MEC é notificado e vai recorrer de decisão que impede nota zero à redação que ferir direitos humanos - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Enem 201702/11/2017 | 17h19Atualizada em 02/11/2017 | 17h19

MEC é notificado e vai recorrer de decisão que impede nota zero à redação que ferir direitos humanos

Ministro da Educação recomendou que participantes mantenham o respeito a essas questões

MEC é notificado e vai recorrer de decisão que impede nota zero à redação que ferir direitos humanos Billy Boss/Câmara dos Deputados/Divulgação
Foto: Billy Boss/Câmara dos Deputados / Divulgação
Zero Hora
Zero Hora

A três dias das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o ministro da Educação, Mendonça Filho, confirmou que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) foi notificado da decisão judicial que impede a atribuição de nota zero à prova de redação dos candidatos que ferirem os direitos humanos em seus textos. Em entrevista ao programa Gaúcha+ na tarde desta quinta-feira (2), o ministro disse que o órgão vai recorrer da decisão.

De acordo com Mendonça Filho, a notificação da decisão, tomada pela Justiça Federal em Brasília na última semana, ocorreu na noite de quarta-feira (1º) ao Inep.  Ele ressaltou que cinco mil redações foram anuladas no ano passado — entre os cinco milhões de estudantes que realizaram o Enem — devido ao desrespeito aos direitos humanos. Isso porque uma das cinco competências avaliadas na correção da prova prevê a elaboração de uma proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando a questão humanitária.
– O respeito aos direitos humanos é algo importante. Mesmo se a liminar não cair, a orientação é realizar a redação respeitando esses critérios, até porque esse é um dos pontos a ser avaliado na correção da prova _ recomenda o ministro.
A prova de redação do Enem será aplicada a mais de 6,7 milhões de candidatos neste domingo (5), junto a questões de Linguagens e Ciências Humanas. No Rio Grande do Sul, serão mais de 294 mil pessoas.

 Mudanças no Fies

Em relação às mudanças no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), aprovadas na terça-feira (31), o ministro rebateu o levantamento feito pelo Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinepe). Segundo a entidade, apenas 30% das instituições de ensino gaúchas confirmam que irão aderir ao novo modelo de programa, caso o projeto seja aprovado no Senado e entre em vigor em 2018. O restante ainda não definiu, mas tende a não aderir por entender que as regras tornam o programa inviável.

– É uma crítica que tem pouca substância. Respeito a posição, mas há uma discordância muito grande. Seria o melhor dos mundos que a inadimplência caísse sobre os governos. Isso é uma calamidade e um absurdo. Se a gente dividir o risco e a inadimplência com as instituições privadas, teremos mais cuidado com a questão – afirmou Mendonça Filho.

Entre as alterações, a que mais chama a atenção indica que haverá desconto automático na folha de pagamento do recém-formado. Segundo o governo, a medida servirá para diminuir a inadimplência, hoje gira em torno de 46%. Se ele não tiver conseguido um emprego, terá de continuar pagando uma parcela mínima, parecida com a que pagava durante o curso. Se já estiver trabalhando, a parcela poderá corresponder a até 20% da sua folha. 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaCom placar apertado, Câmara de Blumenau aprova moção de aplauso a evento sobre diversidade da Escola Elza Pacheco… https://t.co/P7qW8L1t8Qhá 53 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaAdolescente é apreendido com quatro quilos de maconha em terminal de ônibus de  Blumenau https://t.co/Ummd7eCJnm #LeiaNoSantahá 4 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca