Quase metade das catarinenses deixa de fazer exame que previne câncer de colo uterino - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

 

Saúde17/01/2018 | 05h06Atualizada em 17/01/2018 | 05h06

Quase metade das catarinenses deixa de fazer exame que previne câncer de colo uterino

Apesar da baixa procura pelo papanicolau, 87% das mulheres do Estado reconhecem a importância do diagnóstico preventivo desse que é o terceiro tumor mais frequente no país, indica pesquisa inédita da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica

Quase metade das catarinenses deixa de fazer exame que previne câncer de colo uterino Diorgenes Pandini/Diário Catarinense
Virginia Faria é a exceção demonstrada pelo levantamento da SBOC: realiza o exame preventivo periodicamente Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense

Atrás somente do câncer de mama e colorretal, o tumor no colo do útero é o terceiro mais frequente no Brasil, com estimativa de 16,3 mil novos casos a cada ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca). Também representa a quarta causa de morte feminina por câncer — a avaliação mais recente, de 2013, confirmou 5,4 mil óbitos por essa causa. A despeito dessa realidade, 47% das mulheres catarinenses deixam de fazer o exame preventivo da doença, conforme demonstra pesquisa inédita da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC): Panorama sobre Conhecimento, Hábitos e Estilo de Vida dos Brasileiros em relação ao Câncer.

Esse câncer é causado pela infecção persistente do colo do útero (que fica no fundo do canal vaginal e é acessível ao toque) por alguns tipos do papilomavírus humano, o HPV. Somado às vacinas e aos preservativos, o exame que rastreia possíveis lesões pré-cancerosas e analisa as células cervicais compõe a estratégia do Ministério da Saúde para diminuir os índices desse tipo de tumor, de acordo com a diretora da SBOC, Andreia Melo. 

— O dado é alarmante, pois o Papanicolau é o principal procedimento de prevenção do câncer de colo de útero. A incidência da doença pode ser reduzida em até 80% quando feito com a periodicidade indicada pelo médico — enfatiza. 

Maior ainda a nível nacional (52%), a baixa adesão ao diagnóstico do câncer de colo uterino, não está relacionada ao desconhecimento sobre o exame. Isso porque 87% das mulheres no Estado catarinense ouvidas pelo estudo sabem da importância do preventivo. Moradora de Florianópolis, Virgínia Faria, 37, está entre elas. Ciente da importância de consultas ginecológicas periódicas, ela diz que realiza o exame na frequência indicada pelas diretrizes nacionais: anualmente a partir do primeiro e uma vez a cada três anos, se os últimos dois resultados tiverem sido normais.  

— Comecei a fazer com 18 anos, porque havia iniciado a atividade sexual, e até então nunca tive alteração. Acredito que as mulheres que não fazem tenham medo, constrangimento e vergonha, principalmente as adolescentes, além de esperarem o aparecimento de algum sintoma ginecológico para fazer o exame — comenta.

No âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), é possível fazer o exame preventivo sem agendamento prévio, já que o procedimento é realizado por enfermeiros no ambulatório. Já no contexto da rede privada de saúde, é preciso consultar-se com um médico, que fará a coleta no próprio consultório. Depois, os materiais são enviados para análise laboratorial. Dada a facilidade de acesso, o médico Ricardo Maia Samways, que preside a Sociedade Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia em SC, surpreende-se com a estatística demonstrada no levantamento. Frente aos números, garante que serão necessárias campanhas de divulgação e conscientização ainda mais abrangentes no Estado. 

— Essa é a principal demanda das mulheres em consultórios. Elas nos procuram anualmente para o preventivo. O voluntariado também cumpre papel importante na rede pública. Mas para que não haja receio e elas retornem, é fundamental explicar detalhadamente como funciona o exame. E também diminuir o medo em relação ao diagnóstico do câncer de colo uterino, que desde o aparecimento do vírus HPV até o câncer invasor pode levar dez anos — explica.

Em caso de resultado positivo para o tumor cervical, que neste caso estaria em estágio inicial, os tratamentos vão desde acompanhamento semestral associado a outros exames até cauterização das lesões. 

Para ginecologista obstetra Halana Faria de Aguiar Andrezzo, que atua em Florianópolis e pertence ao Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde, de São Paulo, a questão da desigualdade social é acrescentada como outra justificativa para quase metade das catarinenses deixarem de fazer o preventivo. Esse é o pior índice da região Sul. 

— Enquanto mulheres de camadas médias são submetidas a todo tipo de rastreio (Papanicolau, colposcopia e testes de DNA para HPV) anualmente, desnecessariamente e até mesmo com danos gerados por esse excesso, são as mulheres pobres sem mínimas condições de cuidar de si mesmas e sem acesso aos serviços de saúde que morrem por câncer de colo uterino — argumenta em seu blog, Casa de Amaterasu

Cigarro preocupa ainda mais

Outro grande vilão do câncer de colo de útero é o tabagismo. Segundo a pesquisa, 12% das mulheres do país fumam, sendo que, entre elas, 14% consome mais de 10 cigarros por dia. 

— Apesar de o cigarro estar comumente relacionado ao câncer de pulmão, o tabagismo também é um fator de risco 

relevante quando se trata do tumor do colo de útero. E, mesmo o hábito sendo mais comum entre a população masculina, o que a pesquisa nos mostra é que grande parte das mulheres ainda fuma e, o mais preocupante, não pretende parar: 7% das respondentes diz que não abdicaria do hábito — aponta a médica Andreia Melo, da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica.

Em SC, 7% das mulheres catarinenses são fumantes e, entre elas, uma em cada três mulheres fuma um maço por dia.

Leia mais:
Mulheres adotam métodos contraceptivos não hormonais para fugir dos efeitos da pílula

Lei contra a violência obstétrica é sancionada em Santa Catarina

Aborto legal em SC: quando um direito é tabu 

O exame

O que é?

É um teste realizado para detectar alterações nas células do colo do útero. O nome "Papanicolaou" é uma homenagem ao patologista grego Georges Papanicolaou, que criou o método no início do século. Esse exame é a principal estratégia para detectar lesões precocemente e fazer o diagnóstico da doença bem no início, antes que a mulher tenha sintomas. Pode ser feito em postos ou unidades de saúde da rede pública que tenham profissionais capacitados. É fundamental que os serviços de saúde orientem sobre o que é e qual a importância do exame preventivo, pois sua realização periódica permite que o diagnóstico seja feito cedo e reduza a mortalidade por câncer do colo do útero.

O exame preventivo é indolor, simples e rápido. Pode, no máximo, causar um pequeno desconforto que diminui se a mulher conseguir relaxar e se o exame for realizado com boa técnica e de forma delicada.  Para garantir um resultado correto, a mulher não deve ter relações sexuais (mesmo com camisinha) nos dois dias anteriores ao exame, evitar também o uso de duchas, medicamentos vaginais e anticoncepcionais locais nas 48 horas anteriores à realização do exame. É importante também que não esteja menstruada, porque a presença de sangue pode alterar o resultado.

Como é feito o exame?

— Para a coleta do material, é introduzido um instrumento chamado espéculo na vagina (conhecido popularmente como “bico de pato”, devido ao seu formato);
— O médico faz a inspeção visual do interior da vagina e do colo do útero;
— A seguir, o profissional provoca uma pequena escamação da superfície externa e interna do colo do útero com uma espátula de madeira e uma escovinha;
— As células colhidas são colocadas numa lâmina para análise em laboratório especializado em citopatologia.

Quem deve fazer e quando fazer o exame preventivo?

Toda mulher que tem ou já teve vida sexual deve submeter-se ao exame preventivo periódico, especialmente as que têm entre 25 e 59 anos. Inicialmente, o exame deve ser feito anualmente. Após dois exames seguidos (com um intervalo de um ano) apresentando resultado normal, o preventivo pode passar a ser feito a cada três anos. Mulheres grávidas também podem se submeter ao exame, sem prejuízo para sua saúde ou a do bebê. 

O que fazer após o exame?

A mulher deve retornar ao local onde foi realizado o exame (ambulatório, posto ou centro de saúde) na data marcada para saber o resultado e receber instruções. Tão importante quanto realizar o exame é buscar o resultado e apresentá-lo ao médico.

Resultados

Se o exame acusou:

— Negativo para câncer: se esse for o primeiro resultado negativo, a mulher deverá fazer novo exame preventivo um ano depois. Se ela já tem um resultado negativo no ano anterior, deverá fazer o próximo exame preventivo daqui a três anos;
— Alteração (NIC I): repetir o exame seis meses depois;
— Outras alterações (NIC II e NIC III): o médico decidirá a melhor conduta. A mulher precisará fazer outros exames, como a colposcopia (exame feito com o colposcópio: aparelho com lentes de aumento e câmera para visualizar o colo do útero, vagina, períneo);
— Infecção pelo HPV: deverá repetir o exame seis meses depois; 
— Amostra insatisfatória: a quantidade de material não deu para fazer o exame. Ela deve repetir o exame logo que for possível.

Independente desses resultados, a mulher pode ter alguma outra infecção que será tratada. Deve seguir o tratamento corretamente e, às vezes pode ser preciso que o seu parceiro também receba tratamento. Nesses casos, é bom que ele vá ao serviço de saúde receber as orientações diretamente dos profissionais de saúde.

Atenção: Os sintomas do câncer do colo do útero só aparecerão em fase já adiantada da doença: sangramento e dor nas relações sexuais.

Fonte: Biblioteca Virtual em Saúde / Ministério da Saúde / Instituto Nacional do Câncer

Leia também:
SC fecha 2017 com taxa recorde de doadores de órgãos

SC projeta receber 1,5 milhão de estrangeiros até o fim do verão

Florianópolis é a capital com menos obesos

 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaÀs 18h, os brinquedos da Planetapeia vão percorrer os setor do Parque Vila Germânica. Às 19h será a vez de atrações… https://t.co/hdgiMphZqbhá 4 diasRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaO desfile na Rua XV de Novembro, no Centro de Blumenau, está cancelado, mas algumas das atrações vão circular pelos… https://t.co/tTOVJw7lewhá 4 diasRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca