Daniela Matthes: "No fim do ano entramos numa esteira automática em que comprar é sinônimo de existir" - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Opinião18/12/2017 | 09h43Atualizada em 18/12/2017 | 09h43

Daniela Matthes: "No fim do ano entramos numa esteira automática em que comprar é sinônimo de existir"

Confira a coluna desta segunda-feira

Uma das teorias que jornalistas em formação mais debatem é a Teoria do Agendamento ou Agenda Setting. Em miúdos: é uma corrente de pensamento que discute a influência da mídia nos temas que se tornam mais importantes e discutidos pela população. Sugere que os veículos de comunicação definem, nas entrelinhas, o que a sociedade vai julgar relevante. Verdade que esse coreto teórico está um tanto bagunçado com o avanço das redes sociais. Emissor e receptor já não têm mais lugares tão marcados.

Pois lembrei dessa teoria capaz de arrancar debates quentes nos bancos universitários pensando sobre o fim de ano. Caso fosse honesta, confessaria que há uns pares de anos não consigo entrar no clima desta época. Prefiro, temporariamente, ao menos, a falsidade em troca de algum sossego natalino. Caso contrário, estaria fadada às explicações e orelhas vermelhas por ter me rebelado contra amigos-secretos, festas de encerramento, jantares natalinos e de banquetes de Réveillon. Escorrego, então, no último mês do calendário com sorriso tão verdadeiro quanto os de porcelana que lotam o Instagram.

::: Leia outras colunas de Daniela Matthes

Nos últimos anos, Papai Noel é quem deu um jeito de tirar à força Fritz e Fridas das vitrines. Eles até convivem por um tempo, mas logo o Velhinho torna-se soberano. Novembro dobra a esquina e entramos na roda da ansiedade de mil festas de encerramento. Há alguma histeria coletiva para, talvez, aproveitar tudo o que não foi possível durante o ano. Poderíamos fazer festas de "continuidade". Comemorar a amizade com colegas de trabalho, patotas de futebol, da escola, da universidade durante o ano. Não precisaríamos esperar dezembro para revelar algum elogio ao amigo não necessariamente secreto. Trocamos críticas com frequência. Elogios, raramente. Poderíamos colocar nossas melhores roupas, servir a melhor comida e comungar em família, sem data marcada no calendário para isso. Uma vez a cada 12 meses é muito pouco. No fim do ano entramos numa esteira automática em que comprar é sinônimo de existir.

Será que precisamos de roupas novas se o guarda-roupas está abarrotado? Um computador novo se o antigo segue funcionando? Celular de última geração se o anterior não dá sinais de fraquejar? Bolsas e sapatos da moda que alguma blogueira foi paga para aparecer com os itens como se nada fosse para apetecer o desejo alheio? Carro zero quilômetro se o que está na garagem continua rodando com segurança? Mais um livro para a pilha de futuras leituras? Não somos nós que estamos fazendo nosso agendamento temático de fim de ano. Quem será?

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaDefesa Civil de Blumenau sobrevoa áreas de risco https://t.co/cJzWLXSDzX #LeiaNoSantahá 5 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaMenino com deficiência visual morre ao cair em bueiro em Campos Novos https://t.co/Omi1DdArT8 #LeiaNoSantahá 30 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca