Moradores do bairro Fidélis, em Blumenau, sofrem com esgoto a céu aberto - Geral - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

 

Saúde pública19/09/2018 | 07h00Atualizada em 19/09/2018 | 07h00

Moradores do bairro Fidélis, em Blumenau, sofrem com esgoto a céu aberto

Pelo menos 20 famílias que convivem diariamente com o mau cheiro e o risco de doenças na Rua Wilhelm Alsleben estão entre os 58% dos moradores que não têm saneamento

Moradores do bairro Fidélis, em Blumenau, sofrem com esgoto a céu aberto Patrick Rodrigues/Jornal de Santa Catarina
A costureira Ivanir Salete Martins aguarda uma solução para o esgoto no quintal de casa há 25 anos Foto: Patrick Rodrigues / Jornal de Santa Catarina

Blumenau avançou quando o assunto é tratamento de esgoto. Segundo a prefeitura, o índice de cobertura de saneamento básico na cidade chega atualmente a 42%. Há oito anos, o percentual era de 4,8%. Apesar das conquistas, a faixa da população que não tem acesso ao serviço preocupa. Na Rua Wilhelm Alsleben, no bairro Fidélis, alguns moradores ainda convivem com o mau cheiro e o perigo de doenças em decorrência da falta de canalização dos efluentes.

Ivanir Salete Martins enfrenta esse problema no quintal de casa. A situação não é nova. Há 25 anos, a costureira busca uma solução. O cenário, porém, se agravou recentemente com o crescimento da população no entorno. São ao menos 20 famílias que sofrem com a situação.

– Ao meio-dia, quando eu desço aqui para fazer o almoço, tenho que fechar as janelas porque não aguento o cheiro. A gente vai pagar com o maior prazer se o esgoto passar e ajuda se precisar comprar tubo para colocar aqui, mas assim não dá para ficar – diz a mulher de 57 anos.

Pedro Bertolino Vandrei alugou uma casa ao lado da residência de Ivanir. Ele já se prontificou a tentar amenizar a situação junto com outros vizinhos e fazer limpezas nas valas para dar vazão ao esgoto que passa por trás da casa. Mas está cansado por não ter uma solução definitiva para a situação, o que no ponto de vista dele já poderia ter sido resolvido com a colocação de tubulação.

Mais do que mau cheiro, que Vandrei tenta driblar com o uso de bom-ar, o receio é com as doenças. A preocupação não é em vão. Dados divulgados pelo Trata Brasil mostram que em 2013 foram notificadas mais de 340 mil internações por infecções gastrintestinais no país. De acordo com o instituto, se 100% da população tivesse acesso a esgoto, haveria uma redução de 74,6 mil internações no Brasil.

– Vivem falando que é para a gente cuidar com a dengue, não é? Mas e isso aqui? – diz o morador.

O coordenador do Mestrado em Saúde Coletiva da Furb, professor João Luiz Gurgel Calvet da Silveira, conhece a realidade dos moradores do Fidélis. Diz que o município evoluiu bastante em relação ao tratamento de esgoto, mas que é preciso ir além. 

::: Leia mais notícias de Blumenau

Investimento para prevenir doenças

O desafio do saneamento não é exclusivo de Blumenau. Em Santa Catarina, apenas 20,86% da população contam com coleta de esgoto. Os estudos apontam que para cada R$ 1 investido em saneamento, R$ 4 são economizados na saúde.

Os números corroboram a afirmação de Silveira sobre os riscos que as pessoas expostas ao esgoto a céu aberto correm:

– Com esse cenário ocorre a proliferação de vetores, mosquitos principalmente, que transmitem doenças, algumas até graves como a dengue, além de roedores. Esgoto a céu aberto é uma coisa muito grave e precisa ser tratado, porque o impacto na saúde é direto. Dados epidemiológicos mostram isso, a gente consegue reduzir doenças preveníveis se você tem um bom saneamento básico – explica o professor da Furb ao ressaltar que casos graves de diarreia podem ocorrer.

Para Silveira, a questão deve ser tratada de forma conjunta entre o poder público e a comunidade. Nesse contexto, a participação social dentro dos Conselhos de Saúde é importante para apontar as situações e cobrar soluções das autoridades, sobretudo por se tratar de um direito previsto no Sistema Único de Saúde.

– É uma questão de cidadania. Quando o cidadão está consciente ele vai trabalhar para ter seu direito garantido – diz Silveira.

Contraponto

A prefeitura de Blumenau foi questionada sobre a situação dos moradores da Rua Wilhelm Alsleben, mas até o fechamento não respondeu à reportagem. 

A administração municipal também não informou qual o percentual de imóveis na cidade que não tem coleta de esgoto. A BRK Ambiental, concessionária do sistema de esgoto, explica que onde não há coleta e nem tratamento de efluentes os moradores devem seguir o que prevê o Código de Posturas da cidade.

O documento diz que todo imóvel deve contar com fossa e filtro e realizar a manutenção regular, para que não aconteçam casos de obstrução e rompimento. 

A implantação total de rede de esgotamento público sanitário no bairro Fidélis está prevista para ocorrer até 2024. Isso porque parte do loteamento onde fica a Rua Wilhelm Alsleben, de acordo com a BRK, já foi contemplada, em 2010, coleta e tratamento de esgoto por meio de um convênio da Fundação Nacional de Saúde.

 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaJovem morre após colisão em árvore na BR-470, em Trombudo Central, no Vale do Itajaí https://t.co/5tn8POfN57 #LeiaNoSantahá 1 diaRetweet
  • santacombr

    santacombr

    SantaÀs 18h, os brinquedos da Planetapeia vão percorrer os setor do Parque Vila Germânica. Às 19h será a vez de atrações… https://t.co/hdgiMphZqbhá 9 diasRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca