A epopeia de Gustavo e Lissandra, os noivos de Blumenau que convenceram os caminhoneiros - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

 

Teve casório, sim!29/05/2018 | 18h27Atualizada em 29/05/2018 | 18h27

A epopeia de Gustavo e Lissandra, os noivos de Blumenau que convenceram os caminhoneiros

Para poder fazer a cerimônia e festa de casamento, o casal foi aos pontos de bloqueio negociar liberação de veículos com flores, mesas, cadeiras e decoração

A epopeia de Gustavo e Lissandra, os noivos de Blumenau que convenceram os caminhoneiros Mário Fusinato/Divulgação
Casal foi até cada um dos pontos de bloqueio, liberou caminhões e conseguiu fazer o casamento. Foto: Mário Fusinato / Divulgação

Hoje Gustavo Voltolini e Lissandra Melati embarcam para a lua de mel. O que parece ser apenas mais uma etapa de um casamento normal, na verdade, não foi tão comum se comparado a outros que ocorrem aos montes no Vale do Itajaí. Isso porque quis o destino que a cerimônia religiosa e festa do matrimônio estivessem marcadas justamente para um dos dias da greve dos caminhoneiros.

Era sexta-feira, dia 25, no auge da paralisação no Estado. Faltava pouco mais de 24 horas para ambos trocarem alianças e nada havia chegado ao local da festa, em Itajaí. Nem flores, nem decoração, nem mesas, muitos menos cadeiras. Nada. Todos os caminhões com itens que seriam usados no evento estavam retidos e sem qualquer previsão de liberação. O que poderia ter sido um balde de água fria despejado lentamente sobre os noivos, no fim das contas, se tornou uma história que envolve aventuras, negociações, convencimento e alegria.

Quando tudo parecia que ia dar errado, Gustavo e Lissandra escolheram não ficar à mercê da negociação entre governo federal e manifestantes. Eles então chamaram um Uber e decidiram que iriam tentar convencer os caminhoneiros com a história. Com o convite em mãos e com direito a um discurso repleto de lágrimas, o casal foi em cada um dos pontos de bloqueio no Vale do Itajaí para conversar com os líderes. Foi fácil? Claro que não.

– Sabíamos que era uma tarefa difícil. Eram quatro caminhões em três barreiras. No primeiro lugar que fomos, ali perto da Havan de Gaspar, tinha um caminhão parado desde as 3h da manhã. A conversa foi de alto nível, com respeito de ambas as partes. Eles diziam que entendiam, mas acreditavam que se liberassem iriam perder a liderança, já que havia casos mais urgentes e pessoas paradas há mais tempo, e que iriam deixar as nossas coisas passarem talvez às 18h. Falei que o "provavelmente" não me adiantava, mas ele disse que nós tínhamos a palavra dele – relata Gustavo.

E assim foi. Passando de bloqueio em bloqueio e com muita negociação, o casal foi convencendo os líderes do movimento para garantir a passagem dos caminhões – e, como consequência, que os convidados não ficassem em pé com os pratos em mãos, em uma festa sem decoração e sem flores. Com calma, de ponto em ponto, os veículos iam sendo liberados com destino ao local da festa.

– O primeiro a chegar foi o caminhão com a mesa e nós comemoramos muito. Depois veio o da decoração, depois o das flores. Quando chegou o último, com as cadeiras, parecia que tinha sido um gol em final de campeonato – confessa Lissandra. 

Força de familiares e amigos
foi a motivação dos noivos

Embora estivessem preocupados com a liberação dos caminhões para a decoração da festa, havia outro ponto que despertava o receio: os convidados. Afinal de contas, eles conseguiriam chegar ou não? 

– Não dá para fazer um casamento sem pessoas – pondera o noivo.

Mesmo com combustível escasso, os convidados compraram a briga, entenderam a preocupação dos noivos e foram a motivação que ambos precisavam para conseguir colocar de pé a festa, conta Lissandra. Teve convidado vindo de Apiaí (SP) com um tanque de gasolina e sem saber se ia voltar. Outro saiu de São Ludgero, no Sul do Estado, mas não tinha combustível suficiente e foi apenas até Tubarão. De lá, conseguiu uma carona via aplicativo para Florianópolis, onde conseguiu outra condução para chegar em Itajaí. Histórias paralelas à epopeia dos noivos e que complementam uma trajetória recheada de altos e alguns baixos.

No fim das contas eles trocaram alianças, disseram "sim", e se casaram – como é possível ver na foto acima. A festa ocorreu normalmente, com todos os convidados – se eles conseguiram voltar para casa é outra história. O que é fato é que ambos, agora esposo e esposa, terão uma aventura para lá de curiosa para contar por um bom tempo. 

A vida inteira, talvez.

 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaMilicianos assassinaram Marielle por causa de terras, diz secretário de Segurança do RJ https://t.co/jFwrQAuNz2há 10 minutosRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaBolsonaro diz que revisará contratos de publicidade da Caixa  https://t.co/ATaVFXYFBDhá 13 minutosRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca