125 cães são diagnosticados com leishmaniose e 69 são eutanasiados em Florianópolis - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Alerta 20/12/2017 | 14h57Atualizada em 20/12/2017 | 15h01

125 cães são diagnosticados com leishmaniose e 69 são eutanasiados em Florianópolis

Segundo dados da secretaria de Saúde da Capital, os casos estão espalhados em 23 bairros

125 cães são diagnosticados com leishmaniose e 69 são eutanasiados em Florianópolis Marco Favero/Agencia RBS
Foto: Marco Favero / Agencia RBS

O número de cães diagnosticados com leishmaniose saltou neste ano em Florianópolis . Foram 125 cães diagnosticados com leishmaniose visceral canina (LVC) e 69 eutanasiados, segundo informações da secretaria de Saúde da Capital. Os números desse balanço superam os registrados em todo ano passado, quando foram 74 casos positivos e 35 eutanasiados. 

Desde o início do ano, foram testados 1798 animais, tanto pelo Centro de Controle de Zoonoses  e pela Diretoria de Bem-Estar Animal.  Ainda conforme a secretaria, a doença está espalhada por 23 bairros da Capital. O bairro com maior número de casos da doença é o Saco dos Limões - onde foi registrado o primeiro caso em humanos - com 44 animais contaminados, seguido por Costeira do Pirajubaé (17) e Itacorubi (16).     

Em 2017 também foram registrados os três primeiros casos autóctones em humanos na Capital. O primeiro em  agosto em um morador do Saco dos Limões.  Já o segundo foi em um morador no Pantanal. O terceiro caso foi de uma adolescente de 14 anos  do bairro Rio Tavares, no Sul da Ilha  em dezembro. 

Em relação a esses cães com o parasita, o Centro de Controle de Zoonoses orienta e fornece duas opções: tratamento do animal com assistência veterinária constante e uso permanente de coleira repelente, mediante assinatura de termo de responsabilidade do tutor, ou a entrega do cão para que seja feita a eutanásia, conforme recomenda o Ministério da Saúde.

Os casos positivos passam por dois testes, um de triagem que é realizado no Centro de Controle de Zoonoses, e um confirmatório que é realizado pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) de SC, segundo a secretaria de Saúde. .

A Secretaria de Saúde de Florianópolis orienta os moradores das regiões com casos em humanos a fazer a limpeza dos terrenos e casas, realizar a poda periódica das árvores, além de evitar a criação de porcos e galinhas muito próximas às residências. Outra recomendação importante é o uso de roupas adequadas, como boné, camisa de manga comprida, calças e sapatos fechados, quando permanecer em área de mata ou no entorno especialmente a partir das 17h, horário de maior atividade do mosquito-palha. Indica-se, também, a utilização de coleiras repelentes em todos os cães. 

Saiba como proteger seu cão contra a leishmaniose visceral



Foto:

Sintomas em animais:

- emagrecimento;
- enfraquecimento dos pelos;
- apatia;
- descamação ao redor dos olhos, focinho e ponta das orelhas;
- crescimento exagerado das unhas;
- conjuntivite ou outros distúrbios oculares;
- aumento de volume na região abdominal;
- diarreia, hemorragia intestinal e inanição.

Sintomas em humanos:
- febre intermitente com semanas de duração;
- fraqueza;
- perda de apetite;
- emagrecimento;
- anemia;
- palidez;
- aumento do baço e do fígado;
- comprometimento da medula óssea;
- problemas respiratórios;
- diarreia;
- sangramentos na boca e nos intestinos.

Prevenção

Locais com fezes de animais, cascas ou restos de vegetais e folhas podem ser favoráveis para a ocorrência do inseto transmissor da doença. Isto porque o ‘mosquito-palha’, transmissor da leishmaniose, se reproduz em locais sombreados e com acúmulo de matéria orgânica em decomposição.

A melhor forma de prevenção é a limpeza dos terrenos e casas, realizar a poda periódica das árvores, além de evitar a criação de porcos e galinhas em área urbana. O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Florianópolis oferece serviço de coleta e realização de exame laboratorial para o diagnóstico da leishmaniose visceral canina.

Outra recomendação importante é o uso de roupas adequadas, como boné, camisa de manga comprida, calças e botas, quando permanecer em área de mata ou no entorno, especialmente a partir das 17h, horário de maior atividade do ‘mosquito-palha’. Indica-se, também, a utilização de coleiras repelentes de insetos nos cães.

Fonte: Secretaria de Saúde de Florianópolis

Leia também:

Capital registra três casos autóctones de leishmaniose visceral humana este ano

Em três meses, 67 cães são diagnosticados com leishmaniose e 36 são eutanasiados em Florianópolis

Saiba como proteger seu cão contra a leishmaniose visceral

Florianópolis registra o segundo caso de leishmaniose visceral em humanos

Santa Catarina tem primeiro caso de leishmaniose visceral humana

Aumento do número de casos em cães acende alerta para leishmaniose em Florianópolis



Jornal de Santa Catarina
Busca