Trabalhadores do transporte coletivo aprovam proposta da concessionária nas primeiras assembleias do dia - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

 

Negociação22/03/2018 | 18h31Atualizada em 22/03/2018 | 18h32

Trabalhadores do transporte coletivo aprovam proposta da concessionária nas primeiras assembleias do dia

Duas das três assembleias desta quinta-feira tiveram decisões favoráveis, que caminha para ser sacramentada após reunião esta noite

Trabalhadores do transporte coletivo aprovam proposta da concessionária nas primeiras assembleias do dia Jean Laurindo/Jornal de Santa Catarina
Foto: Jean Laurindo / Jornal de Santa Catarina

As duas primeiras assembleias de motoristas e cobradores de Blumenau, na manhã e na tarde desta quinta-feira, terminaram com decisões favoráveis à proposta de reajuste salarial apresentada pela empresa Blumob. Uma terceira reunião que deve sacramentar a decisão final do sindicato da categoria, o Sindetranscol, ocorre na noite desta quinta, no CTG Fogo de Chão, no bairro da Velha, em Blumenau.

Segundo o ex-presidente e membro da diretoria do sindicato, Ari Germer, as duas primeiras assembleias já reuniram cerca de 60% da categoria. A negociação salarial de motoristas e cobradores se arrasta desde novembro do ano passado e já teve seis rodadas no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SC) em busca de um consenso. O impasse chegou a resultar em paralisações parciais do serviço desde dezembro. 

Na última audiência do TRT-SC, ficou definido que os detalhes da proposta só seriam divulgados após as assembleias dos trabalhadores. A proposta da Blumob oferece reajuste salarial de 1,83%, que corresponde à reposição da inflação no período, e mais 4,2% de alta no vale-alimentação, que passa de R$ 700 para R$ 730.

A principal conquista para a categoria, no entanto, seria a manutenção da convenção coletiva de trabalho. Durante toda a negociação, o Sindetranscol defendia uma cláusula de proteção contra mudanças possíveis após a Reforma Trabalhista, como a terceirização de atividades. Germer explica que pela proposta oferecida as cláusulas atuais da convenção seriam mantidas, protegendo a categoria das novas possibilidades trabalhistas, e qualquer alteração exigiria aval do sindicato dos trabalhadores.

 - Foi o principal avanço, não conheço um sindicato que já tenha conseguido isso - afirmou. 

Caso a última audiência do dia confirme a aceitação da proposta, os valores retroativos devem ser recebidos pelos trabalhadores na folha salarial de abril.

 
Jornal de Santa Catarina
Busca