Orquestra de Baterias reúne músicos de dois a 68 anos na tarde deste domingo, em Florianópolis - Lazer e Cultura - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Barulho bom25/09/2016 | 18h38Atualizada em 25/09/2016 | 19h53

Orquestra de Baterias reúne músicos de dois a 68 anos na tarde deste domingo, em Florianópolis

Quarta edição do evento recebeu mais de 200 bateristas em frente à Catedral Metropolitana

Orquestra de Baterias reúne músicos de dois a 68 anos na tarde deste domingo, em Florianópolis Felipe Carneiro/Agencia RBS
Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS

Um tanto pacato aos domingos, o Centro da Capital recebeu na tarde deste domingo a quarta edição da Orquestra de Baterias, que invadiu as escadarias e a praça em frente à Catedral Metropolitana para pouco mais de uma hora de barulho, clássicos do rock e até uma versão inusitada para o hino de Florianópolis. 

Relembre como foi o último encontro da orquestra de baterias, realizado no ano passado no mesmo local
Só dá sertanejo: confira as atrações de verão do Music Park de Florianópolis e Balneário Camboriú
Leia as últimas notícias de música

A primeira edição em 2013 reuniu 32 músicos. Em 2014, foram mais de 70 e no ano passado o evento reuniu 107 bateristas e um público de 2,5 mil pessoas. Desta vez, foram 211 músicos e cerca de 4 mil pessoas em frente à Catedral, no Centro, números que o fazem a maior reunião ao ar livre de bateristas da América Latina, segunda a organização. 

O clima era de encontro entre amigos, mas o público era tão diverso em estilo e idade quanto os próprios bateristas. O mais novo tinha dois anos e quatro meses - Gabriel, filho de Richard Bondan, educador musical e um dos organizadores do evento. O mais velho era o engenheiro civil Marcos Schaefer Lehmkuhl, de 68 anos, que levou sua bateria Saema de 1983.

— Comprei em São Paulo. Na época, depositei o dinheiro na conta do vendedor e ele me mandou pelos Correios, na confiança. Toco bateria desde os 14 anos. Aprendi sozinho, é um dom — conta.

Porém, o mundo das baterias ainda é predominantemente masculino. Dos pouco mais de 200 músicos que apareceram, apenas 23 eram mulheres. Uma delas era Carolina Fritsch, do trio Monolito Rock Club, de Florianópolis (ela também é a única mulher do grupo). 

— Estou acostumada a tocar com homens em bandas, é um bloqueio que eu já superei faz tempo. Não me coloco em posição inferior e não sinto discriminação. Me sinto, sim, representando as mulheres — diz ela, que toca desde os 15 anos e participou da ação pela primeira vez. Esqueceu uma a banqueta em casa e tocou em pé, mesmo. 

Veja um trecho da apresentação:

O setlist não ficou restrito ao rock: vale destacar uma interessante versão para a dançante Jungle Boogie, do Kool & The Gang. Outro momento curioso foi a apresentação do hino de Florianópolis, o Rancho do Amor à Ilha, com participação do cantor Dudu Fileti e da banda da Polícia Militar. Assim como no ano passado, a performance encerrou com We will rock you, do Queen. 

Confira o setlist e ouça a playlist completa no Spotify:

- The White Stripes - Seven Nation Army
- Foo Fighters - Learn to Fly
- Led Zeppelin - Kashmir
- Metallica - Enter Sandman
- System of a Down - Aerials
- Kool & The Gang - Jungle Boogie
- Twisted Sister - We're not gonna take it
- Queen - We will rock you

Veja galeria de fotos do encontro:



 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPedro Machado: a Chapecoense é uma unanimidade https://t.co/w9WYf5SyKn #LeiaNoSantahá 5 diasRetweet
  • santacombr

    santacombr

    Santa"Pode-se tentar calar o juiz, mas nunca se conseguirá calar a Justiça", reage Cármen Lúcia https://t.co/JZDSmNAMoY #LeiaNoSantahá 5 diasRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros