um Uber  e fomos para o hospital mais próximo (hospital Florianópolis). O Eric sangrando e eu com uma toalha pra tentar estancar o sangue. Não tinha cirurgião, e íamos ter que ficar esperando um mínimo de quatro horas (disse a moça da recepção). Saímos desesperados e não estávamos conseguindo chamar outro Uber pra ir até o centro. Pensamos em pegar um táxi. Perguntamos no ponto se estavam fazendo corrida e eles olharam e falaram ''pra vocês não''. Sem entender, com o Eric sangrando muito, perguntamos o porquê e eles só falaram ''vocês desceram de um Uber''. Eu estava chorando de desespero. E os taxistas negando um direito nosso, porque ''saímos de um Uber''. Apareceu  um terceiro taxista, perguntamos se ele não fazia a corrida, explicamos que o nosso filho estava sangrando muito e precisando ir até o centro, na Unimed. E ele disse: ''Pega com os caras do ponto''. Dissemos que eles não queriam nos atender porque descemos de um Uber. Então, ele disse: ''E vocês acham que estão certos?'', e foi embora. 

No final, o casal conseguiu uma carona com um jovem, que estava na frente do hospital e viu a cena toda, oferecendo-se então para levá-los. O nome dele é Derick. ''Não tenho palavras para agradecer esse anjo que nos ajudou'', diz Laura. Eric levou pontos, ficou em observação e depois foi liberado. Os pais _ assim como todas as pessoas de bem que leram o post dela no Facebook ou que lêem esta coluna agora _ ficaram estarrecidos e indignados. Negar atendimento a uma criança machucada porque seus pais chegaram de Uber? Chega a ser monstruoso.  Quem mais perde com isso, no final das contas? Os taxistas, claro, que vão vendo seus clientes migrarem dia a dia para o serviço disponibilizado por aplicativos. E com toda a razão. Como diz um amigo jornalista: Os bons motoristas de táxi que se sentem injustiçados devem ir até o seu sindicato, cooperativa ou associação e exigir a punição dos maus taxistas, que se negam a atender a população. Só assim vão conseguir resgatar a credibilidade da classe. Senão, vão continuar vendo seus clientes diminuirem dia após dia, como já vem acontecendo.  

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaFlorianópolis é hoje a sexta melhor cidade para se investir no Brasil https://t.co/10DSmYgeRg #LeiaNoSantahá 3 horas Retweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaColigação entre PMDB e PSD em SC está ficando cada vez mais distante https://t.co/tgtndjb6B1 #LeiaNoSantahá 3 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros