Primeiro estilo oficial de cerveja artesanal do Brasil é catarinense - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

 

Cerveja08/08/2018 | 05h26Atualizada em 08/08/2018 | 08h44

Primeiro estilo oficial de cerveja artesanal do Brasil é catarinense

A bebida foi criada por cervejeiros artesanais do Vale do Itajaí

Primeiro estilo oficial de cerveja artesanal do Brasil é catarinense Luís C. Kriewall Filho/Especial
Foto: Luís C. Kriewall Filho / Especial

Ácida, muito refrescante, leve e com uma brasilidade tropicalista feita para viajar na diversidade de frutas do território brasileiro. É catarinense e nascido no Vale do Itajaí, o primeiro estilo oficial de cerveja artesanal do Brasil. Criada de forma colaborativa entre cervejeiros caseiros de várias cidades em 2016, a Catharina Sour entrou em julho na lista oficial de estilos da Beer Jugde Certification Program (BJCP), que define as diretrizes para concursos cervejeiros no mundo inteiro. A bebida que leva Santa Catarina no nome é a primeira brasileira a entrar na lista e, com isso, deve ganhar espaço em cervejarias no mundo inteiro.

Veja também: 

Tendência gastronômica: cervejas artesanais conquistam espaço na cozinha

Um dos criadores do gênero, Carlo Lapolli diz que as conversas que deram início ao movimento começaram em Blumenau, com cervejeiros caseiros tentando fazer algo novo e com toque local. A base veio do estilo alemão Berliner Weisse, mas com várias diferenças e pouco de uma cerveja de trigo. O conceito foi definido em um workshop organizado pelos cervejeiros catarinenses em agosto de 2016: a Catharina Sour seria uma cerveja com malte de pilsen, malte de trigo e presença intensa de fruta, com acidez de lactobacilos e o uso opcional de especiarias. A partir daquele encontro, a cervejaria Liffey produziu os primeiros litros para venda em seu pub em Palhoça – uma Catharina Sour com abacaxi e hortelã. Depois, a Cervejaria Blumenau fez a estreia comercial do estilo para o grande público na Oktoberfest de 2016.

 Catharina Sour - Alles Blau
Estilo criado na região reúne malte de pilsen, malte de trigo e tem presença intensa de fruta, com acidez de lactobacilos e o uso opcional de especiariasFoto: Luís C. Kriewall Filho / Especial

Ainda naquele ano a receita da Catharina começou a ter sucesso internacional. A Sun of a Peach, bebida com pêssego da empresa blumenauense, foi a primeira do estilo a ser envasada e venceu a medalha de prata em um concurso cervejeiro na Austrália. Hoje, a marca pioneira tem duas Catharina Sour no mercado: de pêssego e maracujá.

– A aceitação do público com a Catharina surpreende. O consumidor leigo, que não está acostumado com cervejas diferentes, tende a rejeitar uma IPA, por exemplo, que é a mais comum entre as artesanais. Percebemos que a Catharina Sour pode ser uma porta de entrada para o mundo das cervejas artesanais – destaca o cervejeiro Daniel Ropelato.

A opinião é compartilhada por quase todos os envolvidos na criação da Catharina Sour. Diretor da Escola Superior de Cerveja e Malte de Blumenau, Carlo Bressiani, diz já ter ouvido de alemães que a cerveja pode ser até a nova caipirinha:

– Ela já apaixonou os estrangeiros, tem tudo a ver com o que eles pensam sobre o Brasil: calor, tropical, uma representação bonita da brasilidade para quem não é daqui. Já ouvi deles que querem chegar na praia no Brasil e pedir uma Catharina Sour.

Vila Germânica anuncia valor e venda dos ingressos para a Oktoberfest 2018


POSSIBILIDADES INESGOTÁVEIS

Talvez o grande trunfo da Catharina Sour seja a possibilidade de variações. Tradicionalmente, a cerveja precisa ter alguma fruta em sua composição e basicamente qualquer tipo de polpa deve funcionar, o que abre espaço para todas as experimentações. Marcas catarinenses já têm no mercado opções com jabuticaba, cupuaçu, uva, bergamota, pêssego, maracujá, butiá, manga, caju e tantas outras estão em fase experimental.

– A Catharina Sour tem tudo a ver com a gastronomia, a questão das frutas da estação. Podemos ter as cervejas de inverno, as de verão, as da primavera. É um conceito espetacular que dá para espalhar pelo mundo inteiro, cada lugar com as suas frutas – destaca Bressiani.

Por enquanto, a cerveja tem sido mais produzida no próprio berço, na região Sul, mas a expectativa é de que a entrada na lista da BJCP popularize o estilo em outras regiões do Brasil e no exterior – o que deve aumentar a variedade de ingredientes testados.


Popularização comercial do estilo blumenauense é o próximo passo

 No caminho da consagração nos concursos cervejeiros e festivais, a Catharina Sour dá passos para a popularização comercial. Nos bares que vendem a bebida em Blumenau, a busca é considerada grande, especialmente nos dias quentes, e principalmente do público feminino. Em quase todos os supermercados na região é possível encontrar garrafas de marcas variadas no formato de 600 ml, em valores que costumam partir de R$ 13.

 Cervejaria - Catharina Sour
A cervejaria Blumenau foi a primeira a envasar e vender o estilo Catharina Sour, com o sabor de pêssegoFoto: Luís C. Kriewall Filho / Especial

O mercado de latinhas ou long necks, já é utilizado por várias cervejarias para comercializar estilos mais comuns como Pilsen, Weizen e IPA, e a Catharina Sour está na mira. A blumenauense Alles Blau está finalizando a produção dos primeiros litros de uma cerveja com amora e vai lançá-la no mercado em long neck:

– Com o volume menor, o valor final é mais acessível, fora a praticidade, poder tomar como dose única. É uma cerveja de perfil refrescante e agradável que tem tudo para conquistar o paladar – explica o cervejeiro Rubens Bósio.

Carlos Lapolli acredita que o novo estilo cairá no gosto:

– A Catharina tem tudo para ser a cara do Brasil e se popularizar. Ela é resultado da união de cervejeiros caseiros, que vieram da panela, e mostra a força e a inovação que temos no Estado.  

PARA HARMONIZAR
À convite do Santa, o coordenador da sommelieria da Escola Superior de Cerveja e Malte, Rodrigo Sawamura, deu dicas para harmonizar pratos com a Catharina Sour: A Catharina Sour é uma cerveja super leve, refrescante, de acidez assertiva e boa influência da fruta. Muita carbonatação, baixo amargor e percentual alcoólico. Por isso combina com opções menos robustas, pratos menos intensos. Dificilmente conseguiria harmonizar com pratos como costela de boi, churrascos, sobremesas muito intensas. A fruta vai ter uma relação muito importante.

Catharina Sour leve com fruta cítrica:
- Ceviche

Catharina Sour com fruta cítrica e teor alcoólico mais elevado (acima de 5%):
- Pratos com frutos do mar, como bobó de camarão
- Lagosta
- Caranguejo
- Casquinha de siri
- Vinagrete
- Ostra fresca

Catharina Sour com fruta vermelha:
- Cheesecake leve com calda de frutas vermelhas

Catharina Sour com frutas típicas do Brasil como jabuticaba ou graviola:
- Medalhão de filé suíno combina com jabuticaba
- Graviola combina com peixes gordurosos como o robalo, feito na manteiga com ervas

Leia mais:

10 rótulos de cervejas catarinenses que você precisa conhecer

Confira dicas de harmonização de cervejas para cada ocasião

Entenda por que não se deve reclamar da espuma da cerveja

Estilo de cerveja criado em SC entra para o principal guia de juízes da bebida



 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaÀs 18h, os brinquedos da Planetapeia vão percorrer os setor do Parque Vila Germânica. Às 19h será a vez de atrações… https://t.co/hdgiMphZqbhá 2 diasRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaO desfile na Rua XV de Novembro, no Centro de Blumenau, está cancelado, mas algumas das atrações vão circular pelos… https://t.co/tTOVJw7lewhá 2 diasRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca