Concorrente da Netflix, aplicativo com séries filmadas para celular é lançado no Brasil - Lazer e Cultura - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Novidade no mercado17/10/2016 | 21h59Atualizada em 18/10/2016 | 09h07

Concorrente da Netflix, aplicativo com séries filmadas para celular é lançado no Brasil

Studio+ estreia no país com título brasileiro "Crime time: hora de perigo"

Concorrente da Netflix, aplicativo com séries filmadas para celular é lançado no Brasil Youtube / Reprodução/Reprodução
Augusto Madeira estrela "Crime time: hora de perigo" Foto: Youtube / Reprodução / Reprodução
Paula Minozzo de São Paulo*

paula.minozzo@zerohora.com.br

De olho no usuário que quer consumir séries no smartphone, o aplicativo Studio+, "um Netflix para celular", anuncia sua chegada no Brasil em meio a uma parceria com a Vivo. Por enquanto, apenas clientes da operadora podem ter acesso ao catálogo. A exclusividade da parceria é de três anos. Os planos variam entre R$3,99 para planos pré-pago – com duração de sete dias – e R$ 12,99 para clientes pós-pago.

A seleção do serviço de streaming não conta com títulos conhecidos pelo público amante de seriados. A empresa que desenvolveu o aplicativo e produz as séries é a francesa Vivendi, que conta com apostas próprias. Já disponível para download na App Store e na Google Play, o Studio+ traz 15 séries exclusivas da marca, cada uma com 10 capítulos. O tempo de duração médio de cada um é de 10 minutos. A estratégia é atrair quem consome conteúdo no celular entre uma tarefa e outra. Até o final do ano, a ideia é que mais 15 títulos estreiem no catálogo.

Leia mais:
Phil Collins anuncia retorno aos palcos com turnê chamada "Ainda não morri"
Cristiane Oliveira é premiada no Festival do Rio com "Mulher do pai"

Um deles, que já está disponível, é brasileira: Crime time: Hora de perigo, estrelada por Augusto Madeira, conhecido pelos papéis em Zorra e Os caras de pau, da Globo.

Madeira vive Tony Paradatz, um ex-policial que vira apresentador de um programa de TV sensacionalista e, com a fama, acaba entrando para a política. Paradatz é um mau caráter que comete os crimes para ganhar mais audiência.

A história escolhida pelos franceses em conjunto com diretores brasileiros pode até lembrar o primeiro Tropa de elite. Com apelo popular, a série aposta em imagens sangrentas e muita ação. A produtora afirma que as filmagens e a fotografia, com closes mais fechados, foram pensadas para a tela do smartphone.

Madeira conta que, devido aos episódios mais curtos, o roteiro é feito para "viciar" quem assiste, com grandes reviravoltas em cada um. O ator conta que teve de pedir um período de licença da Globo, com a qual tem contrato, para fazer as gravações da série em São Paulo e no Rio de Janeiro.

— É lógico que o Zorra tem uma audiência, mas meu filho adolescente não vê, o streaming é para essa nova audiência. A Globo também está tentando se reinventar com o Globo Play. Se você não pegar uma cena dessas e jogar na internet, as pessoas não vão ver, não vão curtir — diz.

Na manga, a Vivendi já tem mais duas produções feitas no Brasil. Uma será sobre artes marciais, estrelando o lutador Minotouro, e a segunda será uma história romântica no Rio de Janeiro, esta em conjunto com a produtora Bossa Nova.

Aplicativo é aposta da Vivo para entrar no mercado digital

O lançamento do Studio+ foi feito em São Paulo, durante o Futurecom, evento de tecnologia das telecomunicações. Amos Genish, CEO da Telefônica Vivo, é conhecido pelo seu posicionamento a favor de uma regulamentação de serviços como o WhatsApp e a Netflix – ou de uma maior flexibilidade para as operadoras poderem competir com mais "igualdade" nesse mercado. Genish apresentou dados que mostram maior interesse do usuário por vídeo e por planos de dados.

Os clientes da operadora não ganham isenção na franquia de dados específica para o serviço, mas podem baixar as séries na rede Wi-Fi para assistirem remotamente. Cada trecho de 10 minutos, dependendo da resolução que o usuário escolher, gasta de 90 a 180 Megas.

Dominique Delport, presidente da Vivendi Content, ao mencionar os dados dos usuários que podem ser monitorados – como quais séries eles assistem – afirma que fornecer conteúdo seria uma forma mais valiosa e interessante de conhecer hábitos de consumo. O Netflix, por exemplo, é conhecido por usar algoritmos e o comportamento das pessoas para disponibilizar e oferecer novos títulos.

*A repórter viajou a convite da Vivo

Leia outras notícias de entretenimento e cultura em ZH

 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPedro Machado: a Chapecoense é uma unanimidade https://t.co/w9WYf5SyKn #LeiaNoSantahá 4 diasRetweet
  • santacombr

    santacombr

    Santa"Pode-se tentar calar o juiz, mas nunca se conseguirá calar a Justiça", reage Cármen Lúcia https://t.co/JZDSmNAMoY #LeiaNoSantahá 4 diasRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros