Lauro Bacca: o resgate do Parque das Nascentes - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Meio ambiente07/12/2017 | 07h00Atualizada em 07/12/2017 | 07h00

Lauro Bacca: o resgate do Parque das Nascentes

Confira a coluna do ambientalista Lauro Bacca

A reportagem "Preservação Reforçada" (Santa, 4 de dezembro) sobre o Parque Natural Municipal Nascentes do Garcia – Parque das Nascentes revela mais um pioneirismo de Blumenau. Ao cumprir o que dispõe o Art. 47 da Lei 9985/2000 mesmo ainda carente de regulamentação, o Samae dá um salto à frente contribuindo financeiramente com a gestão do parque que lhe garante água da melhor qualidade para captação e uso público, fruto da abnegação e perseverança ímpares do biólogo Jônata Giovanella e muitos voluntários desse parque municipal.

Este colunista está visceralmente envolvido com a questão. Em 1973, como primeiro presidente da Acaprena e ainda estudante na Furb, auxiliado pelo professor Alceu Longo, procuramos o senhor Udo Schadrack, desde 1932 proprietário e preservador das florestas que cobrem o morro Spitzkopf. Na ocasião, o senhor Udo confirmou sua intenção de doar grande parte de sua propriedade ao governo, na condição obrigatória de que essa doação resultasse na criação de um Parque Nacional em todas as cabeceiras do rio Garcia, em Blumenau. Não deu certo na época, mas, em 2004, finalmente, foi criado o Parque Nacional da Serra do Itajaí, protegendo muito mais que as cabeceiras do Garcia.

::: Leia mais textos do colunista Lauro Bacca

A partir de 1980, a empresa têxtil Artex, através de seu diretor e ex-prefeito de Blumenau, Carlos Curt Zadrozny, preocupada com a devastação florestal nas cabeceiras do Garcia, começou a adquirir o máximo possível de terras na região, visando garantir a preservação e, por consequência, a qualidade e regularidade da água necessária aos processos de beneficiamento têxtil da empresa. Zadrozny acertou em cheio. Não apenas garantiu a preservação de grande parte do manancial, como acabou economizando no tratamento de água para uso industrial.

Gerindo o Parque Ecológico Artex a partir de 1988, verifiquei que o custo por metro cúbico de água tratada da empresa à época era de 17,3 centavos de cruzados, valor cinco vezes menor que a média de 8,68 centavos de nove outras empresas similares em Blumenau. A semelhança com o caso da água da cidade de Nova York, aqui já abordado, de sete dólares de economia em tratamento para cada dólar investido em preservação, não foi mera coincidência.

Preservar, além de ser importantíssimo, também pode compensar. Este é o caso da captação da ETA III do Samae.

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPIB caiu em 109 cidades catarinenses em 2015 https://t.co/M5tfmBxGSN #LeiaNoSantahá 3 horas Retweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaDagmara Spautz: Outlet inaugura em Porto Belo com investimento de R$ 200 mi https://t.co/7sueqH4O9I #LeiaNoSantahá 4 horas Retweet
Jornal de Santa Catarina
Busca