Nobel consagra Bob Dylan como gigante da música e da poesia   - Lazer e Cultura - Jornal de Santa Catarina

Versão mobile

Grande menestrel13/10/2016 | 15h57Atualizada em 13/10/2016 | 18h00

Nobel consagra Bob Dylan como gigante da música e da poesia  

Cantor e compositor americano de 75 anos que emergiu como ícone das canções na década de 60 permanece um atento cronista de seu tempo

Nobel consagra Bob Dylan como gigante da música e da poesia   /
Dylan no filme promocional de  "Subterranean homesick blues", faixa do disco  "Bringing it all back home" (1965)

A harmonia entre letra e música nunca foi questão de sobrevivência na canção popular. Se a melodia for de assoviar, dançar e bater o pé, se o refrão grudar na cabeça, o ouvinte costuma relevar a poesia menos inspirada. Mas existem artistas, como Bob Dylan, 75 anos, dos quais não é possível dissociar a música da narrativa de grande potência. O cantor e compositor cumpre ao longo de sua trajetória o papel dos ancestrais trovadores encarregados de observar, preservar e transmitir a história de seu tempo.

Ao anunciar nesta quinta-feira Dylan como vencedor do prêmio Nobel de Literatura de 2016, a Academia Sueca justificou: "Por 54 anos, Dylan tem se reinventado. O álbum Blonde on blonde é um extraordinário exemplo de como usar rimas e refrões e da sua brilhante forma de pensar". — citação ao álbum duplo de 1966 considerado um dos melhores do artista, com letras na vertente literária modernista. O comunicado destacou ainda, prevendo reações de surpresa com a escolha: "Ainda lemos (os poetas gregos) Homero e Safo e gostamos. Eles escreveram textos poéticos para serem cantados. Com Dylan é a mesma coisa".

Leia mais:
Bob Dylan vence Prêmio Nobel de Literatura
"Ele sabe que é um gigante", diz Peninha sobre Bob Dylan
Sete filmes sobre (e com) Bob Dylan
Bob Dylan: Nobel de Literatura é mais um prêmio na lista do cantor
Conheça os livros de Bob Dylan
Como foram os três shows de Bob Dylan em Porto Alegre
Escolha de Dylan para Nobel repercute entre escritores e personalidades

Dylan soma à conquista do Nobel um feito extraordinário em matéria de distinções artísticas, com láureas na literatura, no cinema e na música. Na sua estante há um Oscar e um Globo de Ouro (pela canção Things have changed), um Pulitzer, de 2008, por seu "profundo impacto na música popular e na cultura americanas", e um punhado de Grammys amealhados ao longo da carreira iniciada em 1959, quando o garoto de Duluth começou a mostrar no 10 O'clock Scholar, bar de Minneapolis, composições de blues e folk inspiradas em seu grande ídolo, Woody Guthrie. Robert Allen Zimmerman começava ali a se tornar o bardo de uma geração Bob Dylan.

Em 1961, de muda para Nova York, Dylan encontrou o cenário para sedimentar sua carreira. Assinou um contrato com a Columbia Records para gravar seu primeiro álbum, lançado no ano seguinte. Foi com o segundo disco que o mito tomou forma. The freewheelin' Bob Dylan, apresentado em maio de 1963, trazia como faixa de abertura Blowin' in the wind, que faria de Dylan o porta-voz do segmento artístico politicamente engajado e militante de temas candentes, como a luta pelos direitos civis dos negros e a Guerra do Vietnã: "Sim e quantas vezes deve um homem olhar para cima / Antes que possa ver o céu? / Sim e quantos ouvidos um homem deve ter / Antes que possa ouvir as pessoas chorarem? / Sim e quantas mortes causará até saber/ Que muitas pessoas têm morrido / A resposta, meu amigo, está soprando ao vento / A resposta está soprando ao vento".

Dylan tornava-se um totem da música, da poesia e da contracultura. Foi, em popularidade e reverência, o espelho sério e sóbrio da beatlemania. Promoveu guinadas espetaculares na carreira e na vida pessoal. Em 1966, rompeu com parte dos fãs e arrebanhou outros ao trocar o violão pela guitarra elétrica. Nos anos 1970, o bardo judeu converteu-se ao cristianismo, tornou-se estudioso da Bíblia e incorporou o louvor gospel a suas canções — transição simbolizada no disco Slow train coming (1979).

Com 37 discos de estúdio e dezenas de registros ao vivo e compilações, o novo vencedor do Nobel de Literatura tem, curiosamente, apenas dois livros lançados: Crônicas (2004), primeiro volume da anunciada trilogia de memórias, e Tarântula, exercício experimental de poesia lançado no circuito underground em 1966 e publicado em 1971 – no Brasil, em 1986. Poderia se incluir nessa bibliografia ainda as três publicações que lançou desde 1994 com desenhos e pinturas expostos em importantes galerias do mundo. 

Nesta sexta-feira, Dylan sobe novamente ao palco do festival Desert Trip, na Califórnia, na companhia dos Rolling Stones, para um nova rodada do evento musical do ano — e um dos mais importantes da história pela dimensão dos nomes envolvidos. Fim de semana que terá ainda as apresentações de Paul McCartney com Neil Young e Roger Waters com The Who, gigantes que também seguem voando para onde sopra o vento.


 
 

Siga Santa no Twitter

  • santacombr

    santacombr

    SantaPedro Machado: a Chapecoense é uma unanimidade https://t.co/w9WYf5SyKn #LeiaNoSantahá 3 diasRetweet
  • santacombr

    santacombr

    Santa"Pode-se tentar calar o juiz, mas nunca se conseguirá calar a Justiça", reage Cármen Lúcia https://t.co/JZDSmNAMoY #LeiaNoSantahá 3 diasRetweet
Jornal de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros